Alerta para o tempo seco: alérgicos devem tomar cuidados adicionais

Comum nesta época do ano, muitas regiões do país têm sofrido com a baixa umidade. Desde o início do inverno, em junho, algumas cidades, especificamente do estado de São Paulo, apresentam condições climáticas caracterizadas pela baixíssima qualidade do ar.

De acordo com CGE (Centro de Gerenciamento de Emergência), em São Paulo, a umidade chegou a 11%, quando o ideal é de 60%. Em decorrência disso, muitos problemas respiratórios podem ser agravados, principalmente em pessoas com alergias preexistentes.

Dr. Roberto Stirbulov, pneumologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Dr. Roberto Stirbulov, pneumologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Segundo o Dr. Roberto Stirbulov, pneumologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, alérgicos devem ficar atentos à qualidade do ar. “Pessoas que já possuem alergias devem evitar a proximidade com a fumaça do cigarro, poeira e ambientes muito fechados. Além disso, estar atentos ao tempo seco e se manter sempre hidratados”.

Existem indivíduos que já nascem com a condição alérgica e os que a desenvolvem. Quando a pessoa já possui alguma alergia – sinusite, rinite, asma –, recomenda-se que evite ao máximo a exposição aos fatores que possam desencadear uma crise. Quando o contato acontece, ela deve procurar pelo tratamento que deve ser feito por remédios indicados pelo pneumologista.

“O tempo seco também é capaz de provocar irritação no tecido respiratório, fator que faz com que pessoas previamente saudáveis desenvolvam processos inflamatórios e infecciosos nas vias aéreas (por exemplo: resfriados, faringites, laringites, traqueítes e pneumonias). Portanto, ao notar a baixa umidade no ar, o indivíduo deve se preocupar em beber água constantemente. Isso faz com que o organismo se mantenha hidratado e evite possíveis inflamações das vias respiratórias”, alerta o professor.

Portanto, para enfrentar os dias de baixa umidade, a dica do especialista é além de manter a hidratação, para dormir, colocar um copo de água ao lado da cama para auxiliar na umidade do ambiente.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 53, em 4/11/2014. Assine nossa newsletter:
http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Tempo seco: os cuidados com a saúde das crianças

Doenças RespiratóriasCom a chegada do inverno e a falta de chuvas, a umidade relativa do ar pode cair ainda mais, o que requer atenção com a saúde da família em locais onde o tempo está muito seco. São muitas as consequências por esse fato: ardência e ressecamento dos olhos, boca e nariz e, principalmente, doenças respiratórias. Confira mais detalhes na reportagem da Revista Crescer, com a participação de Cid Pinheiro, professor assistente do Departamento de Pediatria e Puericultura da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo: clique aqui.