Pílula anticoncepcional: mitos e verdades

O público feminino dispõe de diversos tipos de métodos contraceptivos, desde a camisinha e anéis vaginais até injeções e dispositivos internos colocados dentro do útero – o chamado DIU –, para impedir a gravidez e prevenir doenças sexualmente transmissíveis. Ainda assim, parece haver um favorito entre eles: a pílula anticoncepcional. Segundo dados divulgados este ano pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), aproximadamente 100 milhões de mulheres no mundo utilizam esse método.

Mesmo sendo bastante popular e um dos métodos mais indicados pelos ginecologistas, ainda há muito debate sobre os riscos que as mulheres correm com as pílulas anticoncepcionais. As dúvidas sobre a melhor maneira de tomar o medicamento surgem com frequência e, na era das redes sociais e das “fake news” (notícias falsas), os mitos também se propagam.

Pensando nisso, o Dr. Roberto Franken, médico vascular e professor da disciplina de Clínica Médica e a Dra. Sonia Tamanaha, ginecologista e professora da disciplina de Ginecologia, ambos da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP), esclarecem às mulheres – e também aos homens – as principais dúvidas sobre a pílula anticoncepcional:

– Engorda?
Talvez. De acordo com o Dr. Roberto Franken, a ingestão do medicamento causa a retenção de líquido e aumento da vontade de consumir carboidratos. Porém, a Dra. Sonia afirma que existem pílulas com composições que podem diminuir o sintoma – estudos comparativos entre usuárias e não usuárias mostraram que as variações de peso (média de 0,5 kg) foram semelhantes nos dois grupos.

– Dá celulite?
Mito. Segundo a Dra. Sonia, “a celulite é uma patologia que possui vários fatores envolvidos, tais como: predisposição genética, sexo feminino, idade, obesidade, sedentarismo, alto consumo de doces e bebidas gasosas, disfunções circulatórias, gestação, tabagismo, disfunções hormonais e uso de determinados medicamentos. “Assim, não é possível dizer que a pílula seja a responsável por sua origem. Porém, a retenção hídrica associada ao uso de pílulas poderia causar a sensação de aumento da celulite nas mulheres com predisposição”, explica.

– Aumenta os seios?
Mito. Conforme a Dra. Sonia, as pílulas contraceptivas são formuladas pela combinação de estrogênio e progestagênio ou apenas com o progestagênio. “Os efeitos desses hormônios nas mamas podem causar aumento da sensibilidade, dor mamária e sensação de inchaço, mas não aumentar o volume”, afirma.

– Dá trombose?
Verdade. Dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) indicam que mulheres que usam anticoncepcional correm risco de quatro a seis vezes maior de desenvolver trombose em um ano do que aquelas que não utilizam métodos contraceptivos hormonais. Segundo o Dr. Roberto, os dois tipos de trombose mais comuns para essas mulheres são a venosa e a arterial e que, dependendo do perfil da mulher, ou seja, se ela é obesa, possui histórico familiar ou é fumante, as chances se elevam.

– Melhora a pele?
Verdade. “Há uma melhora na pele porque o estrogênio tem a propriedade de aumentar a produção de uma proteína no fígado, chamada SHBG (steroid hormone biding globulin), que é responsável por diminuir a biodisponibilidade dos hormônios com efeitos androgênicos. E, assim, ocorre melhora da oleosidade da pele e da acne”, explica a Dra. Sonia.

– Existe uma idade certa para começar a tomar?
Depende. Segundo os professores da FCMSCSP, a idade para se começar é definida mediante consulta com o ginecologista, que definirá se a mulher pode ou não tomar a pílula. Dra. Sonia explica que, em geral, é recomendado começar quando existir o risco de acontecer uma gestação não planejada. Estudos reportam que os benefícios contraceptivos superam todos os eventuais riscos de seu uso. “No caso de adolescentes, com o início da atividade sexual, a recomendação é o uso da dupla proteção: a pílula anticoncepcional associada a outro método de alta efetividade, como a camisinha feminina ou masculina, por exemplo”, complementa.

– Quem não pode tomar a pílula?
Para o Dr. Roberto e a Dra. Sonia, pelo risco de associação com complicações graves, não podem tomar pílulas contendo estrogênio as mulheres que tiveram trombose, portadoras de trombofilias hereditárias, histórico pessoal de acidente vascular cerebral, câncer de mama, hipertensas, tabagistas acima de 35 anos e aquelas que sofrem com enxaqueca com aura.

– A pílula causa problemas vasculares?
Segundo ambos os especialistas, as pílulas não são recomendadas para pessoas que possuem problemas de circulação, principalmente as tromboses e os efeitos colaterais do tabagismo. Além disso, a Dra. Sonia enfatiza que os problemas vasculares com o uso de pílulas de baixa dose de estrogênio não são habituais quando a mulher é saudável, ou seja, não tabagista e não é hipertensa.

– Causa varizes?

Mito. Segundo o Dr. Roberto, não é comprovado que o uso da pílula anticoncepcional cause varizes. Porém, por se tratar de uma doença multifatorial – a que pode ser causada por várias origens –, para a Dra. Sonia, a pílula pode ser considerada um fator desencadeante por intensificar a dilatação dos vasos ao diminuir os tônus vasculares.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 120, em 10/11/2017. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

Anúncios

Quando chega o momento de se decidir pela especialização em Medicina

Dr. José Eduardo Lutaif Dolci

Dr. José Eduardo Lutaif Dolci

Após seis anos de dedicação, chega a hora do jovem médico pensar em sua especialização. Segundo dados do Conselho Federal de Medicina, o país possui cerca de 400 mil médicos, sendo que, de acordo com estudo de 2012 do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp), há no estado de São Paulo 106.418 médicos em atividade, dos quais 55,96% têm uma especialidade médica ou até mais. Ainda de acordo com o órgão, pediatria, ginecologia e obstetrícia, cirurgia geral, anestesiologia, clínica médica, ortopedia e traumatologia, cardiologia, oftalmologia, radiologia e diagnóstico por imagem e medicina do trabalho são as dez primeiras especialidades mais preenchidas no estado.

Nesta matéria, o Dr. José Eduardo Lutaif Dolci, diretor do curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, esclarece como a FCMSCSP tem se preocupado com a qualidade de ensino na formação de seus alunos, inclusive para que conheçam os caminhos necessários no caso de optarem por uma especialização na área. Acompanhe.

Conectar – Como tem sido a experiência da FCMSCSP na orientação a seus alunos a respeito da especialização a seguir?
Dr. Dolci – Na verdade, não fazemos nenhum direcionamento do aluno para a escolha de especialidade, principalmente porque nossa Escola sempre se orgulha por formar médicos generalistas – e muito bem formados. Desde o primeiro ano, os alunos têm amplo contato com os pacientes do Hospital Central e Unidades Básicas de Saúde (UBS), reforçando o conceito de formar o médico com ampla visão biopsicossocial. Os alunos começam a ter uma visão das especialidades entre o 3º e o 4º ano, visão esta mais teórica, mas é no internato que terão uma vivência das especialidades. Temos ainda o eletivo no 6º ano, que é um período de seis semanas no final do ano, no qual o aluno escolhe uma das especialidades – inclusive a clínica médica – em que passará por esse período para conhecer melhor a área e ajudá-lo a decidir qual aquela que deverá seguir em sua carreira de médico.

Conectar – De que forma as atividades extracurriculares da Faculdade, como o Programa Expedições Científicas e Assistenciais (PECA), contribuem no apoio à decisão dos alunos em suas especialidades?
Dr. Dolci – As atividades extracurriculares, em especial o PECA e as ligas acadêmicas, ajudam os alunos no desbravamento das especialidades, porque eles têm a oportunidade de ver, na prática, o papel do médico na sua área de atuação e, principalmente, a repercussão de sua atuação na sociedade.

Conectar – Existem áreas de especialização que merecem atenção do futuro médico, impulsionadas por progressos tecnológicos ou fatores comportamentais da população? Quais seriam?
Dr. Dolci – Existem várias especialidades que, com certeza, já despertam o interesse do jovem médico por suas novas tecnologias e novos conhecimentos. Podemos salientar o conhecimento de biologia molecular e de genética que, sem dúvida, trarão avanços para o diagnóstico e, principalmente, novas terapêuticas. Nos avanços tecnológicos, as mudanças e os novos equipamentos chegam praticamente todos os dias. O tratamento que hoje se faz para uma doença urológica ou otorrinolaringológica é totalmente diferente do que se fazia quando me formei, há 37 anos. Com a chegada do desenvolvimento das fibras óticas, as videocirurgias são muito menos invasivas com menor morbidade para os pacientes e menor tempo de internação. É claro que toda esta tecnologia influencia a decisão dos jovens na sua escolha.

Conectar – O curso de Graduação em Medicina da FCMSCSP é um dos mais tradicionais do país e, regularmente, recebe reconhecimentos por sua qualidade. Como a Faculdade tem se preocupado em manter o curso o mais atualizado possível, facilitando, assim, a formação de excelência de seus alunos?
Dr. Dolci – O curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo é considerado um dos melhores do país, com reconhecimento dos órgãos institucionais e dos seus pares, principalmente. Por isso mesmo, temos a obrigação de manter o nosso nível de excelência – e a direção tanto do curso quanto da FCMSCSP tem se preocupado com isso. Recentemente promovemos uma reestruturação da matriz curricular com a introdução de novas disciplinas, necessárias frente aos novos conhecimentos, favorecendo uma maior integração das cadeiras básicas com a fisiologia e a fisiopatologia, ou seja, a saúde e a doença. Há, ainda, uma constante preocupação em estimular os alunos para iniciarem pesquisas por meio das ligas e de pós-graduação.

Saiba mais sobre o curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 69, em 14/7/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Alimentação saudável é fundamental na prevenção do diabetes gestacional

Dra. Lilian de Paiva Rodrigues, professora adjunta de ginecologia e obstetrícia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Dra. Lilian de Paiva Rodrigues, professora adjunta de ginecologia e obstetrícia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Durante a gestação, o organismo feminino sofre inúmeras adaptações para o bom desenvolvimento do feto. Porém, as mulheres podem apresentar alguns problemas nesse período. O diabetes gestacional é um deles e acomete cada vez mais mulheres no Brasil. De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a disfunção atinge entre 2,4 a 7,2% das gestantes.

“Isso se deve a produção de hormônios pela placenta. Os níveis de glicose no sangue materno se elevam e, consequentemente, a sua oferta para o bebê. Para que essas concentrações permaneçam normais, é necessário maior produção e liberação de insulina pelo pâncreas materno. Parte dessas gestantes não consegue produzir insulina suficiente e desenvolve o DG”, comenta a Dra. Lilian de Paiva Rodrigues, professora adjunta de ginecologia e obstetrícia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Relacionado a hábitos alimentares das gestantes, quando não tratado, o diabetes gestacional apresenta maior risco para a mãe e o bebê e pode resultar em macrossomia (quando o peso da criança no nascimento é superior a 4kg), desconforto respiratório, hipoglicemia, além de má formação, especialmente de coração e sistema nervoso, nos bebês. Nas gestantes, o problema pode desencadear aumento da pressão arterial, aumento de peso, infecções, abortamento, parto prematuro.

Entre os fatores de risco para o desenvolvimento do DG, estão: gestantes acima de 25 anos, mulheres acima do peso ideal, com histórico familiar de diabetes mellitus (tipo 2) ou que já sofreram abortos espontâneos. “Mas, aquelas mulheres que não apresentam esses fatores também podem desenvolver o diabetes. É importante que, ao suspeitar da gravidez, a mulher procure pelo obstetra para avaliação de sua condição e indicação de tratamento caso apresente o DG”, comenta a professora. Ela ressalta que mais da metade das mulheres que tiveram o diabetes gestacional apresentam grandes chances de desenvolver a diabetes mellitus futuramente. Além disso, os filhos nascidos de mães nessas condições também apresentam risco de desenvolver sobrepeso ou obesidade durante a infância.

Para a prevenção da disfunção, a doutora indica alguns hábitos para o período da gestação:

– Praticar exercícios físicos: A professora explica que a atividade física auxilia na manutenção dos níveis de glicose no organismo. “É importante verificar com o obstetra exercícios ideais, bem como sua frequência, intensidade e duração. É necessário adaptar uma rotina de atividades a condição da mulher. De modo geral, 30 minutos de caminhada pode ser bastante eficaz”.

– Alimentação saudável: Fundamental para qualquer gravidez, uma dieta equilibrada é a principal regra para mulheres com diabetes gestacional. É ideal manter refeições indicadas pelo nutricionista, com riqueza de proteínas e ferro, além de evitar o consumo de alimentos gordurosos, açúcares e refrigerantes.

– Controle da Glicemia: A Dra. Lilian afirma que dedicar atenção ao controle da glicemia é importante no período da gestação. O ideal é fazer testes frequentes por aparelhos portáteis – que necessitam de uma gota de sangue para a verificação – ou exames laboratoriais, finaliza a professora.

 Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 63, em 22/4/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.