Novembro Azul

Artigo de Prof. Dr. Luis Gustavo Morato de Toledo

O câncer de próstata é conhecido como uma doença do envelhecimento masculino, ou seja, aumenta a sua incidência com a idade. Após os 50 anos, um em cada 6 homens apresentará a doença e esta frequência aumenta com o avanço da idade. Todo homem que chegar aos 100 anos de idade será acometido pelo câncer de próstata, porém a neoplasia, nesta idade, geralmente não traz repercussões à sua saúde. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são estimados 68 mil casos novos de câncer na próstata no Brasil em 2018, e cerca de 14 mil mortes por esta doença. Este é o segundo câncer mais frequente no homem, perdendo apenas para o câncer de pele não melanoma. É o quarto mais frequente na população, incluindo homens e mulheres. O rastreamento para o câncer de próstata (PSA e toque retal) é recomendado pela Sociedade Brasileira de Urologia, anualmente, para todos os homens dos 50 aos 75 anos. Homens negros ou com história familiar, pai ou irmão, de câncer de próstata, apresentam maior risco de desenvolver a doença, e por isso devem iniciar o rastreamento à partir dos 45 anos. Um estudo recente, realizado na Califórnia, USA, com mais de 400 mil homens mostrou que o rastreamento anual do câncer de próstata, além de reduzir a mortalidade relacionada a esta doença em 64%, reduziu também, em 24%, a mortalidade por outras causas, ou seja, o homem que faz seus exames de próstata anualmente acaba se cuidando melhor de forma geral.

Existem duas doenças que coexistem na próstata, a hiperplasia, que é benigna e ocorre no centro da próstata ao redor da uretra e o câncer de próstata, que é maligno e ocorre na periferia. O câncer, em sua fase inicial, por estar longe da uretra, não causa sintomas. Quando o paciente apresenta a neoplasia em sua fase inicial e tem sintomas urinários, estes se devem à hiperplasia benigna, que comprime a uretra e dificulta a micção. Assim recomenda-se aos homens que não esperem os sintomas aparecer, pois se não houver compressão uretral pela hiperplasia, não haverá sintomas. A detecção precoce é importante para evitar o diagnóstico em fase avançada, quando não há chance de cura, e facilitar o tratamento, evitando suas complicações e sequelas.

Importante mencionar que o câncer de próstata não é uma doença uniforme. Existem diversos tipos, com diversas apresentações, diferentes índices de gravidade e diversos padrões de agressividade, desde os qualificados como “indolentes” que não progridem e não causam qualquer repercussão à saúde, até os mais agressivos, que por serem muito diferentes do tecido prostático,  não produzem o PSA, dificultando o diagnóstico pelo exame de sangue, portanto, uma doença complexa, cuja classificação, diagnóstico e tratamento vêm sofrendo modificações e atualizações muito frequentes, alvo de intenso debate e pesquisas na sociedade médica.

Neste contexto, o rastreamento populacional do câncer de próstata recebe críticas por fazer diagnóstico de tumores que não necessitariam de tratamento, indolentes, implicando em excesso de tratamento e sequelas ou, no mínimo, impacto emocional ao paciente, e custos ao sistema pelos exames repetidos na vigilância ativa dos casos não tratados. É importante esclarecer e ressaltar que o rastreamento NÃO faz o diagnóstico de câncer na próstata, isto é feito através da biópsia. Então é a biópsia que deve ser indicada com critérios, selecionando os pacientes, discutindo com o paciente e sua família, os prós e contras da biópsia, no sentido de se evitar o diagnóstico de tumor indolente e não deixar passar um tumor clinicamente significante. A ressonância magnética já nos ajuda atualmente nesta decisão e outros exames estão chegando para nos auxiliar a diferenciar os pacientes que precisam ou não de biópsia. Exames genéticos já nos ajudam, depois da biópsia, a diferenciar tumores indolentes dos clinicamente significantes. O rastreamento deve ser feito, e seu principal objetivo é evitar o diagnóstico tardio, por outro lado, a indicação da biópsia deve ser criteriosa para se evitar o “excesso” de diagnóstico de tumores indolentes.

Prof. Dr. Luis Gustavo Morato de Toledo, Chefe do Serviço e Professor Adjunto da Disciplina de Urologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Anúncios

Dia Mundial do Coração

28 de setembro – Dia Mundial do #Coração ❤️

 Sexta-feira, dia 28/9, a Faculdade e o Hospital da Santa Casa se uniram para uma atividade de prevenção e orientação em favor da comunidade.

Desde cedo, estiveram com as portas abertas para todos os interessados em fazer exames importantes para verificar a saúde geral e do coração.

Nossos estudantes de Medicina e Enfermagem, orientados por professores, fizeram a medição da pressão arterial e averiguaram os índices de colesterol, triglicérides e Hemoglobina Glicada. Todos saíram com os resultados anotados e, se necessário, foram orientados a procurar uma Unidade Básica de Saúde.

Além disso, profissionais realizaram palestras sobre fatores de risco, a importância dos exercícios físicos, alimentação e qualidade de vida.

 

Vestibular 2019 da FCM/Santa Casa

Vestibular 2019 – FCMSCSP

Os cursos da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP) têm inscrições abertas de 21/8 a 30/9. A instituição oferece cursos de Medicina (integral), Enfermagem (noturno), Fonoaudiologia (matutino), Tecnologia em Radiologia (noturno) e Tecnologia em Sistemas Biomédicos (noturno). A taxa custa R$ 60; mas, para Medicina, R$ 300.

Para o curso de Medicina, serão dois dias de provas. No primeiro dia, 20 de outubro, das 14h às 18h00, haverá uma redação e questões de conhecimentos específicos. No dia seguinte, será a vez de prova de conhecimentos gerais.

Para os demais cursos, o processo seletivo ocorrerá somente no dia 20 de outubro, também das 14h às 18h00. Os inscritos deverão produzir uma redação e responder 60 questões objetivas de conhecimentos gerais.

A previsão é que a lista de aprovados no vestibular 2019 da Santa Casa de São Paulo saia no dia 26 de novembro. Estão previstas mais três chamadas, sendo mais duas para Medicina.

O processo seletivo oferece, nesta edição, 310 vagas nos seguintes cursos de graduação:
Medicina: 120 vagas
Enfermagem: 40 vagas
Fonoaudiologia: 50 vagas
Tecnologia em Radiologia: 50 vagas
Tecnologia em Sistemas Biomédicos: 50 vagas

Inscrições: em https://www.vunesp.com.br/FAVC1802

Edital Medicina

Edital Enfermagem, Fonoaudiologia, Tecnologia em Radiologia e Tecnologia em Sistemas Biomédicos

Ficha Socioeconômica

Relação de Documentos

http://www.fcmsantacasasp.edu.br

Aluno da Medicina da FCM/Santa Casa é eleito Embaixador Jovem da International AIDS Society

O NUDHES (Núcleo de Pesquisa em Direitos Humanos e Saúde LGBT+) da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo teve quatro trabalhos aprovados para apresentação no maior congresso de HIV/AIDS do mundo, o AIDS 2018, que acontece em Amsterdã, Holanda, de 23 a 27 de julho.

O evento recebe aproximadamente 20 mil pessoas, reúne os maiores pesquisadores e as maiores descobertas relacionadas ao assunto e é marcado por diversas atividades com a comunidade, como intervenções, festas e protestos. Mais informações sobre o evento em http://www.aids2018.org/ e no vídeo https://www.youtube.com/watch?v=Dl-r5XU5b6k

Os trabalhos aprovados por alunos de graduação da Medicina e por Maria Amélia Veras, coordenadora geral do HUDHES foram:

– HIV Care cascade among transwomen living with HIV in São Paulo, Brazil
Aline Rocha, Erin Wilson, Caitlin Turner, Gabriela Bellini, Igor Prado, Maria Amélia Veras

– Sex work is associated with sexual violence and HIV among transwomen in São Paulo, Brazil
Gabriela Bellini, Erin Wilson, Caitlin Turner, Aline Rocha, Maria Amélia Veras

– HIV treatment cascade among MSM in Brazil
Igor Prado, Claudia Barros, Inês Dourado, Laio Magno, Mark Guimarães, Carl Kendall, Lígia Kerr, Rosa Mota, Luís Brígido, Maria Amélia Veras

– Understanding barriers, working alongside the community: a formative study for the implementation of a peer-navigation intervention among transwomen living with HIV in São Paulo, Brazil
Gustavo Saggese, Daniel Barros, Maria Amélia Veras

Os dois primeiros trabalhos foram produzidos durante o intercâmbio Pesquisadores do Futuro 2018, juntamente com pesquisadores do Departamento de Saúde Pública de São Francisco, e são considerados portanto fruto do programa.

Os alunos Igor Prado e Gabriela Bellini ganharam bolsa da International AIDS Society para participar, que inclui inscrição e passagem de avião. Além disso, tornaram-se membros da International AIDS Society (Sociedade Internacional de AIDS), a principal organização de HIV/AIDS do mundo. que reúne pesquisadores, profissionais de saúde, políticos e militantes.

Igor Prado foi eleito Embaixador Jovem da International AIDS Society. Ao todo, a sociedade terá na conferência 30 embaixadores de 21 países diferentes. Como embaixador, além de ter acesso VIP em vários eventos da conferência, participará de oficinas sobre escrita científica e terá reuniões particulares com membros da sociedade para falar sobre seu currículo e carreira.

“Irei ainda aprender como conseguir financiamento para nossas atividades em relação ao HIV, como ser um líder e uma voz jovem nessa área, além de também conhecer vários pesquisadores importantes, como Françoise Barré-Sinoussi, ganhadora do Prêmio Nobel que descobriu o vírus do HIV. Os embaixadores terão a oportunidade de conversar por 1 hora com os principais palestrantes da conferência”, conta.

Foi ainda criado um Instagram do NUDHES (@nudhes.sp) para conseguir uma melhor comunicação das atividades desenvolvidas e para divulgar conteúdo sobre prevenção de HIV e resultados de pesquisa. ”Durante a conferência, serão divulgados nesse espaço todos os destaques do evento, com o objetivo de interagir com as pessoas e mostrar o trabalho”, indica o estudante.

Sobre o NUDHES (https://www.nudhes.com/)

O NUDHES foi formado e registrado no Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq em 2014, a partir da experiência de pesquisadores e de servidores da área de saúde e assistência social com a população LGBT.

O que nos une é o compromisso de fazer pesquisas e produzir conhecimentos que identifiquem os determinantes sociais, culturais e individuais que tornam a população LGBT mais vulnerável.

É sabido que, no contexto de extrema desigualdade social vigente no Brasil, como em outros países do mundo, a população LGBT é especialmente atingida, somando-se às desigualdades sociais e econômicas, o estigma e discriminação relacionados à sua sexualidade.

As consequências para a sua saúde são inúmeras, resultando em comprometimento da saúde mental, risco aumentado para infecções sexualmente transmitidas e de serem vitimadas por um espectro amplo de violências que podem chegar à morte.

O Núcleo trabalha para que os resultados das suas pesquisas e intervenções possam informar políticas públicas e programas e para que sejam um instrumento de ativismo e subsídio para transformação das condições de vida e de saúde das pessoas LGBT, com vistas a uma vida em que a diversidade e os direitos humanos sejam respeitados.

Sobre Igor Prado
Estudante de medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Pesquisador de Iniciação Científica e membro do Núcleo de Pesquisa em Direitos Humanos e Saúde da População LGBT. Membro associado da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO). Realizou em 2017 intercâmbio de pesquisa em Saúde Pública e HIV na Universidade da Califórnia São Francisco (UCSF) e Departamento de Saúde Pública de São Francisco (SFDPH) com bolsa pela Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho (FAVC).

Inscrições abertas para o Processo de Transferência dos cursos de graduação e graduação tecnológica da FCMSCSP

A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo está com inscrições abertas para o Processo de Transferência dos cursos de graduação e graduação tecnológica. Para o curso de Graduação em Medicina são ofertadas três vagas para o segundo ano e uma vaga para o terceiro e as inscrições encerram dia 15/1, segunda-feira.

O processo de seleção para as vagas em Medicina compreende a realização de prova de conhecimentos gerais, análise de currículo e entrevista. Para participar, os candidatos precisam estar regularmente matriculados no curso de graduação em Medicina em Instituições de Ensino Superior brasileiras. Para este processo, o valor da inscrição é de R$ 650,00. Inscreva-se.

Também estão abertas inscrições para transferência para os cursos de graduação em Enfermagem e em Fonoaudiologia e para os cursos de graduação tecnológica em Radiologia e Sistemas Biomédicos. Para o curso de graduação em Enfermagem há vagas para os 2º, 3º , 4º, 5º e 6º semestres. Para o curso de Graduação em Fonoaudiologia as vagas estão disponíveis para os 2º e 3º anos. Com relação aos cursos de graduação tecnológica em Radiologia e graduação tecnológica em Sistemas Biomédicos há vagas para os 2º, 3º e 4º semestres. Para estes cursos, não há cobrança de taxa de inscrição e é possível se cadastrar até 29/1. Inscreva-se.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 122, em 12/1/2018. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

Alunos do curso de Graduação em Medicina da FCMSCSP apresentam trabalhos em conferência internacional

O AIDSImpact é uma conferência internacional, a qual acontece a cada dois anos, tendo como foco pesquisas e avanços na área de ciência comportamental e psicossocial no enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS, discutindo prevenção, tratamento e cuidados para comunidades globais e também locais.

Em 2017, a conferência ocorreu na Cidade do Cabo, na África do Sul, com o tema: “O que será necessário para acabar com a epidemia?” Para este evento, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo contou com a apresentação de trabalhos desenvolvidos pelo Núcleo de Pesquisa em Direitos Humanos e Saúde LGBT+ (NUDHES), coordenado pela professora Maria Amélia de Sousa Mascena Veras e representado na conferência pelo acadêmico do curso de graduação em Medicina Igor Prado Generoso.

Os trabalhos apresentados foram:

Transgender people access to education in São Paulo, Brazil: vulnerabilities and exclusion
Autores: Igor Prado Generoso, Luca Fasciolo Maschião, Aline Borges Moreira da Rocha, Erin C. Wilson, Sean Arayasirikul, Gustavo Santa Roza Saggese, Maria Amélia Vera

Post-exposure prophylaxis use among men who have sex with men in São Paulo: highly concentrated among the most educated and unrelated to number of partners
Autores: Igor Prado Generoso, Luca Fasciolo Maschião, Aline Borges Moreira da Rocha, Maria Amélia Veras

Ambos os trabalhos tratam de aspectos sociais sobre as populações mais afetadas pela epidemia no Brasil, como acesso à educação e à saúde. O trabalho “Transgender people access to education in São Paulo, Brazil: vulnerabilities and exclusion” foi desenvolvido em parceria com os alunos de Iniciação Científica da Faculdade juntamente com pesquisadores do Departamento de Saúde Pública de São Francisco, resultado do contato estabelecido no programa de intercâmbio “Pesquisadores do Futuro”, projeto coordenado pelo Núcleo de Relações Internacionais (NRI) da FCMSCSP e com apoio da Mantenedora da Instituição, Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 121, em 8/12/2017. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

10 filmes que todo profissional da saúde deveria assistir

É fato que o dia a dia dos profissionais e estudantes da área da saúde é muito corrido. Para os universitários, a rotina é repleta de provas, trabalhos e as diversas obrigações acadêmicas. Já para os profissionais de saúde, os plantões, consultas e atendimentos são as atividades que consomem as horas do dia. Mas, e que tal aproveitar a dia de folga ou o final de semana para se entreter assistindo um filme que propõem reflexão sobre a profissão?

Pensando nisso, nós preparamos uma lista com 10 filmes que todos os profissionais da saúde deveriam assistir. Venha conferir!

  1. Um Estranho no Ninho (1975)

Ambientado em uma clínica psiquiátrica, o filme conta a história de Randall McMurphy, interpretado pelo legendário Jack Nicholson, um indivíduo de espírito livre que termina lá fugindo da prisão e lidera os pacientes em uma rebelião contra a equipe opressiva, chefiada pela enfermeira Ratched. O clássico do cinema aborda como a saúde mental era tratada até poucas décadas atrás: com base em medicações sedativas, castigos e rígidas regras padronizadas de tratamento. O personagem de Nicholson é internado e revoluciona a clínica psiquiátrica com sua irreverência e indisciplina melhorando até mesmo o estado de saúde dos outros internos.

  1. Tempo de Despertar (1990)

Em 1969, em Nova Iorque, o médico neurologista Malcolm Sayer, interpretado por Robin Williams, trabalha em um hospital psiquiátrico. Lá, encontram-se vários pacientes que, aparentemente, estão catatônicos. Sayer sente que eles estão só “adormecidos” e que, se forem medicados da maneira certa, poderão ser despertados. Pesquisando sobre o assunto, ele chega à conclusão de que os pacientes sofrem de encefalite letárgica, e que a droga L-DOPA, usada em pacientes com o mal de Parkinson, poderia ser o medicamento ideal para tratá-los. Sayer é autorizado pelo diretor do hospital a submeter apenas um paciente ao novo tratamento; ele escolhe Leonard Lowe (Robert De Niro), que estava “adormecido” há décadas. O filme nos mostra a importância da assistência humana dos profissionais de saúde com seus pacientes e de que forma essa humanidade pode mudar a todos, inclusive quem a pratica.

  1. Um Golpe do Destino (1991)

Cirurgião de sucesso, Jack Mckee é completamente desconectado emocionalmente de sua família e das pessoas que opera. Ao desenvolver um tumor maligno, ele começa a ver a vida da perspectiva de um paciente. Jack conhece uma mulher fatalmente doente, mas extremamente corajosa e percebe a necessidade de mostrar compaixão em sua profissão. Neste filme, é despertada a reflexão sobre a importância da relação entre médico e paciente.

  1. O Óleo de Lorenzo (1992)

Um drama real na vida de um pai e uma mãe que lutam para salvar a vida de seu filho. Augusto e Michaela Odone são pegos pelo destino: Lorenzo de cinco anos de idade é diagnosticado com uma rara e incurável doença, mas a persistência da família e sua fé os leva para a cura, salvando seu filho e mudando a história da medicina.

  1. Patch Adams – O Amor é Contagioso (1998)

Patch Adams descobre que o humor e o carinho podem fazer maravilhas e ajudar a curar pessoas hospitalizadas, mas suas ideias entram em conflito com os defensores da medicina tradicional. Este é outro grande clássico da área médica que possui o ator Robin Williams como personagem principal.

  1. Quase Deuses (2004)

Vivien Thomas, um negro na década de 30, é contratado como faxineiro mas acaba ajudando o Dr. Alfred Blalock em uma investigação médica. O problema é que o racismo não permite a entrada de Thomas na universidade, mas como ele é indispensável para o êxito do projeto, sua entrada é permitida contanto que somente Blalock receba as honras. Este filme, baseado em fatos reais, mostra a pesquisa e como foi a primeira cirurgia de coração do mundo.

  1. Mar Adentro (2004)

Rámon sofreu um acidente que o deixou paralisado e preso a uma cama por boa parte de sua vida. Cansado, ele luta pelo direito de dar fim à sua existência e entra em conflito com a sociedade, a Igreja e sua família. Filme traz uma reflexão importante a todos os profissionais da saúde: a eutanásia.

  1. O Escafandro e a Borboleta (2007)

Aos 43 anos de idade, o editor-chefe da revista Elle, Jean-Dominique Bauby, tem um derrame devastador que o deixa paralisado e dependente, algo frustrante para um homem conhecido por aproveitar demasiadamente a vida. A única coisa capaz de mover é o olho esquerdo. Então ele aprende a se comunicar piscando e escreve um livro de memórias. O filme nos apresenta mais sobre a neurofisiologia e sobre a Síndrome do Encarceramento, rara doença chamada em que os movimentos do corpo inteiro são paralisados, mas as faculdades mentais se mantêm intactas.

  1. Mãos Talentosas – A história de Ben Carson (2009)

 O Dr. Ben Carson, neurocirurgião de fama mundial, tem origem humilde e protestante em Detroit. Ele torna-se diretor do Centro de Neurologia Pediátrica do Hospital Universitário Johns Hopkins, em Baltimore, nos Estados Unidos, aos 33 anos. Uma inspiradora história de superação da pobreza e busca pela perfeição na carreira médica.

  1. O Físico (2013)

Ainda criança, Rob vê sua mãe morrer em decorrência da doença do lado. O garoto cresce sob os cuidados de Bader, conhecido como “barbeiro-cirurgião”, que promete curar doenças. Ao crescer, Rob acumula todos os conhecimentos de Bader sobre cuidar de pessoas doentes, mas ele sonha em saber mais. Rob descobre então, que na Pérsia há um médico famoso, responsável por administrar um hospital. Para aprender com ele, Rob faz uma longa viagem rumo à Ásia, a fim de aprender a exercer a Medicina, em pleno século XI.

Gostou das nossas dicas? Agora é só preparar a pipoca e aproveitar!