Seu pronto socorro está preparado para o outono e inverno?

Todos os anos no período de março a julho hospitais públicos e privados têm o mesmo problema, enfrentar o outono e inverno. Essas duas estações do ano são marcadas por oscilações bruscas de temperatura e baixa umidade do ar, o que acaba acarretando uma série de problemas respiratórios e vasculares na população, principalmente em idosos e crianças.

Apesar de o problema persistir há vários anos, a comunidade médica e os outros profissionais envolvidos no dia a dia de um hospital ainda não conseguem chegar a uma ‘estratégia ideal’, já que a variação de doenças, quantidade de pacientes atendidos e surtos epidemiológicos variam de ano para ano, não atendendo um padrão ou lógica.

Por esse motivo, muitas vezes grandes hospitais privados e públicos não conseguem se preparar adequadamente para essa época do ano. As medidas adotadas giram em torno de espaço físico e preparação de equipe, dois fatores essenciais para melhorar o atendimento em uma unidade de emergência que recebe centenas de pessoas diariamente.

Para o Prof. Dr. Paulo Roberto Cavallaro Azevedo, professor de Clínica Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e médico assistente da Santa Casa de São Paulo, ‘a maior preparação que podemos fazer dentro de um pronto socorro é treinar a equipe médica como um todo. O objetivo de um treinamento bem feito deve visar a separação de pacientes que estão passando por uma emergência de fato aos outros que estão ali buscando outros tipos de tratamento’.

De acordo com o Dr. Paulo, esta separação deve ser feita com base em ‘alertas’ criados nos questionários de atendimento das unidades de emergência e orientação aos enfermeiros, que normalmente trabalham na triagem dos pacientes. A partir de perguntas específicas e treinamento adequado, esses profissionais direcionam os pacientes com maior necessidade a um atendimento mais rápido.

Pronto socorro além do inverno. Como instituições de saúde procuram diminuir atendimento de urgência.

Indo um pouco além do outono e inverno, épocas críticas para qualquer PS, atualmente está em pauta a mudança de gestão e atendimento destes centros médicos. ‘Mais do que nos preparar para o outono e inverno, a comunidade de saúde deve tentar uma mudança de cultura da população em geral: atualmente, devido ao temor de não arrumar um médico especialista no sistema público de saúde ou demorar demais no atendimento, a população em geral acaba procurando as unidades de urgência, o que acaba acarretando em uma série de problemas, como superlotação e atendimento ineficiente para quem realmente precisa’, afirma o professor.

Para evitar este tipo de problema na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, Dr. Paulo afirma que todos os funcionários que participam do atendimento de emergência tiveram treinamento no Protocolo de Manchester, sistema de classificação criado para auxiliar os profissionais da saúde no direcionamento dos pacientes (veja imagem abaixo).

 

 

 

 

 

O Protocolo de Manchester funciona da seguinte maneira: pacientes que não tem urgência ou são pouco urgentes demoram mais pra ser atendidos, enquanto os que têm emergência, muito urgente ou urgente são atendidos com prioridade. Para o Dr. Paulo, esse tipo de atendimento é muito mais efetivo que o sequencial, já que essa classificação permite que pacientes urgentes não fiquem sem atendimento rápido.

Além de priorizar os pacientes certos, essa estratégia pode ajudar em outro fator, a mudança de cultura. Para o Dr. Paulo Roberto, ao demorar para ser atendido por motivos que não demandam atendimento do Pronto Socorro, pacientes podem começar a procurar outros métodos para resolver seus problemas. ‘Quando um paciente demora até 4 horas para trocar uma receita, por exemplo, pode ser que da próxima vez ele procure uma UBS ou um tratamento médico adequado antes de vir à emergência’.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 126, em 11/5/2018. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

Anúncios

Curso de Pós-graduação da FCMSCSP qualifica enfermeiros para atendimentos de urgência e emergência

Aline-Beatriz-Moreira-Gullo-faculdade-santa-casa

Prof.ª Mestra Aline Beatriz Moreira Gullo, coordenadora do curso de Pós-graduação em Enfermagem em Urgência e Emergência com Ênfase em Atendimento Pré-Hospitalar

A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo está com inscrições abertas para o curso de pós-graduação em Enfermagem em Urgência e Emergência com Ênfase em Atendimento Pré-Hospitalar. O programa apresenta uma grade curricular abrangente, com professores experientes e capaz de suprir as necessidades de formação acadêmica, além atender às exigências do mercado de trabalho que necessita de profissionais preparados para atuar nesta área crítica da saúde brasileira. De acordo com a Prof.ª Mestra Aline Beatriz Moreira Gullo, coordenadora do programa, o projeto pedagógico do curso foi construído para que o enfermeiro tenha competências e habilidades no atendimento de pacientes adultos, pediátricos e idosos em situações de emergência e urgência: “O especialista atuará com agilidade e abordagem humanizada, por meio do aprendizado dos protocolos de instituições renomadas nacionais einternacionais nas áreas de emergências cárdio/clínicas, ACLS (Advanced Cardiologic Life Support), emergências traumáticas, ATCN (Advanced Trauma Care for Nurses) ou emergências pediátricas, PALS (Pediatric Advanced Life Support), sendo treinado a gerenciar até mesmo o atendimento em catástrofes”, conta. O enfermeiro especialista em Urgência e Emergência pode atuar em unidades de atendimento pré-hospitalar, unidades de saúde 24 horas, pronto socorro, unidade de terapia intensiva geral e neonatal, unidades de internação, tanto em serviços públicos quanto em privados.

De acordo com a professora, o aprimoramento deve ser constante em todas as profissões, principalmente a área de saúde. Isso porque todo atendimento ao indivíduo, em qualquer ciclo da vida e em todas as áreas de atenção, segueprotocolos que são constantemente atualizados. “É necessário que o profissional Enfermeiro esteja sempre engajado e sabedor destas atualizações, pois o mercado exige deste profissional de enfermagem um aprofundamento teórico específico, bem como tomada de decisões adequadas, uma vez que irão interagir diretamente na sobrevida do paciente”, afirma a Prof.ª Aline.

Além disso, com o intuito de promover o exercício do pensamento crítico para o julgamento clínico que possibilita a assistência especializada e diferenciada, o curso contará com aulas práticas, realizadas em Centro de Simulação, onde as todas as situações de urgência e emergência, detalhadas nas aulas teóricas, serão vivenciadas na prática: “O curso tem 80 horas de estágio supervisionado em Pronto Socorro, nos setores de Trauma, Triagem, Pediatria e Psiquiatria, além de Unidade de Atendimento Pré-Hospitalar e Simulado de Atendimento de Catástrofe”, complementa a professora.

O diferencial do curso, segundo a coordenadora desta especialização, é permitir o preparo de profissionais para o mercado de saúde habilitados para atuarem com competência nas situações de Urgência e Emergência nas diversas unidades, intra e pré-hospitalar. “Para isso, contamos com o corpo docente qualificado de renomada experiência nas áreas de urgência e emergência. As situações de aprendizagem são baseadas em estudos de casos com prioridade nas aulas teórico-práticas. Ao final dos módulos, os alunos possuem o estágio curricular que propicia condições para vivenciar situações reais da prática profissional, demonstrada e discutida no decorrer do curso, o que permite o profissional perceber o compromisso social do trabalho em relação ao Sistema Único de Saúde (SUS)”, finaliza a Prof.ª Aline.

Serviço
Com 105 vagas disponíveis, as inscrições para a pós-graduação em Enfermagem em Urgência e Emergência com Ênfase em Atendimento Pré-Hospitalar vão até o dia 11 de julho de 2016.
Obs.: condições especiais para ex-alunos ou funcionários da Santa Casa de São Paulo.
Inscrições no site: www.fcmsantacasasp.edu.br
Início das aulas: 20 de agosto de 2016.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 90, em 14/6/2016. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.