FCMSCSP: tradição, corpo docente e qualidade que fazem a diferença

Érica-de-Cássia-Ferraz

Érica de Cássia Ferraz

Graduada, no ano de 2005, em Fonoaudiologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Érica de Cássia Ferraz, especializada em Linguagem e Mestra em Saúde da Comunicação Humana, ambas pela FCMSCSP, a egressa é responsável pela revista Audiology – Communication Research (ACR), da Academia Brasileira de Audiologia (ABA) e acaba de ser agraciada com o 2º lugar no prêmio da Associação Brasileira de Editores Científicos. Em entrevista ao Conectar, a fonoaudióloga fala sobre a conquista e sobre os tempos como aluna da FCMSCSP.

Conectar: Pode nos contar um pouco da sua experiência como aluna da FCMSCSP?
Érica: Tínhamos aulas de manhã e, a partir do 3º ano, alguns estágios à tarde. Fomos as primeiras a utilizar a clínica de Fonoaudiologia. A Faculdade me proporcionou não só aprendizado técnico, mas me ensinou a lidar com pessoas, expectativas e incertezas. Mais do que isso, me ensinou a valorizar aquilo que tenho. Tive o privilégio de ser aluna da primeira turma, de ter aulas com ótimos professores e de conhecer pessoas incríveis. Fiz grandes amizades, que espero conservar para sempre. A Santa Casa sempre fez eu me sentir “em casa”.

Conectar: Por que optou por Fonoaudiologia?
Érica: Nunca tive dúvidas sobre que profissão eu gostaria de seguir. Pesquisei bastante sobre a prática profissional antes do vestibular. A Fonoaudiologia sempre me encantou por ser uma profissão da área da saúde que possibilita atuar em diversas áreas (linguagem, voz, audiologia…), desde a prevenção, passando pelo aperfeiçoamento da comunicação e pela melhoria da qualidade de vida das pessoas, até a reabilitação de alguns distúrbios. Desde o início, sempre tive uma tendência muito forte a trabalhar com leitura e escrita.

Conectar: Quando, como e por que decidiu que faria na FCMSCSP?
Érica: Na época, o curso estava começando e ainda não tinha o reconhecimento e respeito que tem hoje. Entretanto, a instituição já tinha enorme tradição. O fato de ter um corpo docente experiente e conceituado e a possibilidade de aprender em um hospital de referência foram aspectos decisivos para a minha escolha. Tive certeza de que eu teria uma formação de qualidade.

Conectar: De que maneira o curso contribuiu para o seu crescimento profissional?
Érica: Tive aulas com professores experientes, qualificados e muito bem sucedidos na profissão. A maioria deles, além da atividade acadêmica, também exerce atividade clínica. Isso sempre trouxe muita riqueza para as discussões. Tivemos acesso a conteúdos atualizados e fomos incentivadas a participar de atividades sociais, assistenciais, culturais e acadêmicas. Esse conjunto todo contribuiu para o meu amadurecimento profissional.

Conectar: Hoje em dia qual a sua relação com a FCMSCSP?
Érica: A Faculdade é um porto seguro. Um local em que me sinto acolhida e sei que posso contar sempre. Quando posso faço uma visita para rever as pessoas. Gosto de ver o entusiasmo dos alunos e as melhorias das instalações e da infraestrutura. Estou sempre atenta aos cursos e eventos que acontecem para poder voltar e participar. Sinto como se eu nunca fosse me desligar totalmente da Faculdade, mesmo se passar algum tempo afastada.
 
Conectar: Quais dicas você daria para quem deseja cursar Fonoaudiologia?
Érica: Ter uma boa formação é essencial em qualquer profissão. Investir em um curso reconhecido e de qualidade é o primeiro passo. Para ser Fonoaudiólogo não basta gostar de lidar com pessoas, de diversas idades e com diferentes queixas de comunicação. É importante lembrar que, muitas vezes, atuamos de forma interdisciplinar, em parceria com outras áreas. As dificuldades e desafios existem em todas as profissões, mas trabalhar com aquilo que nos identificamos faz a diferença para buscar soluções para os problemas e seguir em frente.

Conectar: Você acabou de receber o 2º lugar no Prêmio da Associação Brasileira de Editores Científicos. Como foi a sua participação e como foi receber o prêmio?
Érica: A Associação Brasileira de Editores Científicos é a instituição de referência em relação à editoração científica no Brasil. Fornece informações atualizadas e tendências internacionais na área de publicação científica. Promove anualmente um prêmio para incentivar aqueles que se dedicam à área editorial. Os candidatos precisam apresentar suas ações de destaque que contribuíram para a melhoria de seus periódicos. Foi muito gratificante esse segundo lugar, pois é uma forma de reconhecimento de muito trabalho e dedicação. Fiquei extremamente feliz por essa conquista e agradecida a todos que colaboraram para que eu pudesse alcançá-la.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 78, em 24/11/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Fonoaudiologia: ​qual ​área a seguir dentro da ​ carreira?

Dra. Ana Luiza Navas, diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade Santa Casa de São Paulo

Dra. Ana Luiza Navas, diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade Santa Casa de São Paulo

Para esclarecer os pontos mais comuns sobre a carreira de Fonoaudiologia, confira esta entrevista com a Dra. Ana Luiza Navas, diretora do ​curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.​

Conectar: Quais são as áreas de especialização em Fonoaudiologia?
Dra. Ana Luiza: As áreas reconhecidas pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia são Voz, Linguagem, Audição, Saúde Coletiva, Motricidade Orofacial – tudo que tem a ver com a parte motora da fala; Disfagia, Fonoaudiologia Educacional, Fonoaudiologia do Trabalho, Gerontologia, Neuropsicologia e Fonoaudiologia Neurofuncional.

Conectar: Como ​podemos definir o mercado ​d​e trabalho para um ​fonoaudiólogo?
Dra. Ana Luiza: O mercado de trabalho da Fonoaudiologia é muito amplo, porque as áreas são muito diversas. Temos grande contingente trabalhando na área da saúde, no serviço público ou em clínicas particulares​,  mas existe o fonoaudiólogo que trabalha  ​no ambiente corporativo  ou  ​no setor educacional, dando consultoria tanto em escolas públicas ​quanto  nas p​articulares.

Conectar:
Quanto à área educacional, ​esse trabalho  ​seria aquele desenvolvido com crianças?
Dra. Ana Luiza: Existe sempre a imagem que o ​fonoaudiólogo só trabalha com crianças que possuem alguma dificuldade, porém ess​e profissional já vem trabalhan​do​, ​por exemplo, ​na área de Educação, na formação e capacitação de professores para o desenvolvimento de audição, linguagem e fala. ​Nesse caso, o  fonoaudiólogo atende professores prestando assessoria para o aprimoramento da comunicação expressão des​se​s​  profissiona​is, bem como pode fazer parte da equipe educacional visando a melhoria do processo de aprendizagem das crianças.

Conectar: E com as crianças, como é a atuação?
Dra. Ana Luiza: Os profissionais da ​Fonoaudiologia podem prestar orientações para o desenvolvimento de todos os alunos, e não somente ​àqueles que possuem alguma dificuldade. Eles atuam no ensino regular, com ​estudantes que não têm nenhuma dificuldade de alfabetização, para melhorar a habilidade de comunicação dessas crianças. Mas há também na Educação Especial, área inclusão, profissionais que auxiliam no processo de aprendizagem e comunicação de crianças com transtornos como a síndrome de Down, dislexia, déficit de atenção, ou com deficiências como a auditiva, prestando orientações e acompanhamentos específicos.

Conectar: Quais outros setores ​em que  o fonoaudiólogo pode atuar?
Dra. Ana Luiza: O ​fonoaudiólogo pode trabalhar com empresários, para melhorar a expressividade e comunicação oral; em veículos de comunicação com jornalistas, radialistas; e com outras várias instituições e pessoas que precisam fazer o aprimoramento da comunicação, não somente com cantor e ator, mas, por exemplo, com pessoas que precisam dar entrevistas frequentemente: técnicos de futebol, políticos e outros.

Conectar: Ao se formar,o fonoaudiólogo precisa de um registro para trabalhar?
Dra. Ana Luiza: Sim. Quando o aluno se forma, após a colação de grau, ele precisa solicitar um registro profissional no Conselho Regional de Fonoaudiologia de sua região; no caso de São Paulo, ​trata-se da 2ª Região.

Conectar: E quanto aos egressos que optem por seguir diretamente para o mercado de trabalho?
Dra. Ana Luiza: A grande maioria dos alunos que se formam tem plena condição de ingressar diretamente no mercado de trabalho sem precisar fazer especialização. E há empresas que ​já os ​contratam​ ao término do curso, pois ​reconhecem a ​formação​ de qualidade oferecida pela​ Faculdade ​Santa Casa​ de São Paulo. Há algumas áreas ​em ​que a especialização ou aprimoramento são necessárias e recomendadas, principalmente ​quando ​os egressos ​irão prestar concurso público que tem essa exigência em seu edital.

Conectar: Há um número grande de fonoaudiólogos que seguem para a área acadêmica?
Dra. Ana Luiza: ​Muitos d​os alunos ​da FCMSCSP ​têm procurado complementar sua formação em programas de pós-graduação, como mestrado e doutorado, tanto ​aqui ​quanto em outras instituições​. ​A Faculdade ​de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo ​oferece o Mestrado ​Profissional em Saúde da​ Comunicação Humana, dedicado principalmente ao ex-aluno que já teve uma experiência de mercado de trabalho e sentiu a necessidade de melhorar a sua prática profissional, fundamentar​-se​ melhor em termos científicos, desenvolver estratégias terapêuticas, manuais e guias de orientação.

Conectar: Para finalizar, como a FCMSCSP auxilia os alunos no término da Graduação?

Dra. Ana Luiza: A formação teórica e, principalmente, a prática deste ensino, bem como a carga horária e diversidade dos estágios supervisionados, que envolvem tanto a Clínica Escola de Fonoaudiologia, vários setores do hospital ​da ​ISCMSP, as Unidades Básicas de Saúde (UBS), Creches e Escolas faz com que os alunos saiam ​muito bem​ preparados. Além disso, ao longo do 4º ano, há uma tutoria, na qual professores orientam os alunos em encontros mensais sobre o que é pós-graduação, especialização, aprimoramento, gestão entre outros temas para que eles estejam ainda mais preparados para planejar suas carreiras.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 77, em 4/11/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.