Obesidade: uma grande vilã para os rins

page2_img_3

Prof.ª Mestra Graziela Ramos B. de Souza

O Dia Mundial do Rim foi criado pela Sociedade Internacional de Nefrologia em 2005 e é comemorado, anualmente, na segunda quinta-feira do mês de março, sendo, neste ano, realizado no dia 9. O tema da edição de 2017 é “Estilo de vida saudável para rins saudáveis” e tem como objetivo promover os hábitos de vida saudáveis e chamar a atenção para a obesidade.

Responsável por causar doenças que alteram o metabolismo, a obesidade pode, ao longo do tempo, sobrecarregar os rins e levar à doença renal crônica. Dentre estas doenças, estão a diabetes tipo 2, que altera o metabolismo de glicose e de outras substâncias que ficam em excesso no sangue e o aumento da pressão arterial, que causa alterações nos vasos, na circulação sanguínea e no metabolismo do sódio, o que também tem efeito direto nos rins.

Segundo Graziela Ramos B. de Souza, professora do curso de Graduação em Enfermagem e do programa de Pós-graduação em Enfermagem em Nefrologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, outra questão importante é o aumento da gordura, já que estudos descrevem a contribuição do aumento da gordura nos órgãos como aumento de complicações, como a doença renal crônica. “Quando temos gordura em excesso, há alterações metabólicas que podem afetar a saúde dos rins, como alterações na quebra de gordura e aproveitamento no organismo”, conta.

Além disso, a má alimentação é outro fator que pode prejudicar a saúde dos rins. Segundo a professora, a correria do dia a dia faz com que as pessoas se alimentem de forma errada, recorrendo aos conhecidos fast foods. O aconselhável para manter os rins saudáveis, em caso de obesidade, é perder peso de maneira saudável, com reeducação alimentar e praticar atividade física: “É muito importante procurar orientação profissional para o acompanhamento da perda de peso. Seguir dietas sem orientação profissional pode piorar a saúde dos rins; dietas muito restritivas atrapalham o metabolismo. É preciso ter cuidado com as dietas à base de proteínas; elas podem sobrecarregar ainda mais os rins”, ressalta Graziela.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 105, em 2/3/2017. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

 

Anúncios

Enfermagem em Nefrologia em sua 5ª edição na FCMSCSP

O 5º Encontro de Enfermagem em Nefrologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo foi realizado em 4/10, sábado, com a organização do Departamento de Fundamentos do Processo de Cuidar em Enfermagem e do Grupo de Estudos e Pesquisa de Enfermagem em Nefrologia (GEPEN) da FCMSCSP.

Enfermagem em Nefrologia

Pesquisa de Enfermagem em Nefrologia

V Encontro de Enfermagem em NefrologiaSerá realizado no próximo dia 4 de outubro, sábado, das 7h45 às 13h, o 5º Encontro de Enfermagem em Nefrologia, com o tema “Pesquisa de Enfermagem em Nefrologia”. A organização é do Departamento de Fundamentos do Processo de Cuidar em Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e do Grupo de Estudos e Pesquisa de Enfermagem em Nefrologia (GEPEN) da FCMSCSP.

As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas pelo Portal da Faculdade, no endereço www.fcmsantacasasp.edu.br. O valor de participação é de 20 reais.

Confira a programação*:

  • 7h45 – 8h15: Recepção e entrega de material
  • 8h15 – 8h30: Abertura
  • 8h30 – 9h10: Atualidades na pesquisa científica – Prof.ª Dra. Luciana Soares Costa Santos (FMU)
  • 9h10 – 9h50: Pesquisa de Enfermagem em Nefrologia – Prof.ª Mestra Graziela Ramos B. de Souza (FCMSCSP)
  • 9h50 – 10h10:  Discussão
  • 10h10 – 10h40: Intervalo
  • 10h40 -11h20: Pesquisa Clínica em Nefrologia – Prof. Dr. Eduesley Santana Santos (INCOR)
  • 11h20 – 11h50: Pesquisa Básica em Nefrologia – Prof.ª Dra. Mirian Watanabe (USP)
  • 11h50 – 12h10: Discussão
  • 12h10 – 12h50: Apresentação de pesquisas de Enfermagem em Nefrologia da FCMSCSP
  • 12h50 – 13h: Encerramento

O encontro será no Complexo Zeferino Veloso, no Anfiteatro Prof. Dr. Walter Scatolini, na Rua Dr. Cesário Motta Jr., 112, Vila Buarque – São Paulo (SP).

* Sujeita à alteração, sem prévio aviso.

Doença renal crônica atinge 10 milhões de pessoas no país

Doença renal crônica FCMSCSP - Ilustração:  jornal AgoraA doença renal crônica está ligada ao diabetes e à pressão alta. Estima-se que, no Brasil, 10 milhões de pessoas sejam doentes renais crônicos, mas a maioria ainda não sabe que tem a doença.

Conheça mais detalhes sobre as funções e as diferenças entre um rim saudável e um rim doente na reportagem do jornal Agora, publicada em 20/1/2014, com a participação de Luiz Antonio Miorin, professor adjunto de Nefrologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo: clique aqui.

Atuação profissional em Serviço de Emergência requer conhecimentos sólidos e raciocínio rápido

Quase todos já precisaram, algum dia, dos serviços da emergência médica. A área recebe desde simples ferimentos até problemas mais graves que necessitam de atendimento imediato

Prof.ª Dra. Sandra Regina S. SprovieriDe acordo com Prof.ª Dra. Sandra Regina S. Sprovieri, coordenadora da disciplina de Emergências em Clínica Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, a especialidade é apresentada no quinto e sexto anos do curso de Medicina. “No quinto ano, os alunos participam de plantões noturnos e conhecem na prática os atendimentos, sempre monitorados por preceptores. No sexto ano, os alunos participam da prática com grupo de preceptores da horizontal e nas aulas teóricas, são apresentados os mais variados temas dentro da emergência, em frentes como pneumologia, neurologia, psiquiatria, endocrinologia, nefrologia, cardiologia e infectologia”, entre outros, afirma.

Segundo a professora, na emergência clínica, os profissionais não dependem da presença do especialista para o adequado e pronto atendimento médico, pois todos os preceptores possuem formação geral e são capazes de discutir qualquer tema. “Quem trabalha na emergência deve possuir raciocínio muito rápido, pois a decisão tem que ser imediata frente ao quadro crítico do paciente. Nós já reconhecemos os alunos que contam com esse perfil, uma vez que muitos deles concluem o curso gostando realmente da área”, enfatiza a professora.

A Dra. Sandra afirma ainda que o campo de atuação é bastante amplo e recebe tanto profissionais recém-formados quanto os mais experientes, como o Professor Valdir Golin, pioneiro nesta longa jornada, hoje diretor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, que com toda sua experiência e sabedoria proporciona aos mais jovens o privilégio de participar semanalmente de visitas aos pacientes do Serviço de Emergência à beira do leito.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 24, em 20/8/2013. Assine nossa newsletter http://www.fcmsantacasasp.edu.br.