Fonoaudiologia da FCMSCSP completa 15 anos

15-anos-fonoaudiologia-faculdade-santa-casaO curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo iniciou sua primeira turma em 2002, sob a direção da Prof.ª Dra. Katia de Almeida, com o objetivo de formar profissionais capazes de atuar na prevenção, avaliação e diagnóstico, habilitação e reabilitação dos indivíduos portadores de distúrbios da comunicação humana. Nestes 15 anos de existência, o curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP já formou 226 fonoaudiólogos, dos quais cerca de 90% se mantêm atuantes no mercado de trabalho, com boa inserção em diferentes áreas da especialidade.

Segundo a Prof.ª Dra. Ana Luiza Navas, diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP desde 2008, um dos pontos fortes do curso está no corpo docente, composto por profissionais com experiência e destaque nacional nos diversos campos de atuação na Fonoaudiologia. “Dentre os docentes do curso, existem editores de periódicos científicos da área, participantes em conselhos editoriais de periódicos, diretorias e conselhos de sociedades científicas, bancas, comissões de avaliação e premiação de mérito científico”, afirma.

“O nosso curso foi o primeiro do Brasil a contratar uma professora surda para ministrar a disciplina de Libras que passou a ser uma exigência para diversos cursos de graduação. Desde 2006, a Prof.ª Sylvia Lia integra o quadro de docentes da FCMSCSP, agora ministrando também aulas para a Enfermagem e a Medicina”, acrescenta a Prof.ª Katia de Almeida, vice-diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP.

Os projetos de extensão também têm sido uma característica marcante do curso ao longo desses 15 anos. A participação dos alunos nas ações de extensão se intensifica a cada ano, com o desenvolvimento de atividades por meio de parcerias e ações conjuntas com instituições governamentais e organizações do terceiro setor. “Nos últimos anos, pudemos contar com a colaboração dos alunos em ações como o Encontro de Atenção à síndrome de Down, Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, Feira da Saúde, Dia Mundial da Voz, Virada Educação, Caminhada do Silêncio pelo Dia Nacional do Surdo, Saúde em Libras para o Surdo (SALIS) e Programa Expedições Científicas e Assistenciais (PECA). Esse envolvimento em ações de extensão promove a formação de profissionais fortemente engajados nas causas sociais relacionadas à saúde da comunicação humana”, conta a Dra. Ana Luiza Navas.

Além do envolvimento do ensino da graduação, os docentes do curso ministram aulas em programas de pós-graduação lato sensu e stricto sensu, como é o caso do Programa de Mestrado Profissional em Saúde da Comunicação Humana da FCMSCSP, que tem como objetivo principal preparar fonoaudiólogos e outros profissionais da saúde ou da educação, interessados nos processos e distúrbios da comunicação humana, para a utilização da investigação científica como recurso para o aprimoramento do trabalho. “A implantação do programa justificou-se pela tradição e características assistenciais da instituição, além da ampla inserção no Sistema Único de Saúde com ambientes favoráveis para formação, capacitação e pesquisa na área. O desenvolvimento de pesquisas pode ser constatado pela alta taxa de auxílios à pesquisa com recursos financeiros de agências de fomento (Fapesp, CNPq), bolsas de iniciação cientifica e participação de nossos docentes e alunos em eventos científicos nacionais e internacionais da área e correlatos”, conta a Prof.ª Dra. Katia de Almeida, que também é coordenadora do Mestrado Profissional.

Em comemoração aos 15 anos do curso, foi criada uma agenda com ações especiais, além de um selo comemorativo, que representa a consolidação da fase inicial de construção do curso e celebra a maturidade da formação de ensino, pesquisa e extensão de qualidade e responsabilidade social. “Fica evidente a intrínseca relação do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP com a assistência promovida nos diversos setores e departamentos da ISCMSP. Para comemorar a data, preparamos eventos especiais e esperamos contar com a presença de parceiros e colaboradores, e, sobretudo, de nossos ex-alunos, com quem sempre mantemos contato”, finaliza a Dra. Ana Luiza Navas.

Fonoaudiologia-15-anos-faculdade-santa-casa

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 107, em 28/3/2017. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

FCMSCSP: tradição, corpo docente e qualidade que fazem a diferença

Érica-de-Cássia-Ferraz

Érica de Cássia Ferraz

Graduada, no ano de 2005, em Fonoaudiologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Érica de Cássia Ferraz, especializada em Linguagem e Mestra em Saúde da Comunicação Humana, ambas pela FCMSCSP, a egressa é responsável pela revista Audiology – Communication Research (ACR), da Academia Brasileira de Audiologia (ABA) e acaba de ser agraciada com o 2º lugar no prêmio da Associação Brasileira de Editores Científicos. Em entrevista ao Conectar, a fonoaudióloga fala sobre a conquista e sobre os tempos como aluna da FCMSCSP.

Conectar: Pode nos contar um pouco da sua experiência como aluna da FCMSCSP?
Érica: Tínhamos aulas de manhã e, a partir do 3º ano, alguns estágios à tarde. Fomos as primeiras a utilizar a clínica de Fonoaudiologia. A Faculdade me proporcionou não só aprendizado técnico, mas me ensinou a lidar com pessoas, expectativas e incertezas. Mais do que isso, me ensinou a valorizar aquilo que tenho. Tive o privilégio de ser aluna da primeira turma, de ter aulas com ótimos professores e de conhecer pessoas incríveis. Fiz grandes amizades, que espero conservar para sempre. A Santa Casa sempre fez eu me sentir “em casa”.

Conectar: Por que optou por Fonoaudiologia?
Érica: Nunca tive dúvidas sobre que profissão eu gostaria de seguir. Pesquisei bastante sobre a prática profissional antes do vestibular. A Fonoaudiologia sempre me encantou por ser uma profissão da área da saúde que possibilita atuar em diversas áreas (linguagem, voz, audiologia…), desde a prevenção, passando pelo aperfeiçoamento da comunicação e pela melhoria da qualidade de vida das pessoas, até a reabilitação de alguns distúrbios. Desde o início, sempre tive uma tendência muito forte a trabalhar com leitura e escrita.

Conectar: Quando, como e por que decidiu que faria na FCMSCSP?
Érica: Na época, o curso estava começando e ainda não tinha o reconhecimento e respeito que tem hoje. Entretanto, a instituição já tinha enorme tradição. O fato de ter um corpo docente experiente e conceituado e a possibilidade de aprender em um hospital de referência foram aspectos decisivos para a minha escolha. Tive certeza de que eu teria uma formação de qualidade.

Conectar: De que maneira o curso contribuiu para o seu crescimento profissional?
Érica: Tive aulas com professores experientes, qualificados e muito bem sucedidos na profissão. A maioria deles, além da atividade acadêmica, também exerce atividade clínica. Isso sempre trouxe muita riqueza para as discussões. Tivemos acesso a conteúdos atualizados e fomos incentivadas a participar de atividades sociais, assistenciais, culturais e acadêmicas. Esse conjunto todo contribuiu para o meu amadurecimento profissional.

Conectar: Hoje em dia qual a sua relação com a FCMSCSP?
Érica: A Faculdade é um porto seguro. Um local em que me sinto acolhida e sei que posso contar sempre. Quando posso faço uma visita para rever as pessoas. Gosto de ver o entusiasmo dos alunos e as melhorias das instalações e da infraestrutura. Estou sempre atenta aos cursos e eventos que acontecem para poder voltar e participar. Sinto como se eu nunca fosse me desligar totalmente da Faculdade, mesmo se passar algum tempo afastada.
 
Conectar: Quais dicas você daria para quem deseja cursar Fonoaudiologia?
Érica: Ter uma boa formação é essencial em qualquer profissão. Investir em um curso reconhecido e de qualidade é o primeiro passo. Para ser Fonoaudiólogo não basta gostar de lidar com pessoas, de diversas idades e com diferentes queixas de comunicação. É importante lembrar que, muitas vezes, atuamos de forma interdisciplinar, em parceria com outras áreas. As dificuldades e desafios existem em todas as profissões, mas trabalhar com aquilo que nos identificamos faz a diferença para buscar soluções para os problemas e seguir em frente.

Conectar: Você acabou de receber o 2º lugar no Prêmio da Associação Brasileira de Editores Científicos. Como foi a sua participação e como foi receber o prêmio?
Érica: A Associação Brasileira de Editores Científicos é a instituição de referência em relação à editoração científica no Brasil. Fornece informações atualizadas e tendências internacionais na área de publicação científica. Promove anualmente um prêmio para incentivar aqueles que se dedicam à área editorial. Os candidatos precisam apresentar suas ações de destaque que contribuíram para a melhoria de seus periódicos. Foi muito gratificante esse segundo lugar, pois é uma forma de reconhecimento de muito trabalho e dedicação. Fiquei extremamente feliz por essa conquista e agradecida a todos que colaboraram para que eu pudesse alcançá-la.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 78, em 24/11/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Fonoaudiologia: ​qual ​área a seguir dentro da ​ carreira?

Dra. Ana Luiza Navas, diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade Santa Casa de São Paulo

Dra. Ana Luiza Navas, diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade Santa Casa de São Paulo

Para esclarecer os pontos mais comuns sobre a carreira de Fonoaudiologia, confira esta entrevista com a Dra. Ana Luiza Navas, diretora do ​curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.​

Conectar: Quais são as áreas de especialização em Fonoaudiologia?
Dra. Ana Luiza: As áreas reconhecidas pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia são Voz, Linguagem, Audição, Saúde Coletiva, Motricidade Orofacial – tudo que tem a ver com a parte motora da fala; Disfagia, Fonoaudiologia Educacional, Fonoaudiologia do Trabalho, Gerontologia, Neuropsicologia e Fonoaudiologia Neurofuncional.

Conectar: Como ​podemos definir o mercado ​d​e trabalho para um ​fonoaudiólogo?
Dra. Ana Luiza: O mercado de trabalho da Fonoaudiologia é muito amplo, porque as áreas são muito diversas. Temos grande contingente trabalhando na área da saúde, no serviço público ou em clínicas particulares​,  mas existe o fonoaudiólogo que trabalha  ​no ambiente corporativo  ou  ​no setor educacional, dando consultoria tanto em escolas públicas ​quanto  nas p​articulares.

Conectar:
Quanto à área educacional, ​esse trabalho  ​seria aquele desenvolvido com crianças?
Dra. Ana Luiza: Existe sempre a imagem que o ​fonoaudiólogo só trabalha com crianças que possuem alguma dificuldade, porém ess​e profissional já vem trabalhan​do​, ​por exemplo, ​na área de Educação, na formação e capacitação de professores para o desenvolvimento de audição, linguagem e fala. ​Nesse caso, o  fonoaudiólogo atende professores prestando assessoria para o aprimoramento da comunicação expressão des​se​s​  profissiona​is, bem como pode fazer parte da equipe educacional visando a melhoria do processo de aprendizagem das crianças.

Conectar: E com as crianças, como é a atuação?
Dra. Ana Luiza: Os profissionais da ​Fonoaudiologia podem prestar orientações para o desenvolvimento de todos os alunos, e não somente ​àqueles que possuem alguma dificuldade. Eles atuam no ensino regular, com ​estudantes que não têm nenhuma dificuldade de alfabetização, para melhorar a habilidade de comunicação dessas crianças. Mas há também na Educação Especial, área inclusão, profissionais que auxiliam no processo de aprendizagem e comunicação de crianças com transtornos como a síndrome de Down, dislexia, déficit de atenção, ou com deficiências como a auditiva, prestando orientações e acompanhamentos específicos.

Conectar: Quais outros setores ​em que  o fonoaudiólogo pode atuar?
Dra. Ana Luiza: O ​fonoaudiólogo pode trabalhar com empresários, para melhorar a expressividade e comunicação oral; em veículos de comunicação com jornalistas, radialistas; e com outras várias instituições e pessoas que precisam fazer o aprimoramento da comunicação, não somente com cantor e ator, mas, por exemplo, com pessoas que precisam dar entrevistas frequentemente: técnicos de futebol, políticos e outros.

Conectar: Ao se formar,o fonoaudiólogo precisa de um registro para trabalhar?
Dra. Ana Luiza: Sim. Quando o aluno se forma, após a colação de grau, ele precisa solicitar um registro profissional no Conselho Regional de Fonoaudiologia de sua região; no caso de São Paulo, ​trata-se da 2ª Região.

Conectar: E quanto aos egressos que optem por seguir diretamente para o mercado de trabalho?
Dra. Ana Luiza: A grande maioria dos alunos que se formam tem plena condição de ingressar diretamente no mercado de trabalho sem precisar fazer especialização. E há empresas que ​já os ​contratam​ ao término do curso, pois ​reconhecem a ​formação​ de qualidade oferecida pela​ Faculdade ​Santa Casa​ de São Paulo. Há algumas áreas ​em ​que a especialização ou aprimoramento são necessárias e recomendadas, principalmente ​quando ​os egressos ​irão prestar concurso público que tem essa exigência em seu edital.

Conectar: Há um número grande de fonoaudiólogos que seguem para a área acadêmica?
Dra. Ana Luiza: ​Muitos d​os alunos ​da FCMSCSP ​têm procurado complementar sua formação em programas de pós-graduação, como mestrado e doutorado, tanto ​aqui ​quanto em outras instituições​. ​A Faculdade ​de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo ​oferece o Mestrado ​Profissional em Saúde da​ Comunicação Humana, dedicado principalmente ao ex-aluno que já teve uma experiência de mercado de trabalho e sentiu a necessidade de melhorar a sua prática profissional, fundamentar​-se​ melhor em termos científicos, desenvolver estratégias terapêuticas, manuais e guias de orientação.

Conectar: Para finalizar, como a FCMSCSP auxilia os alunos no término da Graduação?

Dra. Ana Luiza: A formação teórica e, principalmente, a prática deste ensino, bem como a carga horária e diversidade dos estágios supervisionados, que envolvem tanto a Clínica Escola de Fonoaudiologia, vários setores do hospital ​da ​ISCMSP, as Unidades Básicas de Saúde (UBS), Creches e Escolas faz com que os alunos saiam ​muito bem​ preparados. Além disso, ao longo do 4º ano, há uma tutoria, na qual professores orientam os alunos em encontros mensais sobre o que é pós-graduação, especialização, aprimoramento, gestão entre outros temas para que eles estejam ainda mais preparados para planejar suas carreiras.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 77, em 4/11/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Diretora do curso de Fonoaudiologia da FCMSCSP recebe homenagem

Ana Luiza Navas - Homenagem

Dra. Ana Luiza Navas

Entre os dias 14 e 16 de outubro, aconteceu o 23º Congresso Brasileiro e 9º Congresso Internacional de Fonoaudiologia, em Salvador (BA). Na ocasião, que reuniu mais de 900 fonoaudiólogos e estudantes do Brasil e de países como Chile, Argentina e Espanha, a Dra. Ana Luiza Navas, diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo recebeu uma homenagem.

“Recebi, no ano passado, o prêmio como destaque do Departamento de Linguagem, uma das áreas da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia (SBFa). E, neste ano, os anfiteatros e salas do Congresso receberam os nomes de quem foi escolhido como destaque. Para mim, foi uma emoção muito grande. Quando me pediram para enviar uma foto imaginei, mas quando vi o totem e as pessoas fazendo fotos ao lado da minha foto foi muito emocionante. É a primeira vez que recebo uma homenagem deste tipo. E a SBFa é a maior associação científica que congrega os fonoaudiólogos do Brasil”, explica a Dra. Ana Luiza.

A dirDra-Ana-Luiza---prof---alunosetora do curso de Fonoaudiologia da FCMSCSP ainda contou com uma plateia especial composta por alunos do 2º, 3º e 4º anos e professores, ambos do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP. “Tínhamos um grupo de cerca de 30 alunos participando e, durante a cerimônia de abertura, eles estavam todos lá me aplaudindo de pé. Isso sem contar as professoras: Adriana Rahal Rebouças de Carvalho, Katia de Almeida, Marina Padovani, Marta A. de Andrada e Silva e Noemi Takiuchi que ministraram palestras”, detalha.

Na cerimônia de abertura do evento, os homenageados receberam uma chave simbólica e, durante os quatro dias de Congresso, em frente de cada sala, havia um totem com uma foto e um minicurrículo da Dra. Ana Luiza. “Ali constava Professora Adjunto da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Acho que para nós, professores, é gratificante, pois os alunos têm orgulho de falar ‘é minha professora’ e isso foi muito gostoso. É ótimo recebermos o reconhecimento, mas é mais importante ainda para os nossos alunos saberem que o que fazemos é reconhecido”, finaliza.

A Dra Ana Luiza participou da mesa “Fonoaudiologia Educacional, Linguagem e Saúde Coletiva – limites e atribuições”, para tratar da importância da estimulação da linguagem em crianças. Além disso, como Editora Chefe da Revista CoDAS, participou em mesas temáticas relacionadas à publicação científica e de discussão sobre os Periódicos em Fonoaudiologia.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 76, em 21/10/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Fonoaudiologia FCMSCSP: optar pela instituição certa faz toda a diferença

Andrea-Caruso-Leone

Andrea Caruso Leone

Formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, em 2005, Andrea Caruso Leone é especializada em Audiologia Clínica pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e atualmente faz extensão no departamento de Otorrinolaringologia, “centrinho”, da Santa Casa na área de implante coclear. No comando de sua própria clínica, a Fono Alpha, a egressa conta ao Boletim Conectar como se apaixonou pela área de Fonoaudiologia e descreve os motivos que a levaram optar pela FCMSCSP. Confira!

Conectar – Por que optou por Fonoaudiologia? 
Andrea – Sou comunicativa e ao mesmo tempo sempre quis trabalhar na área da saúde. A ideia de poder oferecer melhor qualidade de vida às pessoas sempre me encantou. Vi no curso de Fonoaudiologia a oportunidade de unir uma característica forte da minha personalidade, a comunicação, com a vontade de ajudar as pessoas com alguma dificuldade.

Conectar – E quando decidiu que faria o curso na FCMSCSP? Quais critérios lhe ajudaram na escolha?
Andrea – Sou nascida e criada no interior e queria fazer o melhor curso de Fonoaudiologia. Para isso pesquisei onde teriam os melhores e vim para São Paulo prestar vestibulares. Passei em outras instituições renomadas, mas quando fui chamada na Faculdade Santa Casa de São Paulo e me deparei com um hospital que ajuda milhões de pessoas, não tive dúvidas que ali poderia realizar meu sonho. A arquitetura daquela construção, sua imponência e, ao mesmo tempo, sua simplicidade me passaram uma energia que me fez ter a certeza de que ali era meu lugar. Mesmo sendo o primeiro ano do curso, não tive dúvidas que toda aquela estrutura faria da Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo um dos melhores cursos do mercado.

Conectar – Pode nos contar um pouco da sua experiência como aluna da FCMSCSP?
Viver de perto a rotina de um grande hospital supervisionada pelos melhores professores nos fez aprender muito. Não somente sobre a fonoaudiologia, mas a lidar com a dura realidade da saúde brasileira. O horário de aula compacto, das 7h às 13h, tem uma carga suficiente para oferecer conteúdo de qualidade e excelência, e ao mesmo tempo por ter a tarde livre, permite que os alunos invistam em grupos de estudos, estágios, dá a possibilidade de dedicarmo-nos às pesquisas e até mesmo para quem precisasse complementar a renda, poderia trabalhar.

Conectar – De que maneira o curso contribuiu para o seu crescimento profissional?
Andrea- Aprender com os melhores professores da área fez toda a diferença. Ali não aprendemos apenas sobre Fonoaudiologia; aprendemos a ser humanos. Não trabalhamos com a doença e sim com o indivíduo como ser único, que precisa de nós, profissionais, por inteiro. Ter, durante o aprendizado, um hospital desse porte e uma clínica à nossa disposição nos deu oportunidade de viver experiências até então vistas apenas em livros.

Conectar – Existem desafios na carreira que enfrenta e consegue aplicar na prática o que foi aprendido na Faculdade?
Andrea – Acredito que o grande desafio de todos, hoje em dia, é o ser humano. As cobranças e a correria do dia a dia, a agenda lotada, a insana luta em conciliar o trabalho com a família, por vezes nos faz escorregar na profissão. E quando essa rotina quer se instalar na nossa clínica, me lembro do que aprendi na e com a Santa Casa e, logo, relembro a equipe. A convivência com a realidade brasileira que é atendida na Instituição, nos faz lembrar que um simples sorriso ao receber o paciente faz a grande diferença. Cada um tem seu tempo e sua necessidade, olhar o paciente como um todo e dar sua devida atenção e importância, como se aquele fosse seu único, primeiro e último paciente é o diferencial no sucesso do tratamento.

Conectar – Hoje, qual a sua relação com a Faculdade?
Andrea – Vejo a Faculdade como uma grande “mãe”, que me acolheu, cuidou e orientou, tornando-me uma pessoa mais forte e preparada para enfrentar novos desafios.  Na época em que cursava a Faculdade Santa Casa de São Paulo, tive um problema muito sério de saúde e não tive dúvidas em fazer meu tratamento no próprio hospital Santa Casa. Precisei, por duas vezes, ficar internada por um longo período onde os professores e amigos me deram um apoio inexplicável, que fez toda a diferença no meu tratamento e cura. Hoje, ao lembrar daquela fase, me emociono,  pois ali conheci o melhor de cada um, vi a competência dos profissionais envolvidos. Fiz amigos que levo e levarei por toda a vida. Sou imensamente grata por poder viver a Santa Casa.

Conectar – Quais dicas dá para quem deseja cursar Fonoaudiologia?

Andrea- É uma área apaixonante. Invista nos estudos e escolha a instituição certa, pois isso faz toda a diferença. Mas a principal dica para qualquer um que estiver em busca de uma carreira, é escolher algo que te dê prazer. Trabalhar com amor traz, além da recompensa pessoal, o sucesso profissional e o retorno financeiro desejado.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 75, em 6/10/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Evento organizado pelo curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP integra professores e alunos

jornada-de-fono

Professoras do curso de Graduação em Fonoaudiologia

Entre os dias 9 e 11 de setembro de 2015, foi realizada a 13ª Jornada Acadêmica do Curso de Fonoaudiologia e o 2º Encontro do Mestrado Profissional de Saúde da Comunicação Humana da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

O evento, organizado em torno de palestras, oficinas e mesas-redondas, tratou de temas relacionados à linguagem e envelhecimento; o uso da voz na dramaturgia; a atuação fonoaudiológica na neonatologia; a Fonoaudiologia nos processos cicatriciais; empregabilidade na Saúde Coletiva, entre outras abordagens. “A cada jornada tentamos nos aproximar mais dos alunos para escolhermos temas que sejam atuais e que mostrem em perspectiva as áreas de atuação da Fonoaudiologia. Acredito que, nesta jornada, cumprimos mais uma vez o nosso papel, começando pela palestra com a Dra. Kátia de Almeida, vice-diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia e coordenadora do Mestrado Profissional em Saúde da Comunicação Humana da FCMSCSP, que apresentou um panorama da carreira no Brasil e no mundo”, ressalta a Dra. Alessandra Spada Durante, professora do curso de Graduação em Fonoaudiologia e uma das coordenadoras do evento.

Nesta edição, oficinas foram ministradas por especialistas sob a coordenação de professores do curso de Fonoaudiologia da FCMSCSP. Para a Dra. Alessandra, elas merecem destaque, pois receberam um grande número de participantes. “O que possibilitou até que a organização cogite, para o ano seguinte, acrescentar mais oficinas até o último dia do evento. Ressalto que a programação científica como um todo foi um ponto alto. A palestra do Dr. Adrián Fuente, da Universidad de Chile, por meio de uma videoconferência, merece destaque também“, completa.

De acordo com a Dra. Alessandra, os professores da FCMSCSP já estão se preparando para a próxima Jornada. “Teremos uma reunião de fechamento e na sequência nos encontraremos com a comissão de alunos de graduação e pós-graduação para começarmos a pensar em novos assuntos para serem abordados e discutidos. Esta é a primeira possibilidade de percepção do que é um congresso para os futuros fonoaudiólogos, além de ser uma oportunidade para o aluno se aproximar do que há de mais atual e compreender as temáticas discutidas nas apresentações de palestrantes de renomadas instituições”, finaliza a professora.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 74, em 22/9/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Caminhada do Silêncio chega a 4ª edição

Prof.ª-Dra.-Cilmara-Levy

Prof.ª Dra. Cilmara Levy

Em comemoração ao Dia Nacional do Surdo, celebrado em 26 de setembro, a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo realiza a Caminhada do Silêncio 2015, no dia 27 de setembro, domingo, no Parque Villa-Lobos. Com o apoio da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, o evento destaca o estigma da incomunicabilidade, o respeito e o aumento da inserção do surdo na sociedade.  “Lutamos para que acabe o preconceito social contra o surdo, que faz com que ele não queira usar aparelho ou sinta-se constrangido de trocar a pilha do aparelho em público, ou ainda que algumas mães sintam-se despreparadas com a chegada de um filho surdo, achando que ele jamais será independente”, explica a Prof.ª Dra. Cilmara Levy, do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP e coordenadora da Caminhada do Silêncio.

Com início às 8h30, no portão principal do Parque Villa-Lobos, a caminhada de 3km terá largada às 9h00. Destinado às pessoas com deficiência auditiva, familiares, amigos, profissionais da área da saúde e todos que desejam participar, o evento contará com a  superstar Duda, boneca adaptada com “ouvido biônico”, que capta o volume dos tocadores de música e faz a medição dos decibéis. O objetivo é realizar uma campanha para alertar as pessoas sobre os prejuízos causados à audição quando se ouve música, por meio de fones de ouvidos, com o volume exageradamente elevado. “Independentemente da forma de comunicação, oral ou por língua de sinais, este evento quer ouvir os gritos, silenciosos ou não, de surdos, familiares, amigos e profissionais de saúde”, conclui a professora.

Serviço:
4ª Caminhada do Silêncio
Onde: Parque Villa-Lobos (Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 2.001)
Quando: 27 de setembro de 2015, domingo, a partir das 8h30
Informações: cilmaralevy@uol.com.br
Facebook/caminhada do silencio

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 74, em 22/9/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.