Cultura, espiritualidade e resiliência

Dr. José Toufic Thomé

Após 19 dias de apreensão e horas de delicada operação de resgate, os 12 adolescentes e o treinador do time de futebol amador “Javalis Selvagens”, foram resgatados da caverna de Tham Luang, e encaminhados ao hospital. O mundo respirou aliviado, e apesar da morte do ex-mergulhador da marinha tailandesa, durante as ações pré-resgate, o desfecho da crise que começou em 23 de junho chegou a um desfecho feliz.

O grupo resgatado, assim como os seus familiares e amigos próximos, afetados por momentos de enorme pressão emocional, receberão suporte em Saúde Mental. Os protocolos que serão oferecidos terão entre os objetivos, a prevenção do desenvolvimento de transtornos e adoecimento psíquico, e deverão ter os fatores humanos integrados ao acompanhamento oferecido, com atenção permanente às manifestações de subjetividade de cada pessoa afetada. E isso porque vivências disruptivas exigem reflexão sobre o modo como o ambiente irrompe no psiquismo humano, e devem ser analisadas em termos das reações pessoais dos danificados e do seu impacto psicológico.

Na história dos “meninos presos na caverna”, há particularidades que merecem atenção. E não apenas por conta do desfecho exitoso, com a existência de situações inesperadas, como por exemplo, a falha nas bombas de sucção nas horas finais da operação. A presença do treinador espiritualizado e na função de “cuidador”, oferecendo suporte emocional durante os dias em que o grupo esteve incomunicável e sem recursos, representa um diferencial para a sobrevivência dos meninos. E também a Cultura Tailandesa, revelada em ações de amparo simultâneo às pessoas afetadas, direta e indiretamente, pela “quase tragédia”, são dois elementos positivos em favor do resultado alcançado.

Independente da religião professada, em situações de crise e desastres, as pessoas espiritualizadas e que desenvolveram a capacidade de refletir sobre as adversidades, buscam respaldo no conhecimento para enfrentar a situação concreta e disruptiva. Essas pessoas tendem a usar essa habilidade como ferramenta emocional que as auxiliará na tomada de decisões. E nesse contexto o destino parece ter selecionado bem o treinador assistente Ekkapol “Ake” Chantawong, de 25 anos. Antes de se dedicar ao esporte, Ake foi monge budista por uma década. E na situação vivenciada pelo grupo, os princípios filosóficos ligados à compreensão e superação do sofrimento (As Quatro Nobres Verdades da doutrina do Budismo), praticados por ele, foram elementos importantes para que o grupo se mantivesse unido, motivado e, na medida do possível, calmo, diante da adversidade. Ake conseguiu que o grupo vivesse as experiências emocionais como formas de enfretamento e não de desistência da vida. E foi ele quem estimulou a capacidade de resiliência do grupo, na violenta experiência que viveram.

Em muitos momentos dessa história, a cultura tailandesa (antiga e influenciada por inúmeros povos orientais), pode contribuir para a solução da crise. A solidariedade, a capacidade de aceitar auxílio sem tender à vitimização, e a percepção do bem social como um valor superior aos desejos individuais, foram notáveis dentro e também fora da caverna. Nas ações da equipe de gestão de crise, por exemplo: houve atenção às famílias afetadas, quando os nomes dos primeiros jovens resgatados não foram revelados, até que todos estivessem fora de perigo. Assim como a cuidadosa restrição à imprensa, na saída da caverna, ajudou a desestimular exposições exageradas e potencialmente nocivas aos afetados pelo evento.

Por fim, a noção de pertencimento que é ensinada às crianças tailandesas, e a concepção de sucesso como objetivo a ser alcançado em grupo, foram aliadas dos garotos. Sabedoria que permitiu que se mantivessem focados para superar a adversidade, e ainda serão elementos importantes, como facilitadoras do trabalho de suporte em Saúde Mental, a ser empreendido.

Prof. Dr. José Toufic Thomé é Médico pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Psiquiatra e Psicoterapeuta Psicodinâmico especialista em situações de crises e transtornos da contemporaneidade, Presidente da Unidade Brasil da Rede Ibero-Americana de Ecobioética – Cátedra UNESCO de Bioética e Presidente da Secção Psiquiatria em Desastre e Crises da Associação Mundial de Psiquiatria (WPA na sigla em inglês).

Anúncios

Estresse pós-traumático após resgate na Tailândia

Prof.ª Juliana Ruiz, docente e coordenadora do curso de pós-graduação em Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental da FCMSCSP

Passada a angústia da espera de 18 dias pelo resgate de 12 adolescentes e de seu treinador, único adulto, abrigados numa caverna inundada na Tailândia, muitos questionamentos têm surgido sobre as possíveis consequências psicológicas desta experiência.

As repercussões fisiopatológicas nos diversos sistemas de forma aguda e/ou crônica, provenientes da situação de estresse (reação de luta ou fuga), geradas pela situação no qual estavam esses jovens e seu treinador, ainda se configuram uma incógnita. Isso já que essas consequências dependem de muitos fatores como “adaptação psicológica” intra-individual (percepções e entendimentos individuais do risco em que estavam), características prévias de personalidade, fatores relacionados a repostas de enfrentamentos eficazes e resiliência.

A forma com que lidaram  com a situação também precisará ser avaliada mais de perto; a utilização de mecanismos de defesa (alguns indivíduos são capazes de uma profunda dissociação e analgesia  com a função de defender a consciência da experiência imediata de eventos dolorosos – dor física, medo, ansiedade e desamparo) ou a utilização das  técnicas de meditação (já comum na Tailândia) podem ter contribuído para  ajudar na mudança de foco diminuindo a ansiedade contribuindo também para uma melhor resposta metabólica.

De fato, o incidente terá um impacto significativo na vida daqueles que o vivenciaram. Por um lado, temos a vulnerabilidade ligada a fatores de pior prognóstico como a idade do grupo. E, nesse caso, a idade é um fator de risco na exposição a um evento traumático, que pode gerar transtornos como ansiedade, depressão e principalmente os quadros de Transtornos do Estresse Pós-Traumático, em que, quanto mais cedo o trauma ocorre, piores podem ser as consequências para o indivíduo afetado.

Por outro lado, temos fatores positivos como uma diferença significativa observada, por exemplo, nos efeitos de eventos traumáticos coletivos, como desastres naturais em que o índice de pessoas com transtornos fica em torno de 20% (sendo menos de 10% relacionadas ao Transtorno de Estresse Pós-Traumático). Junto a essa estatística, podemos citar também como um fator de proteção a conduta do treinador que conseguiu trabalhar a situação ansiogênica por meio da meditação, promovendo assim uma maior resiliência emocional.

Juliana Elena Ruiz é Coordenadora do Curso de Pós-Graduação em Enfermagem Psiquiátrica e na Saúde Mental da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. 

Fontes:

– Spiegel D, Hunt T, Dondershine HE. Dissociation and Hypnotizability in Posttraumatic Stress Disorder. Am J Psychiatry 1 45:3, March 1988

– Galante, R., Foa, D. An Epidemiological Study of Psychic Trauma and Treatment Effectiveness for Children after a Natural Disaster. Journal of the American Academy of Child Psychiatry, 25,3:357-363, 1986

– Bloch, D. A., Silber, E., & Perry, S. E. (1956). Some factors in the emotional reaction of children to disaster. American Journal of Psychiatry, 113, 416–422.

– Ruiz, J.E., Barbosa NJ., Schoedl, AF., Mello MF.  Psiconeuroendocrinologia do transtorno de estresse pós-traumático. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2007, vol.29, suppl.1, pp.s7-s12.