Evento organizado pelo curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP integra professores e alunos

jornada-de-fono

Professoras do curso de Graduação em Fonoaudiologia

Entre os dias 9 e 11 de setembro de 2015, foi realizada a 13ª Jornada Acadêmica do Curso de Fonoaudiologia e o 2º Encontro do Mestrado Profissional de Saúde da Comunicação Humana da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

O evento, organizado em torno de palestras, oficinas e mesas-redondas, tratou de temas relacionados à linguagem e envelhecimento; o uso da voz na dramaturgia; a atuação fonoaudiológica na neonatologia; a Fonoaudiologia nos processos cicatriciais; empregabilidade na Saúde Coletiva, entre outras abordagens. “A cada jornada tentamos nos aproximar mais dos alunos para escolhermos temas que sejam atuais e que mostrem em perspectiva as áreas de atuação da Fonoaudiologia. Acredito que, nesta jornada, cumprimos mais uma vez o nosso papel, começando pela palestra com a Dra. Kátia de Almeida, vice-diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia e coordenadora do Mestrado Profissional em Saúde da Comunicação Humana da FCMSCSP, que apresentou um panorama da carreira no Brasil e no mundo”, ressalta a Dra. Alessandra Spada Durante, professora do curso de Graduação em Fonoaudiologia e uma das coordenadoras do evento.

Nesta edição, oficinas foram ministradas por especialistas sob a coordenação de professores do curso de Fonoaudiologia da FCMSCSP. Para a Dra. Alessandra, elas merecem destaque, pois receberam um grande número de participantes. “O que possibilitou até que a organização cogite, para o ano seguinte, acrescentar mais oficinas até o último dia do evento. Ressalto que a programação científica como um todo foi um ponto alto. A palestra do Dr. Adrián Fuente, da Universidad de Chile, por meio de uma videoconferência, merece destaque também“, completa.

De acordo com a Dra. Alessandra, os professores da FCMSCSP já estão se preparando para a próxima Jornada. “Teremos uma reunião de fechamento e na sequência nos encontraremos com a comissão de alunos de graduação e pós-graduação para começarmos a pensar em novos assuntos para serem abordados e discutidos. Esta é a primeira possibilidade de percepção do que é um congresso para os futuros fonoaudiólogos, além de ser uma oportunidade para o aluno se aproximar do que há de mais atual e compreender as temáticas discutidas nas apresentações de palestrantes de renomadas instituições”, finaliza a professora.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 74, em 22/9/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Anúncios

Caminhada do Silêncio chega a 4ª edição

Prof.ª-Dra.-Cilmara-Levy

Prof.ª Dra. Cilmara Levy

Em comemoração ao Dia Nacional do Surdo, celebrado em 26 de setembro, a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo realiza a Caminhada do Silêncio 2015, no dia 27 de setembro, domingo, no Parque Villa-Lobos. Com o apoio da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, o evento destaca o estigma da incomunicabilidade, o respeito e o aumento da inserção do surdo na sociedade.  “Lutamos para que acabe o preconceito social contra o surdo, que faz com que ele não queira usar aparelho ou sinta-se constrangido de trocar a pilha do aparelho em público, ou ainda que algumas mães sintam-se despreparadas com a chegada de um filho surdo, achando que ele jamais será independente”, explica a Prof.ª Dra. Cilmara Levy, do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP e coordenadora da Caminhada do Silêncio.

Com início às 8h30, no portão principal do Parque Villa-Lobos, a caminhada de 3km terá largada às 9h00. Destinado às pessoas com deficiência auditiva, familiares, amigos, profissionais da área da saúde e todos que desejam participar, o evento contará com a  superstar Duda, boneca adaptada com “ouvido biônico”, que capta o volume dos tocadores de música e faz a medição dos decibéis. O objetivo é realizar uma campanha para alertar as pessoas sobre os prejuízos causados à audição quando se ouve música, por meio de fones de ouvidos, com o volume exageradamente elevado. “Independentemente da forma de comunicação, oral ou por língua de sinais, este evento quer ouvir os gritos, silenciosos ou não, de surdos, familiares, amigos e profissionais de saúde”, conclui a professora.

Serviço:
4ª Caminhada do Silêncio
Onde: Parque Villa-Lobos (Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 2.001)
Quando: 27 de setembro de 2015, domingo, a partir das 8h30
Informações: cilmaralevy@uol.com.br
Facebook/caminhada do silencio

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 74, em 22/9/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

FCMSCSP e ISCMSP participam da 4ª edição da Caminhada do Silêncio  

Cilmara Levy

Prof.ª Dra. Cilmara Levy

Promovida e realizada pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo com o apoio da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, a 4ª edição da Caminhada do Silêncio será realizada no dia 27 de setembro, domingo, no Parque Villa-Lobos.  Em comemoração ao Dia Nacional do Surdo, celebrado em 26 de setembro, o evento destaca o aumento da inserção do surdo na sociedade, o respeito e o fim do injustificado estigma da incomunicabilidade do surdo. “Nossa luta é para que acabe o preconceito social contra o surdo, que faz com que ele não queira usar aparelho ou sinta-se constrangido de trocar a pilha do aparelho em público, ou ainda que algumas mães sintam despreparadas com a chegada de um filho surdo, achando que ele jamais será independente”, explica a Prof.ª Dra. Cilmara Levy, do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP e coordenadora da Caminhada do Silêncio.

Com início às 8h30, no portão principal do Parque Villa-Lobos, a caminhada de 3km terá largada às 9h00. Destinado às pessoas com deficiência auditiva, familiares, amigos, profissionais da área da saúde e todos que desejam participar, o evento contará com a  superstar Duda, boneca adaptada com “ouvido biônico”, que capta o volume dos tocadores de música e faz a medição dos decibéis. O objetivo é realizar uma campanha que alerte as pessoas sobre os prejuízos de ouvir música, por meio de fones de ouvidos, com o volume exageradamente elevado causam à audição. “Independentemente da forma de comunicação, oral ou por língua de sinais, este evento quer ouvir os gritos, silenciosos ou não, de surdos, familiares, amigos e profissionais de saúde”, conclui a professora.

Serviço:
4ª Caminhada do Silêncio
Onde: Parque Villa-Lobos (Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 2001)
Quando: 27 de setembro, domingo, a partir das 8h30
Informações: cilmaralevy@uol.com.br
Facebook/caminhada do silencio

Dislexia: condição especial que precisa de atenção durante toda a vida

Dra. Ana Luiza Navas

Dra. Ana Luiza Navas

Albert Einstein, Orlando Bloom, Pablo Picasso, Steve Jobs, Steven Spielberg, Tom Cruise, Walt Disney, Will Smith e Whoopi Goldberg são alguns exemplos de personalidades diagnosticadas com dislexia. “Sendo um transtorno genético e hereditário de linguagem, a dislexia atinge, cerca de 4% da população mundial. Possivelmente, mais de 50% da população disléxica não foi diagnosticada. Muitos pais trazem os filhos para avaliação e começam a se identificar ao perceber o desempenho dos filhos nos testes fonoaudiológicos. E essa é uma condição que acompanha a pessoa por toda a sua vida. A terapia fonoaudiológica e o acompanhamento psicológico ajudam muito, mas é necessário criar estratégias para lidar com ela”, explica a Dra. Ana Luiza Navas, diretora e professora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e membro do Núcleo de Acessibilidade Institucional (NAI) da Faculdade.

Núcleo de Acessibilidade Institucional (NAI)
O Núcleo, constituído por uma comissão coordenada pela Dra. Wilze Laura Bruscato, psicóloga e professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, assiste alunos com mobilidade reduzida, deficiências visuais, auditivas e condições como a dislexia, que se enquadra na mesma categoria dos Transtornos Específicos de Aprendizagem, Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), entre outros. “O núcleo analisa, atende e encaminha para diagnósticos os alunos que precisam de adaptações especiais para fazer o curso. É uma determinação do Ministério da Educação (MEC) que as Instituições de Ensino Superior tenham um núcleo, mas cada faculdade decide como vai receber e aplicar a assistência aos alunos, e quais serão contemplados”, completa a Dra. Ana Luiza.

Processo seletivo
Na FCMSCSP, ao se candidatar a um processo seletivo há como mencionar a necessidade de realizar a prova de acordo com a condição do candidato. “Por exemplo, em caso de dislexia, a prova pode ser realizada de forma oral ou o aluno pode solicitar o auxílio de um ledor para ler as questões da prova, além disso, esse aluno tem um tempo extra, em geral 25% a mais que o tempo normal, para fazer a prova e redação”, esclarece a Dra. Ana Luiza.
Para o processo seletivo do curso de Graduação em Medicina, realizado pela Fuvest, os candidatos recebem a mesma opção para fazer a prova. “No Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), também existe essa possibilidade. Esse método se faz necessário, pois a dificuldade na leitura é parte do quadro clínico dos disléxicos, logo, eles têm certa desvantagem em perguntas, por exemplo, com um enunciado muito grande. Tivemos uma aluna que declarou o problema e contou com o auxílio de um ledor e na redação ela obteve mais tempo para redigir. Não é que não tenham conhecimento para responder, mas demoram mais tempo para ler”, complementa a Dra. Ana Luiza.

Acompanhamento durante o ano letivo
A Dra. Ana Luiza ressalta ainda que muitos alunos nem sabem que possuem dislexia. Há casos na Faculdade em que o aluno só soube de sua condição após enfrentar dificuldades para acompanhar o ritmo das aulas. Outros sabem e não mencionam por medo da reação das pessoas. “Em geral as pessoas disléxicas precisam de mais acompanhamento para a compreensão da leitura e escrita. No Ensino Superior, a demanda de leitura aumenta, por isso a taxa de evasão é grande quando não há o apoio institucional. Em alguns casos, a questão emocional interfere, podendo causar problemas de baixa autoestima. Quando a pessoa já vem de um ensino com acompanhamento realizado por um profissional, ela aprende a estabelecer estratégias de estudo e de armazenamento, o que ajuda, e muito, ao encarar uma faculdade”, detalha.

Quanto à adaptação para avaliações, segundo a professora, depende de cada prova, aluno, matéria e professor. “Apresentamos aos professores o diagnóstico e deixamos em aberto para que o aluno solicite, de acordo com sua necessidade, se precisará de prova oral ou mais tempo para fazer provas, gravar as aulas, receber o conteúdo antes da aula. Para os docentes, orientamos que eles não se apeguem aos erros ortográficos, se o conteúdo for contemplado, pois esse é um dos sinais da dislexia. A cada mudança de professores, nos preocupamos em passar as mesmas informações”, elucida a professora.

Confira mais informações sobre a vida profissional de uma pessoa com dislexia.

 

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 73, em 9/9/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Acontece na FCMSCSP a 13ª Jornada de Fonoaudiologia

Começou, nesta quarta-feira, dia 9 de setembro, a 13ª Jornada Acadêmica do Curso de Graduação em Fonoaudiologia e o 2º Encontro do Mestrado Profissional de Saúde da Comunicação Humana da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. O evento, realizado no Auditório Dr. Christiano Altenfelder, 4º andar do Novo Prédio da FCMSCSP, contou com a presença da Dra. Ana Luiza Navas, diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia, que deu início à programação, às 8h, seguida de uma palestra denominada Fonoaudiologia em Perspectiva ministrada pela Dra. Kátia de Almeida, vice-diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia e  coordenadora do Mestrado Profissional em Saúde da Comunicação Humana da FCMSCSP.
Ainda pela manhã, Dra. Maria Teresa Carthery-Goulart proferiu a palestra Linguagem e Envelhecimento, sob a coordenação da Prof.ª Cristiane Messas (FCMSCSP). Além disso, ocorreu uma Mesa Redonda sobre Voz na Dramaturgia, coordenada pela Prof.ª Marta Andrada (FCMSCSP), com os profissionais: Cristiane Magacho Coelho falando sobre Sotaque e Maria Cristina Borrego abordando o tema Dublagem.

DRA-ANA-LUIZA

Dra. Ana Luiza Navas

DOCENTES-FONOAUDIOLOGIA-FCMSCSP

Docentes do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP

Recepção da 13ª Jornada de Fonoaudiologia da FCMSCSP

Recepção da 13ª Jornada de Fonoaudiologia da FCMSCSP

Prof.ª Kátia de Almeida, vice-diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia

Dra. Kátia de Almeida

Alunos durante a 13ª Jornada de Fonoaudiologia da FCMSCSP

Alunos durante a 13ª Jornada de Fonoaudiologia da FCMSCSP

Confira mais fotos em Facebook.com/faculdade.santacasasp

Garanta a sua vaga até 4/9 na 13ª Jornada de Fonoaudiologia da FCMSCSP

jornada-de-fonoaudiologia-2015-inscriçõesFaltam poucos dias para o encerramento das inscrições para a 13ª Jornada Acadêmica do Curso de Graduação em Fonoaudiologia e o 2º Encontro do Mestrado Profissional de Saúde da Comunicação Humana da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

O encontro anual, nesta edição, será realizado nos dias 9, 10 e 11 de setembro, quarta, quinta e sexta-feira, e abordará temas como linguagem e envelhecimento, o uso da voz na dramaturgia e empregabilidade na Saúde Coletiva, além de trazer mais informações sobre diversas possibilidades no direcionamento da carreira.

As inscrições estão abertas até o dia 4 de setembro, sexta-feira, e o evento será realizado no Auditório Dr. Christiano Altenfelder, 4º andar do Novo Prédio da Faculdade, na Rua Dr. Cesário Motta Jr., 112, Vila Buarque, São Paulo (SP).

Conheça a programação completa da 13ª Jornada de Fonoaudiologia e realize a sua inscrição.