Pesquisadores do Futuro: oportunidade de crescer pessoal e profissionalmente

Giuliana Olivi Tanaka, aluna do 4º ano do curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Giuliana Olivi Tanaka, aluna do 4º ano do curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Ainda caloura, Giuliana Olivi Tanaka, hoje aluna do 4º ano do curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, se encantou com a oportunidade de conseguir um intercâmbio e pelo desejo de experimentar o que seria uma pesquisa em uma instituição no exterior. E, por meio do Pesquisadores do Futuro 2014/2015, programa coordenado pelo Núcleo de Relações Internacionais (NRI) da FCMSCSP, a estudante teve a oportunidade de conhecer outra cultura, pessoas novas, aprender e vivenciar uma nova rotina durante o período que estudou, com a colega de graduação, Stéfany Franhan Barbosa de Souza, no Institut de Prestacions D’Assistència al Personal (Pamem); Parc Sanitari pere Virgili de Barcelona e Consorci Sanitari del Maresme, ambos em Barcelona, na Espanha.

Conectar: Pode nos contar, brevemente, como foi essa experiência e o que ela lhe acrescentou?
Giuliana: O programa é uma verdadeira experiência de vida. É maravilhoso de todas as formas possíveis. Viver essa conquista nos oferece a oportunidade de crescer, não apenas no conhecimento na área de pesquisa e no meio médico. Mas crescer como pessoa. Conviver com uma cultura diversa e nova rotina, um modo novo de agir diante do que sempre se está acostumado. É incrível como conseguimos absorver um aprendizado, literalmente, que se leva para vida. Você muda, passa a perceber seu modo de pensar e agir diferente. Vê novos caminhos para trilhar, pessoal e profissionalmente. E ainda mais, enxerga a possibilidade de trazer o melhor que viu para si, que pode se estender para seu meio de trabalho, para as pessoas com quem convive, com desejo de trazer novos desenvolvimentos para a área profissional.

Conectar: Durante os meses em que ficou no programa, qual foi o maior desafio que enfrentou? Como você lidou com ele?
Giuliana: O estágio foi um desafio como um todo. Depois da euforia de conseguir a vaga tão desejada, começou a preocupação com a ideia de viajar pela primeira vez por um período longo, sob minha própria responsabilidade. O conhecimento de representar a Faculdade perante outra instituição e o desafio de ter que tomar a decisão na escolha da hospedagem, na passagem e no cuidado com si próprio. A impressão era: “sou a maior protagonista pelas minhas escolhas, pela responsabilidade e suas consequências”. É um desafio abrir-se ao “novo”, aceitar conhecê-lo e entendê-lo. Outro ponto é a língua. Quando estamos acostumados com a língua do país de origem, os desafios diários são outros. Quando se experimenta, de repente, uma língua diversa da sua, que agora é o meio que deve se expressar corriqueiramente, isso exige um esforço próprio maior, principalmente no início. Mas, com o tempo, você descobre o quanto é capaz de aprender e fazer novas conquistas.

Conectar: Como você definiria o programa Pesquisadores do Futuro?
Giuliana: A iniciativa, antes de tudo, é uma imensa oportunidade. E é um grande privilégio para aqueles, que assim como eu, puderam experimentar a maravilha que é a troca de experiências e o aprendizado, que se leva para a vida. Aumenta-se o networking, constroem-se novas pontes entre as pessoas que conhece, compartilha-se aprendizado. Você passa a entender, literalmente, o que significa “voltar diferente”. Não apenas expande sua visão sobre a área de estudo, mas enriquece seu conhecimento sobre diversos campos, inclusive da vida pessoal.

Conectar: Para os alunos que venham a passar por essa experiência, o que você recomendaria a esses colegas?
Giuliana: Aconselharia: mantenha-se sempre aberto a novas descobertas; conheça pessoas novas e suas formas de pensar e agir. Pois, acredito que essa é a possibilidade de criar relações saudáveis, que te ajudam a crescer e expandir sua visão como estudante e futuro profissional. Aceite que descobrir o “novo e diferente” é a melhor forma de reter novos aprendizados. Não tenha medo de querer saber mais, de se abrir ao diferente. Quando estamos em um meio diverso do nosso, as oportunidades estão por todo lado e o aprendizado também.

Conectar: Há algo que não perguntamos sobre a experiência ou sobre a iniciativa que acha interessante descrever?
Giuliana: Gostaria de deixar uma mensagem à Comissão organizadora do programa e, depois, aos estudantes que planejam pleitear a bolsa e têm desejo de vivenciar o intercâmbio. Gostaria de agradecer imensamente a oportunidade que tive, pelos vários motivos que já mencionei anteriormente. Se não fosse pela visão altruísta e verdadeira dos professores que organizam e se preocupam em manter a iniciativa para garantir a sua manutenção, não teríamos a oportunidade de crescermos com essa experiência incrível, e compartilhá-la posteriormente, com quem convive conosco, e para com o desenvolvimento de nossa profissão.

Também quero dividir com os estudantes a minha visão sobre os momentos de tensão e expectativa que se criam quando se está pleiteando a bolsa. Não há regra nem modelo a seguir para conquistar a vaga para o intercâmbio. O mais importante para mim foi o desejo verdadeiro de conhecer a pesquisa no exterior dentro da área que busquei o estágio. O envolvimento com a pesquisa dentro da própria Santa Casa de São Paulo é essencial para o amadurecimento em entender o que significa, na prática, estar envolvido em um projeto de pesquisa. Tenha confiança em si e acredite na possibilidade de conquistar, com desejo verdadeiro, essa oportunidade maravilhosa. E boa sorte!

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 80, em 16/12/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Anúncios

Programa Expedições Científicas e Assistenciais – PECA 2014

No início de 2014, alunos dos cursos de Graduação em Medicina, Enfermagem e Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo participaram das atividades da 10ª edição do Programa Expedições Científicas e Assistenciais (PECA), realizado em São Sebastião (SP). Trata-se de uma iniciativa voluntária dos estudantes da FCMSCSP para promover a atenção básica à saúde em seus aspectos curativo e preventivo, a toda a comunidade do município visitado.

Confira no vídeo institucional, a seguir, um resumo do encontro deste ano:

Preservar as funcionalidades física e mental contribui para o envelhecimento saudável

Segundo o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA na sigla em inglês), até 2022, o mundo terá mais de 1 bilhão de idosos e, até 2050, o patamar de pessoas com mais de 60 anos deve superar também a população de jovens com menos de 15 anos. Esse expressivo crescimento traz à tona a discussão sobre o prolongamento da vida, não somente em termos cronológicos, mas em qualidade com saúde e integração social.

Dr. Renato Fabri - FCMSCSPApesar da medicina preventiva já ser atualmente uma realidade, são necessários alguns cuidados específicos para que o indivíduo chegue à terceira idade e leve uma vida da maneira mais normal possível. De acordo com o Dr. Renato Moraes Alves Fabbri, geriatra e professor assistente do departamento de Clínica Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, a prevenção de algumas doenças deve ser feita 10 ou até 20 anos antes.

“Os cuidados com a saúde devem existir em todas as faixas etárias, mas entre a quarta e a quinta década de vida acentua-se a involução de órgãos e sistemas e a pessoa deve se ater a fatores de risco e fazer exames periódicos que previnam ou até acabem com problemas futuros”, analisa o professor.

Para o especialista, a saúde dos idosos não se define pela ausência de doenças, é muito mais que isso. “O conceito de saúde para profissionais da área clínica é a garantia de qualidade de vida biológica e também psicossocial. Dessa forma, para o público da terceira idade é necessário estimular ainda mais a inserção de atividades em sua rotina como aulas de dança, ginástica ou, até mesmo, a participação em excursões, em cursos específicos para esta faixa etária, inclusive em cursos universitários, que tornam os idosos mais ativos e fortalecem o convívio social”, explica.

Doenças mais comuns a partir dos 60 anos

Dentre as queixas de doenças que acometem este público nos consultórios podem ser relacionadas:

• Hipertensão arterial

• Osteoartrose

• Osteoporose

• Osteopenia

• Diabetes Mellitus

• Alterações de órgãos sensoriais, déficit da visão (por exemplo, catarata), diminuição da audição, entre outras.

Segundo o geriatra, essas doenças, se tratadas e controladas, preservam as funcionalidades do indivíduo e garantem uma boa qualidade de vida.

Principais dicas

O Dr. Fabbri dá algumas dicas para que a família e pessoas próximas aos idosos possam contribuir com a qualidade de vida deles. Entre elas:

• Prestar atenção na regularidade das consultas. “Parte da população ainda tem certa resistência em se consultar periodicamente no médico”, afirma.

• Verificar sinais diferentes no comportamento da pessoa nesta faixa etária. “Algumas doenças cognitivas como, por exemplo, a Doença de Alzheimer, entre outras, não são percebidas em um primeiro momento pelo paciente, mas sim por pessoas próximas a eles. Assim, é necessário prestar atenção a momentos de esquecimento, entre outros fatores”, argumenta o médico.

• Tomar cuidado com a automedicação. “É relativamente alto o índice de automedicação nos idosos, o que compromete o diagnóstico de certas doenças. Às vezes, o uso de medicamentos tomados por conta própria gera efeitos colaterais desconhecidos pelo paciente e pode agravar seu estado de saúde, bem como mascarar eventuais diagnósticos. Por isso, é muito importante a realização de consultas regulares para que o especialista revise os remédios utilizados pelos pacientes da terceira idade”, finaliza.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 37, em 25/3/2014. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Em breve, Medicina receberá visitantes no Portas Abertas

PA_Medicina 28052013

Está programado para o próximo dia 25/6, terça-feira,  uma nova edição do evento Portas Abertas para interessados no curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. O encontro prevê palestras sobre a área, apresentadas por professores da Faculdade, além de visitas ao complexo hospitalar da Santa Casa de São Paulo e ao Prédio da Faculdade.

Nesta edição, estão programadas também a realização do curso de ressuscitação cardiopulmonar, a simulação de uma aula de Propedêutica e a apresentação das organizações acadêmicas da FCMSCSP. A visita será iniciada às 13h, com término às 20h00. As inscrições estarão disponíveis em breve no site do Departamento Científico Manoel de Abreu: www.dcma.com.br. As vagas são limitadas e o valor de inscrição, necessário aos preparativos e à participação no evento, é de 25 reais por pessoa.

“Vivemos as alegrias de todas as inaugurações”

Dr. Osmar CamargoEssa é a declaração do Dr. Osmar Camargo, aluno da primeira turma do curso de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, que fala ao Conectar, em mais uma entrevista especial comemorativa aos 50 anos de existência da Instituição. O médico, que atua como ortopedista do Pavilhão Fernandinho Simonsen, no Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, conta sobre o início das atividades da Faculdade, em 1963.

Conectar – O que o senhor pode destacar sobre a primeira turma da FCMSCSP?
Dr. Osmar Camargo – Durante os seis anos da graduação, acompanhamos a evolução da Instituição. Quando eu ingressei no curso, a Faculdade Santa Casa de São Paulo estava instalando suas salas e auditórios. Vimos a confecção do projeto arquitetônico para o recebimento dos alunos. Vivemos as alegrias de todas as inaugurações, do surgimento e contratação dos nossos professores, e, principalmente, acompanhamos a evolução da Instituição até os dias de hoje, o que foi ótimo também para enriquecer a nossa bagagem acadêmica e o orgulho de nos transformarmos em docentes.

Conectar – Quais foram as experiências adquiridas nessa fase inicial da Instituição?
Dr. Osmar Camargo – Tinha uma pressão positiva, por sermos uma nova Faculdade, na qual um sistema educacional de Medicina diferenciado foi implantado, à época, caracterizado principalmente pelo aprendizado prático associado à teoria. Aprendemos dentro de um hospital-escola desde o primeiro ano. Isso nos diferenciou das outras Instituições daquele período, inclusive serviu de modelo para as demais.

Conectar – O que influenciou o senhor na escolha pela Medicina?
Dr. Osmar Camargo – Eu optei pela Medicina quando estava terminando o colegial e foi por influência de alguns parentes, que também são médicos. Eles me mostraram o valor da área médica dos pontos de vista social e assistencial. Assim, eu senti que era uma ótima opção de carreira.

Conectar – Quais são os principais desafios enfrentados na área da ortopedia?
Dr. Osmar Camargo – Um dos desafios de qualquer segmento médico é manter-se atualizado, em função da forte carga de trabalho e da falta tempo para fazer uma leitura contínua de novas informações científicas. Cursos de reciclagem também são extremamente necessários.

Conectar – O que deve ser avaliado antes de ingressar na Medicina?
Dr. Osmar Camargo – Perceber se há vocação para se dedicar a um curso que tem duração mínima de seis anos. A pessoa precisa ter aptidão a abraçar uma grande quantidade de conhecimento e também desenvolver uma visão humanística de servir ao próximo.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 14, em 2/4/2013. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Rápido diagnóstico e pronto atendimento em cardiologia são fatores fundamentais para a formação do aluno em Medicina

Dr. Roberto Alexandre FrankenAs doenças cardiovasculares são responsáveis, em média, por 29,4% das mortes registradas anualmente no país, segundo dados do Ministério da Saúde. De acordo com o Dr. Roberto Alexandre Franken, professor titular do departamento de Clínica Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, problemas cardíacos são a principal causa de óbitos no mundo e ocasionam grande número de internações.

“É importante que os estudantes de Medicina conheçam de maneira profunda o universo da cardiologia. Se não forem tratadas adequada e rapidamente, as doenças cardiovasculares podem levar à morte. Dessa forma, é importante que o aluno, que será um profissional de saúde, esteja preparado para realizar o diagnóstico e o pronto atendimento”, afirma o professor.

O Dr. Franken ressalta que entre as principais doenças do coração estão a coronariana, que se manifesta clinicamente como angina de peito ou infarto, e a insuficiência cardíaca. “Elas podem resultar de complicações causadas pela hipertensão arterial e alterações das taxas de colesterol e diabetes”, diz. O especialista alerta, ainda, para a possibilidade da existência de um componente hereditário ligado aos problemas cardiovasculares, porém as principais causas das doenças cardíacas são os hábitos e fatores secundários. “Pessoas perfeccionistas e que exigem muito de si, têm mais chances de desenvolver alguma disfunção cardíaca”, enfatiza.

O professor explica que durante o curso de Medicina, a especialidade cardiologia aborda o funcionamento do coração e da circulação, as patologias e os métodos de diagnósticos. “Além disso, são discutidos processos terapêuticos, clínicos, cirúrgicos e intervencionistas, em aulas teóricas, de simulação ou práticas realizadas nos laboratórios. O curso é bem extenso. É uma área bastante abrangente e requer dedicação dos estudantes”, conclui.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 15, em 16/4/2013. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br.