A fertilização in vitro (FIV) pode ser uma alternativa para casais com dificuldades de engravidar

page2_img_newton

Dr. Newton Eduardo Busso, coordenador da especialização em Infertilidade Conjugal e Reprodução Humana Assistida da FCMSCSP

Desejo de muitos casais, homens e mulheres podem encontrar dificuldades para conceber um filho. De acordo a organização Mundial de Saúde, a infertilidade é determinada quando não há concepção após um ano de tentativas sem a utilização de métodos contraceptivos, afetando de 8 a 15% dos casais em idade reprodutiva.

Nesses casos, a fertilização in vitro (FIV) pode ser uma das opções para o casal. O Dr. Newton Eduardo Busso, professor e coordenador do curso de Pós-graduação em Infertilidade Conjugal e Reprodução Humana Assistida da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, comenta o procedimento em entrevista ao Boletim Conectar.

Conectar: Como funciona a fertilização in vitro (FIV)?
Dr. Newton: A fertilização in vitro é procedimento que visa unir óvulos e espermatozoides para formar embriões e transferi-los ao útero, para possibilitar a gestação em pessoas que não conseguem naturalmente.

Conectar: Quais exames devem ser feitos antes da FIV?
Dr. Newton: São necessários exames clínicos e laboratoriais para rastrear doenças infecto-contagiosas, além de espermograma para confirmar a existência de espermatozoides na ejaculação.

Conectar: A FIV pode ser feita na menopausa?
Dr. Newton: Pode ser feita na menopausa desde que seja com a doação de óvulos, pois a menopausa acontece pelo esgotamento da reserva ovariana.

Conectar: Quais são os efeitos colaterais do procedimento?
Dr. Newton: Os riscos são inerentes à utilização de drogas para estimular a ovulação e ligados ao procedimento de punção ovariana para a obtenção de óvulos.

Conectar: Quais são as chances de gravidez, após a realização da FIV?
Dr. Newton: As chances de gestação estão atreladas principalmente à idade da mulher e ao diagnóstico da causa de infertilidade, na média podemos chegar a 35% de gravidez por ciclo de tratamento.

Conectar: Quanto tempo pode durar o tratamento?
Dr. Newton: O tratamento dura um ciclo menstrual desde o ínicio até o diagnóstico da eventual gravidez.

Conectar: O procedimento pode ser realizado por mulheres de qualquer idade?
Dr. Newton: Não há limite estabelecido para o tratamento, mas é importante realizar a avaliação clínica e laboratorial da mulher antes do tratamento.

Conectar: Quais os riscos essa técnica pode trazer?
Dr. Newton: Os maiores riscos estão ligados à Síndrome de Hiperestímulo Ovariano e os riscos de gemelaridade.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 106, em 14/3/2017. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

 

 

Anúncios

Cursos de Pós-graduação da FCMSCSP: inscrições abertas

peca-facebook-cursos-novosSe você busca uma especialização como forma de se manter atualizado com o mercado e ainda pretende dar um novo impulso à sua carreira, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo vai ajudá-lo a alcançar seus objetivos. Em 2017, terão início novas turmas em diversas áreas de conhecimento nos cursos de Pós-graduação lato sensu oferecidos pela FCMSCSP. As inscrições já estão abertas e os programas têm duração de 10, 12, 13, 15, 17, 18 ou 21 meses, de acordo com o curso escolhido.

Todas as especializações contam com docentes que possuem ampla experiência nas áreas de atuação envolvidas e também com o trabalho de experientes coordenadores que asseguram programas de pós-graduação sempre atuais.  Conheça, na relação a seguir, todos os cursos que já estão recebendo inscrições no Portal FCMSCSP. Entre as novidades, estão os cursos de Pós-graduação em Psicologia em Saúde Mental e Psicopatologia e Saúde Pública.

Clique sobre o nome do curso para conferir mais detalhes.

Aumento da procura pela fertilização assistida é resultado de mudanças no comportamento dos casais

A fertilização assistida possibilita que casais com dificuldades para engravidar possam gerar um filho, além de permitir a gestação para produções independentes e homoafetivas. A técnica in vitro consiste na junção de óvulos e espermatozoides, em um ambiente que simula o das trompas e, depois, são transferidos para o útero da mãe, onde irão se desenvolver.

Prof. Dr. Newton Eduardo BussoDe acordo com o Prof. Dr. Newton Eduardo Busso, coordenador do curso de pós-graduação em Infertilidade Conjugal e Reprodução Humana Assistida da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, uma das razões para o aumento da procura pela técnica é a mudança de comportamento dos casais, que estão decidindo ter filhos em uma idade mais avançada. “Hoje, verificamos que a mulher quer priorizar sua formação acadêmica e a evolução de sua carreira. Dessa forma, a decisão de engravidar é tomada em uma idade em que as chances são menores”, declara.

O especialista afirma que a média da primeira gravidez saltou dos 25 para os quase 30 anos. “Em linhas gerais, após os 35 anos, as chances de engravidar começam a diminuir, tanto espontaneamente quanto com os tratamentos. A média de sucesso para a fertilização in vitro é de 35% a 50%, índices que se reduzem depois desta faixa etária”, explica. Alguns dos comportamentos que também diminuem as chances de fertilização são: obesidade, consumo de álcool e cigarro, além de doenças sexualmente transmissíveis.

Para o professor, a doação e o congelamento de óvulos abrem novas perspectivas de gravidez para mulheres após os 40 anos de idade. “A mulher pode se preparar congelando seus óvulos em uma idade em que eles são mais ‘sadios’. Com isso, no futuro, ela poderá tentar engravidar ou até realizar uma produção independente com óvulos teoricamente melhores”, comenta.

O Dr. Busso reforça ainda que a tecnologia vem propiciando a gravidez a casais que, há alguns anos, não teriam a menor condição de gerar um filho. De acordo com o professor, “Quando se aumenta a possibilidade de um resultado positivo, automaticamente cresce o número de pessoas que buscam esse método. Segundo o médico, em um passado recente, homens que tinham um número muito baixo de espermatozoides não conseguiam ter filhos, nem com os tratamentos da época. “A nova técnica, que permite colocar um espermatozoide dentro do óvulo, fez com que esses homens tivessem essa possibilidade”, afirma.

Outra vertente da fertilização assistida é realizada para casais homoafetivos femininos e masculinos. O Dr. Busso cita também a gravidez independente, em que a mulher utiliza um banco de sêmen. “O homem também pode realizar a produção independente com o óvulo de uma doadora desconhecida, transferindo o embrião para o útero de uma parente sua para realizar a gestação. Isso é ético e legal”, finaliza.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 25, em 4/9/2013. Assine nossa newsletter http://www.fcmsantacasasp.edu.br.