Ainda dá tempo: estude Radiologia na FCMSCSP!

X-ray resultsA Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo recebe, até o dia 6/2, segunda-feira, as inscrições no Vestibular 2017 – 1º Semestre (Vagas Remanescentes) para o curso de Graduação em Tecnologia em Radiologia.

Com 3 anos de duração e oferecido no período noturno, o programa tem como objetivo promover a experiência prática na produção de imagens hospitalares. Depois de formado, o profissional poderá atuar em todas as áreas da radiologia, que abrange a radiologia convencional e contrastada, mamografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética e medicina nuclear, e radioterapia. O que o aluno aprende no curso também poderá ser aplicado no setor veterinário e no segmento industrial, já que muitas organizações utilizam aparelhos de raios-X, ultrassom e ressonância magnética para a avaliação de seus produtos.

Para quem pensa em seguir carreira na área de Radiologia, o mercado de trabalho da Radiologia é bastante amplo porque as áreas são muito diversas. Confira nesta entrevista com a Diretoria dos cursos de Graduação Tecnológica da FCMSCSP, quais áreas você pode seguir carreira em Radiologia.

O Processo Seletivo está disponível na modalidade Prova Tradicional Agendada, sendo possível ainda o ingresso via Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Acesse a página do curso de Graduação Tecnológica em Radiologia da FCMSCSP e participe deste processo!

Tempo seco: os cuidados com a saúde das crianças

Doenças RespiratóriasCom a chegada do inverno e a falta de chuvas, a umidade relativa do ar pode cair ainda mais, o que requer atenção com a saúde da família em locais onde o tempo está muito seco. São muitas as consequências por esse fato: ardência e ressecamento dos olhos, boca e nariz e, principalmente, doenças respiratórias. Confira mais detalhes na reportagem da Revista Crescer, com a participação de Cid Pinheiro, professor assistente do Departamento de Pediatria e Puericultura da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo: clique aqui.

Livros “Ensino de Graduação em Saúde” e “Saúde e História de Migrantes e Imigrantes”: lançamentos no dia 10/6

No próximo dia 10/6/2014, terça-feira, às 10h30, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo promove o lançamento dos livros “Ensino de Graduação em Saúde: ingresso e inserção profissional” e “Saúde e História de Migrantes e Imigrantes”. Confira o convite e prestigie os autores!

Ensino na Graduação em Saúde - FCMSCSP

HPV: papilomavírus humano

Dra. Luisa Lina VillaA Dra. Luisa Lina Villa, professora adjunta da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e coordenadora do Instituto do HPV, participou, em 30/5, do programa Câmara em Pauta, exibido pela TV Câmara Guarulhos, que abordou o tema HPV e a eficácia da vacina contra o papilomavírus. Também estiveram presentes para o debate o Dr. Ricardo Palacios, gerente de pesquisa clínica do Instituto Butantan,  e a Dra. Heloisa Helena, médica e diretora da região do Centro de Saúde de Guarulhos.

Esclerose múltipla: o uso do fingolimode

Dr. Charles Peter Tilbery - FCMSCSPA esclerose múltipla, uma doença de diagnóstico difícil e com sintomas como esquecimento e perda momentânea de coordenação motora, costuma atingir, usualmente, mulheres entre 20 e 40 anos de idade. No Brasil, entidades que defendem os pacientes com a doença esperam a incorporação de uma medicação administrada oralmente, conhecida como fingolimode, no rol do Sistema Único de Saúde (SUS).

Saiba mais a respeito deste tema em reportagem publicada no Portal Info, em 28/5, com a participação do Dr. Charles Peter Tilbery, professor titular da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Clique aqui para conferir.

Persistência, dedicação e respeito pela equipe multidisciplinar são pilares que sustentam o sucesso profissional

Aline Reche Franco - Faculdade Santa Casa de SPGraduada em Enfermagem pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa da São Paulo, Aline Reche Franco é chefe de Enfermagem da UTI do Hospital Santa Isabel (Veridiana). A ex-Santa é pós-graduada em Terapia Intensiva e atualmente está concluindo MBA em Gestão de Pessoas pela Fundação Getúlio Vargas. Na entrevista abaixo, ela conta como chegou ao seu atual cargo e revela os motivos pelos quais recomendaria a FCMSCSP aos futuros enfermeiros.

Conectar – Como foi o processo para alcançar o seu cargo atual?
Aline – Durante a graduação, eu já atuava como instrumentadora cirúrgica em outra instituição de saúde. Assim, logo depois de formada, ingressei no departamento de UTI Adulto da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, onde atuei como enfermeira assistencial. Após um período, me tornei enfermeira de Educação Continuada da UTI. Depois comecei a atuar como chefe de Enfermagem das UTIs da Santa Casa e do Hospital Santa Isabel. Atualmente estou somente no Santa Isabel.

Conectar – Quais desafios você enfrenta em seu atual cargo?
Aline – O maior desafio é a gestão de pessoas, desde a capacitação até a manutenção da qualidade da assistência. É necessário manter os colaboradores engajados no processo do cuidado com o paciente, envolvendo-os como seres ativos e não passivos.

Conectar – O que você pode destacar da sua formação na FCMSCSP?
Aline – Eu posso dizer que o grande diferencial da FCMSCSP é o lado assistencial. Muitas faculdades não se importam com isso e apresentam um campo de estágio restrito. Nós atuamos na Santa Casa desde o segundo semestre, aplicando essa assistência ao paciente. Isso trouxe muita qualidade ao meu atendimento. Além disso, há a postura e a tradição da Faculdade, cultura que também é cobrada dos alunos, como o respeito pelo ser humano. Eu utilizo esses fatores no meu cotidiano com os pacientes e os colaboradores.

Conectar – Além da graduação, você desenvolvia alguma outra atividade na FCMSCSP?
Aline – Somada à graduação, a partir do segundo ano, eu realizava trabalhos multidisciplinares, em que havia contato com alunos de outros cursos. Nesse período, eu e mais quatro alunos da Medicina fundamos o “Santa Maluquice”, projeto que tem como objetivo promover ações que tornem mais humanizado o período em que as crianças permanecem internadas no complexo hospitalar da Santa Casa.

Conectar – Por que você recomendaria a FCMSCSP para pessoas que desejam cursar Enfermagem?
Aline – Pela qualidade do ensino e pelo corpo docente conceituado no mercado. A Instituição conta com excelentes professores. Além disso, existe o hospital-escola que traz essa proximidade com os pacientes e desenvolve no aluno maturidade no processo de aprendizagem.

Conectar – Quais dicas você pode dar para aqueles alunos que almejam uma colocação como a sua no mercado de trabalho?
Aline – Persistência, dedicação e respeito pela equipe multidisciplinar são pilares que sustentam o sucesso profissional. Além disso, são poucos os enfermeiros que possuem formação em gestão de pessoas. É importante que os novos profissionais se interessem por esta formação, sejam gestores de verdade e tenham uma equipe de qualidade.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 41, em 20/5/2014. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Conheça o curso de Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

No próximo dia 20 de maio, terça-feira, das 13h às 21h, o Departamento Científico Manoel de Abreu (DCMA) e a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo realizam mais uma edição do Portas Abertas – Medicina, um programa voltado a estudantes e vestibulandos interessados em conhecer mais sobre a carreira médica por meio de palestras e atividades desenvolvidas por uma das mais tradicionais instituições de ensino em Medicina.

Para mais informações, entre em contato pelo tel. 3361-2319.  As inscrições têm o investimento de 25 reais e podem ser feitas pelo site www.dcma.com.br. Acesse e baixe a programação do encontro: clique aqui.

Portas Abertas - Medicina 2014 - Faculdade Santa Casa de SP

Ex-aluna conta sua experiência como chefe de Enfermagem no Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário

Eliane Redondo - Enfermagem FCMSCSPGraduada em 2008, pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Eliane Redondo é chefe de Enfermagem responsável técnica do Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário. A instituição atende pacientes do sistema prisional do Estado de São Paulo, prestando atendimento médico, cirúrgico e internação. Ao Conectar, a ex-aluna do curso de Enfermagem fala sobre a relação dos enfermeiros com os detentos, os desafios enfrentados com esse público e como a FCMSCSP contribui no desenvolvimento da sua gestão.

Conectar  Como era sua rotina quando você estudava na Faculdade?
Eliane – Quando eu iniciei o curso, tinha a certeza do que eu iria fazer, porém não sabia se estava no local correto. Mas durante a graduação, a FCMSCSP me mostrou que é a melhor Instituição de Ensino. Foram quatro anos bastante difíceis, pois eu ia para a aula de manhã, trabalhava na parte da tarde e atendia pacientes particulares durante a noite no home care. Mas tudo valeu a pena! A maior parte dos alunos que se formaram comigo atuam na Santa Casa, são chefes ou profissionais que ocupam posições muito boas no mercado de trabalho. Devemos tudo isso a formação que tivemos na Faculdade.

Conectar – Conte um pouco sobre sua trajetória profissional até chegar ao seu atual cargo.
Eliane – Comecei como auxiliar de Enfermagem na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Depois, fui promovida para trabalhar como enfermeira da Pediatria, cargo que permaneci durante oito meses. Logo, fui convidada para integrar o departamento de Educação Continuada, em que fiquei dois meses, cobrindo o cargo da gestora da área. Em seguida, me tornei chefe das UTIs Pediátricas e Neonatal. Após quatro anos nessa posição, recebi o convite para atuar como chefe de Enfermagem responsável técnica do Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário.

Conectar – Quais são os desafios que você enfrenta no atendimento desse público?
Eliane – Por estarmos em um centro hospitalar tão diferenciado e com um público bastante específico, o maior desafio é colocar em prática tudo o que aprendemos na Faculdade, que inclui cuidar do próximo e ver o outro com humanização. Nesse setor, existem fatores que não são comuns, como o toque, algo tão presente na Enfermagem, mas que aqui, deve ser realizado com cuidado para não criar uma liberdade mal interpretada. Além disso, temos que trabalhar com grades e seguranças, visto que os pacientes não ficam presos e circulam entre nós. Contudo, o mais importante é prestar o atendimento de qualidade que qualquer ser humano merece e tem direito.

Conectar – Quais são as diferenças entre o atendimento prestado pelo enfermeiro aos pacientes comuns e aos detentos?
Eliane – Não é muito diferente. Como em qualquer instituição de saúde, nós temos rotinas estabelecidas, que englobam horários de banho, medicação, anotações, alimentação e Sistematização da Assistência de Enfermagem. Muitas vezes, os pacientes do penitenciário têm mais facilidade em atender as normas do que os pacientes comuns, visto que eles já estão acostumados com a disciplina na penitenciária. Nós temos recebido vários elogios, pois aqui não há discriminação e a assistência prestada pelos profissionais da saúde é segura e de qualidade.

Conectar – Como é a relação dos detentos com os profissionais da saúde?
Eliane – Eles têm muito respeito e admiração por nós, pois não fazemos distinção. Os tratamos como pacientes e não como presos. Nosso trabalho não é julgar o crime que cada um deles cometeu. É nosso dever atender as necessidades básicas e promover o conforto na área da saúde.

Conectar – A Faculdade prioriza a humanização em seus cursos. Como isso influencia na sua atuação?
Eliane – A minha formação influenciou e influencia muito na minha assistência e na minha gestão. Aqui eu tenho quase 250 funcionários e 375 leitos. Somado a isso, sou chefe de um hospital que conta com clinica médica, centro cirúrgico, UTI, ambulatório e uma unidade materna com 80 mulheres e 80 bebês. Toda minha bagagem foi muito importante para o desenvolvimento do meu trabalho. A questão da humanização é importante, não somente com os pacientes, mas também com os colaboradores desta ou de qualquer outra instituição.

Conectar – O que um indivíduo que pretende cursar Enfermagem deve avaliar em seu perfil antes de ingressar na faculdade?
Eliane – Primeiro ele tem de ter certeza do que quer. Todos precisam entender muito bem o que é a Enfermagem e onde está pisando. Assistir algumas aulas e conversar com profissionais da área ajuda muito. Também é importante estar preparado psicologicamente para lidar com vidas e com a morte.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 38, em 8/4/2014. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Alunos da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de SP promovem ambulatório social

EAmbulatório Social - FCMSCSPstudantes da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo realizam neste sábado, dia 5 de abril, o Ambulatório Social, a partir das 10h, no Largo Santa Cecília (Rua Dona Veridiana, 202), em São Paulo (SP). Trata-se de uma ação para atendimento à população, idealizada pelo Projeto de Integração dos Primeiro-Anistas (PIPA) e que integra as atividades de recepção aos calouros à FCMSCSP.

Com a supervisão de médicos e residentes da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, os estudantes irão proporcionar à comunidade um panorama sobre a sua condição de saúde, além de fornecer informações e orientações. As pessoas terão acesso a exames básicos e os primeiro-anistas vivenciarão a oportunidade de exercer na prática ações que são fundamentais ao aprendizado do profissional da área médica. O Ambulatório Social é uma realização da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo,  Centro Acadêmico Manoel de Abreu (CAMA) e IFMSA Brazil.

Aulas suspensas em 10/3 na FCMSCSP por Luto Oficial

Aulas Suspensas em 10/3/2014 - Luto OficialEm respeito ao cumprimento do Luto Oficial decretado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, as aulas estarão suspensas nesta segunda-feira, dia 10 de março, nos cursos de Graduação em Medicina (1º ao 4º ano), Enfermagem (1º ao 8º semestre) e Fonoaudiologia (1º ao 4º ano) e também nos cursos de Pós-Graduação.
Para mais informações,
clique aqui.