Pesquisadores do Futuro: oportunidade de mergulhar em uma nova cultura

Rodrigo-Salmeron-de-Toledo-Aguiar

Rodrigo Salmeron de Toledo Aguiar

Não há melhor definição para um programa de intercâmbio, como o Pesquisadores do Futuro, do que a palavra de quem já vivenciou a experiência na prática: “A iniciativa foca em levar alunos para ter contato com importantes pesquisadores no exterior. Esse contato desenvolve o pensamento crítico do aluno, como também o ensina melhor as etapas de uma pesquisa e como realizá-la. O estudante consegue destinar 100% do seu tempo à pesquisa no programa, o que, com certeza, aumenta a produtividade e o aprendizado”, define Rodrigo Salmeron de Toledo Aguiar, aluno do 4º ano de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

O futuro médico teve a oportunidade de conhecer e estudar no St. Michael’s Hospital, University of Toronto, a maior universidade do Canadá. “A experiência foi muito além das minhas expectativas. Consegui vivenciar outro sistema de saúde, avançar nos meus conhecimentos na área científica, conhecer médicos e pesquisadores de outro país, mas de uma forma mais intensa do que eu poderia imaginar. Acrescentou-me, principalmente, na melhora do vocabulário médico em inglês, além do avanço no conhecimento de realizar uma pesquisa e provável publicação”, comenta o aluno sobre a vivência.

Para Rodrigo, nos meses em que ficou no programa, um dos muitos desafios enfrentados foi o de administrar o seu tempo para a organização de todas as leituras necessárias – tanto a de artigos científicos quanto a de livros em temas diversos – que a experiência internacional lhe proporcionava para, em uma etapa seguinte, escrever um artigo científico.

Edição 2015/2016
Administrado pelo Núcleo de Relações Internacionais (NRI), o Programa Pesquisadores do Futuro já selecionou os novos participantes para o ano 2015/2016. Para os colegas que estarão embarcando na experiência, Rodrigo recomenda: “Não se inibam quando tiverem dúvidas; o programa serve para aprender. Também falem ao máximo o inglês para treiná-lo. Corram atrás dos orientadores para usufruírem 100% do tempo no exterior produzindo”. Confira no Portal da FCMSCSP a relação dos alunos participantes nesse novo período.

 

No próximo boletim

Jorge Michel Antonopoulos, aluno do 3º ano de Graduação em Medicina, comenta a sua experiência no International Agency for Research on Câncer (IARC), Lyon, França.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 75, em 6/10/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Pesquisadores do Futuro: anseio de estudar em renomadas instituições internacionais

Victor Minari Campos, aluno do 3º ano do curso de Graduação em Medicina

Victor Minari Campos, aluno de Graduação em Medicina da FCMSCSP

Com enorme interesse na área cirúrgica, especialmente em trauma, Victor Minari Campos, aluno do 3º ano do curso de Graduação em Medicina, concorreu a uma vaga no programa de intercâmbio Pesquisadores do Futuro administrado pelo Núcleo de Relações Internacionais (NRI) da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Em um breve bate-papo, o futuro médico relembra como foi estudar, por 60 dias, no St. Michael´s Hospital, University of Toronto, a maior universidade do Canadá.  Confira!

Conectar – Pode nos contar, brevemente, como foi essa experiência de intercâmbio?

Victor – Essa experiência foi muito enriquecedora para minha formação, porque fui exposto a uma realidade muito diferente da que vivemos no Brasil. As condições de trabalho e de pesquisa no Canadá são excelentes e devem servir de exemplo para nós. Tive a oportunidade de ajudar cirurgiões em suas linhas de pesquisa e de acompanhar como o serviço de trauma funciona no St. Michael´s Hospital, hospital filiado à Universidade de Toronto. Dessa forma, aprendi muito sobre trauma e sobre como a pesquisa deve ser feita para que se alcancem os melhores resultados. Além disso, o programa foi uma excelente oportunidade de melhorar meu inglês, o que considero muito importante na formação médica, especialmente na área de pesquisa.

Conectar – Durante os meses que ficou no programa, qual foi o maior desafio que enfrentou? Como você lidou com ele?

Victor – O maior desafio foi conciliar todas as atividades que tínhamos no estágio. Havia muitos textos para ler, reuniões diárias com os cirurgiões, residentes e atividades práticas. Foi importante que eu tivesse organização e força de vontade para lidar com tantos compromissos, o que possibilitou que eu aproveitasse o estágio ao máximo.

Conectar – Como você definiria o Programa Pesquisadores do Futuro?

Victor – O Programa é uma ótima oportunidade de fazer pesquisa em centros de ponta e de acompanhar como a medicina é praticada nesses lugares, sem contar o fato de que a experiência de viver fora do país amadurece e contribui com seu inglês.

Conectar – Para os alunos que venham a passar por essa experiência, o que você recomendaria?

Victor – Recomendo que meus colegas tenham organização e força de vontade para aproveitar o estágio ao máximo, o que com certeza renderá frutos.

No próximo boletim
Rafael Deyrmandjian Rosalino, aluno do 3º ano de Graduação em Medicina, conta como foi estudar na Yale University, em Connecticut, a mais antiga instituição dos EUA.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 72, em 25/8/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.