FCMSCSP promove 1ª Jornada de Neurociência e Educação

Cartaz-A4.jpgSob a coordenação da Prof.ª Dra. Carla Tieppo, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo realiza a 1ª Jornada de Neurociência e Educação. O evento que acontece neste sábado, 17/9, no Auditório Prof. Dr. Emilio Athié, tem como objetivo discutir os impactos da neurociência no âmbito educacional e é destinado aos alunos do curso de Pós-graduação em Neurociência Aplicada à Educação da FCMSCSP. As inscrições deverão ser realizadas no local.

Confira a programação completa da 1ª Jornada de Neurociência e Educação, no Portal da FCMSCSP.

Anúncios

Neurociência e o Futuro Sustentado de Pessoas e Organizações: inscrições até 25/7

peca-facebookAté o dia 25 de julho de 2016, estão abertas as inscrições para o novo curso de Pós-graduação em Neurociência e o Futuro Sustentado de Pessoas e Organizações da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Com taxa de inscrição no valor de 75 reais, o programa da FCMSCSP é Destinado a graduados que atuem como profissionais de recursos humanos, consultores, coaches, líderes e gestores em geral, além de profissionais de outros campos de atuação que tenham interesse nessa temática.

Sob a coordenação da Prof.ª Dra. Carla Andréa Tieppo, o curso de especialização tem como principal objetivo promover a aquisição de conhecimentos neurocientíficos aplicados à gestão para fornecer ao mercado mão de obra capacitada a aplicar esses conhecimentos no desenvolvimento sustentável de pessoas e organizações.

A divulgação do curso de Pós-graduação em Neurociência e o Futuro Sustentado de Pessoas e Organizações da FCMSCSP tem contado com diversos parceiros, dentre os quais o Blog Psicopedagogia Online para Todos, que é destinado a educadores, sejam eles profissionais da educação ou pais, e pessoas que desejam entender um pouco mais sobre a psicopedagogia. Você pode conhecer o Blog clicando aqui.

 

Serviço
Inscreva-se aqui: Neurociência e o Futuro Sustentado de Pessoas e Organizações
Coordenação: Carla Andréa Tieppo
Vagas: 40
Prazo para inscrições: até 25 de julho de 2016
Carga horária total: 440 horas
Duração do curso: 21 meses
Horário do Curso: das 19h às 22h00
Investimento total: 21 parcelas mensais de R$ 1.380,00

Nova pós na FCMSCSP promove prática de gestão de pessoas por meio da neurociência

Carla-Tieppo-fcmscsp

Dra. Carla Andréa Tieppo, professora da FCMSCSP

O crescimento da neurociência nos últimos anos determinou a ampliação dos objetos de aplicação deste conhecimento em diversas áreas, uma vez que o estudo sobre os mecanismos de processamento neural da informação trouxe novos subsídios para o entendimento do ser humano e seu comportamento. Entendendo essa realidade, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo criou o curso de Pós-graduação em Neurociência e o Futuro Sustentado de Pessoas e Organizações, que tem inscrições abertas até o dia 25 de julho de 2016.

Destinado a graduados que atuem como profissionais de recursos humanos, consultores, coaches, líderes e gestores em geral, além de profissionais de outros campos de atuação que tenham interesse nessa temática, o curso de especialização tem como principal objetivo promover a aquisição de conhecimentos neurocientíficos aplicados à gestão para fornecer ao mercado mão de obra capacitada a aplicar esses conhecimentos no desenvolvimento sustentável de pessoas e organizações.

Além disso, de acordo com a Dra. Carla Andréa Tieppo, professora da FCMSCSP e coordenadora do programa, o curso de pós-graduação tem o potencial de revolucionar a gestão de pessoas e o trabalho no desenvolvimento de potencial humano nas corporações: “Trabalho há oito anos com cursos de extensão em neurociência para diferentes públicos e o público-alvo desse curso tem enorme carência de formações de qualidade que incorporem os conhecimentos originados na ciência do cérebro no trabalho dentro das corporações. As pessoas são o sustentáculo maior das empresas e não estamos empregando tudo o que sabemos sobre comportamento e saúde mental nas práticas de gerenciamento de pessoas. Essa especialização vem para preencher essa lacuna”, conta.

A professora afirma também que, quando o assunto é comportamento humano, são muitos os desafios enfrentados no dia a dia das corporações. Isso porque as principais razões para que um indivíduo tecnicamente capaz não seja mantido ou promovido dentro de uma organização estão diretamente relacionadas às suas deficiências comportamentais: “Isso se agrava ainda mais quando focamos no desenvolvimento de lideranças e de times de alta performance em que as características técnicas são o balizamento para a escolha dos indivíduos, mas são as características comportamentais que impedem a evolução de um sistema.” A aplicação da neurociência nesse contexto, acrescenta a coordenadora, amplia as ferramentas disponíveis para a correção desses desvios e torna a avaliação e desenvolvimento dessas habilidades algo mais tangível, mensurável e direcionado: “A formação em neurociência habilita-nos a investigar a caixa-preta que representa a mente humana de uma forma absolutamente inovadora.”

O curso de Pós-graduação em Neurociência e o Futuro Sustentado de Pessoas e Organizações, que é único no Brasil, tem duração de 21 meses e carga horária de 440 horas. O programa também conta com um time de docentes composto por acadêmicos e profissionais do mercado aliando a precisão científica com a prática profissional. “Trata-se de um programa inovador e ousado, para o mercado encarar os desafios do século 21”, finaliza a Dra. Carla Tieppo.

Serviço
Inscreva-se  aqui: Neurociência e o Futuro Sustentado de Pessoas e Organizações 

Coordenação: Carla Andréa Tieppo
Vagas: 40
Prazo para inscrições: até 25 de julho de 2016
Carga horária total: 440 horas
Duração do curso: 21 meses
Horário do Curso: das 19h às 22h00
Investimento total: 21 parcelas mensais de R$ 1.380,00

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 91, em 28/6/2016. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Faculdade Santa Casa de São Paulo lança curso de Neurociência aplicada à Educação

Dra. Carla Tieppo, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Dra. Carla Tieppo, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Os mecanismos utilizados pelo cérebro e as formas como os processos mentais se dão em diferentes situações cotidianas são estudados pela neurociência. Esses conhecimentos são aplicáveis em diversas vertentes de atuação e sua utilização na educação é algo ainda recente e promissor. A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo oferecerá, a partir de 2015, a especialização em Neurociência aplicada à Educação.

Voltada para profissionais envolvidos com desenvolvimento de pessoas – especialmente professores e pedagogos –, a pós-graduação lato sensu é composta por carga horária de 440 horas divididas em 21 meses. O objetivo do curso é capacitar profissionais atuantes na área educacional e disseminar informação científica a respeito do funcionamento do cérebro para maior aproveitamento do conteúdo nas salas de aula e treinamentos.

“Ainda com necessidade de se consolidar nos diversos campos de atuação, a neurociência voltada para a educação é, sem dúvidas, a vertente mais importante. Isso porque o profissional consegue compreender processos de aprendizado do cérebro e desenvolver estratégias para melhor aproveitamento do ensino”, afirma a Dra. Carla Tieppo, neurocientista e coordenadora do curso.

Outro objetivo da especialização apontado pela professora é ‘desmistificar’ informações muito disseminadas sem qualquer embasamento científico. “É o que chamamos de ‘neuromito’. Alguns deles são tão repassados que estudos realizados em todo o mundo revelam que cerca de 50% dos profissionais que lidam com educação acreditam, por exemplo, no fato de a criança pode diminuir o rendimento de aprendizado se consumir muito doce e 90% acreditam que as crianças aprendem de modo diferente dependendo de qual hemisfério cerebral é o mais dominante. Não há qualquer prova científica disso, mas muitos professores podem tomar esses mitos como reais.”

Por ser ministrado em uma Faculdade de Ciências Médicas, o curso conta com diversificada grade curricular, corpo docente composto por fisiologistas, neurocientistas e psiquiatras com sólida formação e atuação e o aprendizado prático será realizado em laboratórios de anatomia e fisiologia da mais alta qualidade. Para abordar os conteúdos específicos, o corpo docente conta também com psicopedagogos e fonoaudiólogos especializados.

Mais informações poderão ser obtidas no site: www.fcmsantacasasp.edu.br.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 53, em 4/11/2014. Assine nossa newsletter:
http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Especialista esclarece o processo da neurociência e as relações do consumo

Dra. Carla Tieppo, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Dra. Carla Tieppo, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Como compramos, por que o fazemos, por que escolhemos determinadas marcas ou produtos, ou ainda, os motivos que nos levam a gastar mais em diferentes fases da vida são questionamentos estudados pela neurociência do consumo. Cada vez mais compreendida, estuda as formas como o cérebro lida com efeitos das ações cotidianas das compras e vendas.

O papel das emoções nas tomadas de decisões é muito investigado na neurociência. Muitas empresas têm explorado informações retiradas a partir das emoções humanas para incentivar o consumo. Essas informações não são obtidas a partir dos relatos, mas das reações e comportamentos que expressamos, o que pode nos tornar ainda mais suscetíveis ao mercado.

Diariamente, o cérebro trabalha com duas questões relacionadas ao ato de comprar: o medo de errar e o desejo por novidades. Segundo a Dra. Carla Tieppo, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e especialista em neurociência do consumo, no processo de consumo homens e mulheres têm aversão ao erro, por isso, a todo o momento buscam justificar suas escolhas.

“Quando se escolhe um objeto mais caro, por exemplo, a pessoa procura se convencer de que fez a opção correta com respostas que julga suficiente. Maior durabilidade, maior qualidade ou quantidade pelo preço proposto, geralmente, são as mais apresentadas”, afirma a especialista. “Ao mesmo tempo, nota-se uma busca intensa por novidades em tecnologias, aparelhos, entre outros. Então, a forma que o mercado tem de aproveitar este cenário é na variedade de opções de uma mesma marca. O consumidor confia em determinado fabricante, tem um histórico com ele, assim, vai aceitar o que for lançado. Em sua concepção, é uma escolha de adquirir um produto com poucos riscos de prejuízo”, acrescenta a Dra. Carla.

Subconsciente e consumo

O processo inconsciente no ato de consumir é mais um fator relevante nessa relação humana com o mercado. Muitas vezes, o indivíduo que precisa comprar determinado produto, já tem a opção pela marca que irá levar, ainda que não saiba disso. Isso também é reflexo de uma aproximação antiga e fidelização com o fabricante. O cérebro, portanto, já tem a informação do que levar e é o que influencia no ato de consumo.

Segundo pesquisa do Ibope – Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística – para 2014, as famílias paulistanas devem consumir 6% a mais até o fim do ano. O que significa um faturamento aproximado de R$ 470 bilhões em 2014. Essa expectativa está diretamente ligada ao aumento no interesse por novos produtos e gastos com as opções mais caras.

Principal pilar do capitalismo, a relação humana com o consumo se deve a dois aspectos principais de processos: o fato de a compra ser a materialização do poder e o ato de estar relacionada à recompensa e ao prazer.

“O indivíduo compra porque tem necessidade de demonstrar alguma forma de poder. Portanto, ele acredita que pode se impor ao adquirir um carro caro, uma bolsa, um sapato. Outro aspecto é o prazer que sente ao consumir. As mulheres, por exemplo, consomem mais em épocas de tensão pré-menstrual, isso porque, devido à atividade hormonal, ficam mais fragilizadas e procuram por esse tipo de recompensa”.

Fases da vida

A relação com o consumo também apresenta níveis diferentes em cada fase da vida. Crianças e adolescentes são mais propensos a comprar por impulso. Segundo a Dra. Carla, isso se deve ao fato de que uma parte do cérebro, o córtex pré-frontal, só termina de se desenvolver, em geral, no final da adolescência. E é essa a parte responsável por auxiliar na ponderação de situações. Adultos e idosos, por sua vez, tendem a ser menos compulsivos, mas são mais propensos a consumirem em alterações de humor.

“Essa região do cérebro retém impulsos e promove um maior peso nas decisões pautadas em argumentos mais racionais. Mas isso não significa que o indivíduo adulto, já com essa área bastante desenvolvida, não tenha oscilações no funcionamento dessa região. Alterações emocionais, afetivas e hormonais podem fazer com que a pessoa consuma da mesma forma que uma criança”, esclarece a professora.

Para evitar os gastos desnecessários, a dica da especialista é pensar duas vezes antes de consumir. “Eu de fato preciso deste produto? Temos que refletir se é apenas um desejo compulsivo ou se a compra será efetuada porque de fato é necessária”, finaliza a Dra. Carla Tieppo.

Outras atualizações

Conheça a fanpage da Dra. Carla Tieppo: clique aqui.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 52, em 21/10/2014. Assine nossa newsletter:
http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Intuição: você já ouviu a sua?

Dra. Carla Tieppo, professora da Faculdade Santa Casa de São PauloA Neurociência e a Psicanálise explicam a intuição, uma sensação que pode ser treinada para servir de guia em decisões importantes. Conheça mais a respeito do tema nesta reportagem da Simone Cunha do Portal iG, publicada em 1º/9/2014, com a participação da Dra. Carla Tieppo, professora de Ciências Fisiológicas da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Clique aqui para conferir.

Desperte e melhore a concentração nas atividades diárias

Dra. Carla TieppoCafé no trabalho pode melhorar a concentração e a produtividade. “A cafeína é um estimulante e a gente não pode exagerar”, explica a Dra. Carla Tieppo, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, em colaboração para o Portal Exame.com  / Sua Carreira.

Confira mais detalhes neste vídeo.