Dia de Atenção ao Trauma chega à sua 10ª edição

No dia 6 de novembro aconteceu a 10ª edição do Dia de Atenção ao Trauma – Dia T, evento realizado anualmente pelo Avisa (Núcleo de Acidentes e Violência da Santa Casa de São Paulo). O evento contou com a presença de profissionais da área da saúde, alunos da FCMSCSP e de outras Instituições. Foram 18 cursos, com 3 convidados internacionais, 90 convidados nacionais e mais de 1600 participantes. O encontro fez parte da Semana do Trauma, iniciativa inédita com objetivo de englobar todos os aspectos relacionados à temática do evento, apresentando perspectivas das diferentes profissões e especialidades que atendem as vítimas de trauma.

De acordo com Renato Pescarolo Zan, professor do departamento de Medicina Social da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e presidente do Avisa, o Dia de Atenção ao Trauma pautou a implantação do Sistema de Trauma, o atendimento à Catástrofes e Múltiplas Vítimas, o Ensino ao traumatizado no país, as formas de atuação, além de abordar o problema no contexto mundial.

“Essa temática é de interesse para todos os profissionais que, de alguma forma, atuam na emergência e no pronto atendimento. Em 2010, aconteceram, no Brasil, 145 mil mortes decorrentes de trauma. Foram 390 ocorrências por dia e 16 por hora. Para cada morte, há 4 sequelados e dezenas de internações. No evento, focamos a qualidade do atendimento, reforçando que o melhor tratamento é a prevenção”, diz.

Segundo o professor, as apresentações contaram com profissionais de áreas como: cirurgia, ortopedia, terapia intensiva, neurocirurgia, pediatria, geriatria, e de especialistas em acidentes do trabalho e traumas da face. São consideradas traumas lesões internas decorrentes da troca de energia entre o meio externo e o corpo. As causas mais frequentes são os acidentes de tráfego, quedas e a violência interpessoal, apresentando características próprias, acometendo vários órgãos, o trauma está presente em todas as idades e diferentes níveis de gravidade.

Em 2013, ao lado da data memorável dos 50 anos da fundação da FCMSCSP, acrescenta-se mais uma década de atividades do Avisa. O núcleo conta com o apoio da FCMSCSP e da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e realiza reuniões, publicações, congressos e parcerias com instituições privadas e públicas.

“A nossa missão está embasada em congregar os profissionais e serviços de saúde da Santa Casa de São Paulo e instituições afins, promover e manter a disseminação de ações de prevenção, diagnósticos, terapêutica, reabilitação e de reinserção social das vítimas. Além disso, queremos desenvolver a adoção de comportamentos e de ambientes seguros e saudáveis com mobilização da sociedade e da mídia, monitorar a ocorrência de acidentes e violências e apoiar as atividades científicas”, finaliza.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 30, em 13/11/2013. Assine nossa newsletter http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Anúncios

Aluno da primeira turma de Medicina da FCMSCSP fala sobre sua experiência no curso que completa 50 anos em 2013

Dr. Osmar AvanziO Dr. Osmar Avanzi, diretor do departamento de Ortopedia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, foi aluno da primeira turma do curso de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, em 1963. Em entrevista ao Conectar, ele conta sobre o início da graduação na Instituição e dá dicas para quem deseja ingressar na área médica.

Conectar – Quais foram os desafios de fazer parte da primeira turma do curso de Medicina da Faculdade Santa Casa de São Paulo?
Dr. Osmar Avanzi – Por sermos a primeira turma, tivemos inúmeras oportunidades de conviver com iniciativas para o desenvolvimento da Faculdade. Nós tínhamos o desafio de abrir o curso e lidar com todo aquele ambiente de expectativas dos médicos, e de todos aqueles que organizaram a Instituição. Foi um convívio extremamente proveitoso para nós. Como era uma experiência nova, em que o foco era o ensino prático desde o primeiro ano, tínhamos o aprendizado direto, diferente de outras faculdades.

Conectar – Quando o senhor decidiu ser médico?
Dr. Osmar Avanzi – Eu fui o primeiro médico da minha família. Naquela época, não havia meios para avaliar aptidões, como cursos e testes. Nós tínhamos que nos guiar pelas afinidades com determinada disciplina. Eu fui pelas minhas tendências e descobri isso aos poucos durante o ginásio.

Conectar – Por que o senhor escolheu a área de Ortopedia?
Dr. Osmar Avanzi – Para quem gosta de Medicina, é difícil escolher uma especialidade. Quando cheguei ao 5º ano, tive que optar por uma área, porém eu estava em dúvida entre Neurocirurgia e Ortopedia. Pedi um estágio de Neurocirurgia, mas logo percebi que não era o que eu queria, então fui fazer residência em Cirurgia e, assim que a terminei, fiz Ortopedia.

Conectar – Por que o senhor recomendaria a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo para aqueles que querem cursar Medicina?
Dr. Osmar Avanzi – Hoje, surgem muitas faculdades de Medicina, que carecem de um hospital, porém você não pode formar um médico sem o doente. Na Faculdade Santa Casa de São Paulo, o aprendizado dos alunos ocorre no ambiente hospitalar, com profissionais como professores. A convivência com médicos, enfermeiros, técnicos e residentes é muito importante.

Conectar – Antes de ingressar no curso de Medicina, o que a pessoa deve avaliar?
Dr. Osmar Avanzi – Acredito que é preciso ter a personalidade amadurecida e pensar na rotina depois de formado. Essa é a questão que esse indivíduo tem que enfrentar. Ele deve avaliar também a qualidade da Medicina brasileira e como a saúde no Brasil é entendida. A questão da vida prática e o que ele espera de todo o investimento que irá fazer devem estar muito claros. É necessário estar convicto dos fatos reais.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 13, em 19/3/2013. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br.