Psicologia na Rede Básica de Atenção à Saúde: carga horária prática que confere singularidade à especialização da FCMSCSP

Prof.ª Mestra Flávia Fusco Barbour, coordenadora técnica da especialização da FCMSCSP

Prof.ª Mestra Flávia Fusco Barbour, coordenadora técnica da especialização da FCMSCSP

Desde o dia 1º de dezembro, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo está com inscrições abertas para diversos cursos de pós-graduação, entre eles o de Psicologia na Rede Básica de Atenção à Saúde. Caminhando para a sua sexta turma, o programa é destinado aos psicólogos com registro ativo no Conselho Regional de Psicologia. “O trabalho do psicólogo na Atenção Primária à Saúde (APS) cresceu muito nos últimos anos, porém, a formação deste profissional ainda precisa ultrapassar o conhecimento exclusivamente teórico e técnico da Psicologia, incorporando outros conceitos para uma atuação concordante com as necessidades do Sistema Único de Saúde (SUS)”, ressalta a Prof.ª Mestra Flávia Fusco Barbour, coordenadora técnica do curso da FCMSCSP. Logo, acrescenta a professora, os profissionais buscam o curso para ingressar no mercado de trabalho, já que é um campo de atuação que exige uma formação específica que as graduações em Psicologia ainda não oferecem.

Segundo a Prof.ª Flávia, a APS é o primeiro contato da população com o sistema de saúde, portanto é a porta de entrada para o SUS: “Isso traz peculiaridades nas atuações profissionais, inclusive para o psicólogo que atua nessa área. Desta forma, ele tem como grande desafio ampliar para a coletividade o tradicional cuidado ao indivíduo. Deve ainda conhecer muito bem o território em que está inserido, identificar grupos de risco, antecipar diagnósticos e amenizar os agravos dos transtornos em saúde mental”, completa.

E são nestes quesitos que a especialização da FCMSCSP, com duração de 15 meses, irá capacitar os profissionais, pois o objetivo do curso, ainda de acordo com a Prof.ª Flávia, é fornecer – nas 190 horas destinadas aos conceitos teóricos –, metodologias de trabalho que embasem a prática do psicólogo no SUS. Além disso, a professora explica que o estágio prático, que totaliza uma carga horária de 310 horas, proporciona a ação direta dos alunos na rede de saúde, com atendimento aos pacientes, grupos de apoio às diversas demandas, visitas domiciliares, planejamento de ações em saúde mental, entre outras atuações: “Esses são nossos principais diferenciais: tanto as disciplinas oferecidas quanto o fato de os alunos estarem in loco, com uma alta carga horária prática, atuando na área de atenção primária em Unidades Básicas de Saúde da Santa Casa de São Paulo. Isso sem falar no corpo docente altamente qualificado e efetivamente especializado nesta área”, conclui.

Serviço
Com 25 vagas disponíveis, as inscrições para a pós-graduação em Psicologia na Rede Básica de Atenção à Saúde vão até o dia 22 de fevereiro de 2016.

Inscrições no sitewww.fcmsantacasasp.edu.br
Entrevista agendada, após a confirmação da inscrição, nas datas: 29/2/2016, das 9h às 12h; 1º/3/2016, das 13h às 15h; e 2/3/2016, das 8h30 às 12h00.

Início das aulas: 22 de março de 2016

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 80, em 16/12/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Iniciativas estratégicas para a Atenção Primária à Saúde abrem mercado de trabalho para psicólogos

O Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf) é uma importante oportunidade para os profissionais da Psicologia levarem sua atuação para uma grande parcela dos brasileiros. O programa faz parte da Atenção Primária à Saúde (APS), primeiro contato da população com o sistema de saúde.

A Estratégia Saúde da Família (ESF), criada pelo Ministério da Saúde em 1994, está inserida na APS com a proposta de rever o modelo da ultra-especialidade médica em Unidades Básicas de Saúde (UBS) e com o objetivo de executar ações de prevenção, promoção, recuperação e reabilitação. O Nasf surge com equipes formadas por diversos profissionais com a função de oferecer suporte técnico especializado para as equipes generalistas de Saúde da Família.

Além dos psicólogos, as equipes são compostas por médicos, enfermeiros, cirurgiões-dentistas, auxiliares de consultório dentário ou técnicos de higiene dental, auxiliares de enfermagem ou técnicos de enfermagem, agentes comunitários de saúde, entre outros.

Prof.ª Flávia Fusco Barbour, coordenadora técnica da pós-graduação em Psicologia na Rede Básica de Atenção à SaúdeSegundo a Prof.ª Flávia Fusco Barbour, coordenadora técnica da pós-graduação em Psicologia na Rede Básica de Atenção à Saúde: “Este segmento de trabalho cresceu muito nos últimos anos devido à inserção do psicólogo em iniciativas estratégicas do Sistema Único de Saúde (SUS). Porém, não temos profissionais capacitados para atuar na área, visto que no Brasil, quase não há cursos de pós-graduação voltados para esse campo”, analisa.

A professora afirma que o atual mercado de trabalho para psicólogos exige uma formação que vai além da graduação, com conhecimento teórico e técnico, e que se expande para outras áreas. “Para atuar na rede básica, o profissional da psicologia tem como grande desafio ampliar para família o tradicional cuidado ao indivíduo. É necessário articular ações, aumentando a assistência permanente com esses indivíduos”, afirma.

Com o objetivo de suprir essa demanda do mercado de trabalho e capacitar profissionais para a área, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo apresenta o curso de especialização lato sensu em Psicologia na Rede Básica de Atenção à Saúde.

Segundo a Prof.ª Flávia, a pós-graduação desenvolve a habilidade prática do profissional na atenção primária, por meio da atuação nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), em interface com equipes do Programa Saúde da Família e do Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Além disso, o psicólogo estará capacitado para elaborar relatos científicos e pareceres técnicos.

“Os alunos irão aprender os conceitos teóricos e a metodologia que embasa o trabalho do psicólogo na sua atuação na atenção primária. Os módulos oferecem o que o profissional precisa para se desenvolver nessa área, com estágio prático de 310 horas, inserido diretamente em seu campo de atuação”, afirma a professora.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 42, em 4/6/2014. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.