Inscrições abertas para cursos de Pós-graduação em Enfermagem

especializacao-enfermagem-faculdade-santa-casaEnfermeiro em busca de uma especialização como forma de se manter atualizado com o mercado e dar novo impulso à carreira? A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo pode te ajudar! Até o dia 17/7, estão abertas as inscrições para 5 diferentes cursos de Pós-graduação na área de Enfermagem. Todas as especializações contam com docentes que possuem ampla experiência e com o trabalho de experientes coordenadores que asseguram a atualização constante dos cursos. Conheça na relação a seguir todos os cursos que já estão recebendo inscrições no Portal FCMSCSP.

Enfermagem Clínica e Cirúrgica
O objetivo do curso de Especialização em Enfermagem Clínica e Cirúrgica é capacitar enfermeiros a prestarem assistência sistematizada integral a pacientes adultos e idosos – com afecções agudas e crônicas – hospitalizados em unidades de internação clínica e cirúrgica. O programa do curso está estruturado para contemplar diversas situações presentes no cotidiano do enfermeiro, com a realização de estágios nas unidades de internação Clínica e Cirúrgica do Hospital Central da Santa Casa de São Paulo. Inscreva-se pelo Portal FCMSCSP

Enfermagem em Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização
O curso de Pós-Graduação em Enfermagem em Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização tem como objetivo capacitar enfermeiros para atuação especializada na área de Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e CME, mediante a aquisição de conhecimentos técnico-científicos específicos. Inscreva-se pelo Portal FCMSCSP.

Enfermagem em Gerontologia e Geriatria
Ao concluir o curso de Pós-Graduação em Enfermagem em Gerontologia e Geriatria, o aluno deverá ter condições para prestar assistência de enfermagem de qualidade, fundamentada em conhecimentos científicos ao idoso em seu processo de envelhecimento biopsicoemocional promovendo qualidade de vida, prestar assistência de enfermagem humanizada ao idoso no processo de saúde e doença nos diferentes níveis de atenção (desde a atenção básica à alta complexidade) e desenvolver o pensamento crítico e a tomada de decisão. Inscreva-se pelo Portal FCMSCSP.

Enfermagem em Saúde Coletiva
O curso de Pós-graduação em Enfermagem em Saúde Coletiva tem como objetivo permitir o desenvolvimento de competências técnicas, políticas e administrativas de enfermeiras (os) para o trabalho na Atenção Primária à Saúde, no Sistema Único de Saúde, contribuindo para o desenvolvimento das práticas de enfermagem em Saúde Coletiva e da saúde como um direito humano no país. Inscreva-se pelo Portal FCMSCSP.

Enfermagem em Urgência e Emergência com Ênfase em Atendimento Pré-Hospitalar
O curso de Pós-Graduação em Enfermagem em Urgência e Emergência com Ênfase em Atendimento Pré-Hospitalar busca promover a especialização de enfermeiros que atuam ou desejam atuar em serviços de urgência e emergência (Pronto Socorro, APH, UPA) promovendo a qualidade da assistência de enfermagem prestada ao paciente critico. Inscreva-se pelo Portal FCMSCSP.

Enfermagem na Assistência ao Adulto em Unidade de Terapia Intensiva
O curso de Pós-Graduação em Enfermagem na Assistência ao Adulto em UTI da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo volta-se à formação do enfermeiro, nas áreas de assistência, gestão, ensino e pesquisa. Como objetivos gerais do programa, o curso de especialização lato sensu permite ao aluno abordagens como planejar, implementar e avaliar a assistência de enfermagem ao paciente crítico, gerenciar o processo de trabalho em Unidade de Terapia Intensiva Adulto, desenvolver projetos de educação permanente voltados à equipe de trabalho, paciente e família em UTI e realizar estudos investigativos em unidade de atenção ao paciente crítico. Inscreva-se pelo Portal FCMSCSP

Enfermagem Obstétrica
O curso de Pós-Graduação em Enfermagem Obstétrica tem por objetivo capacitar enfermeiros para o exercício das funções assistenciais, educativas, de pesquisa e gerenciamento das ações de enfermagem no período gestacional, parto e nascimento e no puerpério. Inscreva-se pelo Portal FCMSCSP.

Enfermagem Pediátrica e UTI Pediátrica
O curso de Especialização em Enfermagem Pediátrica e UTI Pediátrica tem por objetivo prestar assistência de enfermagem de qualidade, fundamentada em conhecimentos científicos e humanizados à criança e ao adolescente em seu processo de crescimento e desenvolvimento global, prestar assistência de enfermagem humanizada à criança e adolescente no processo de saúde e doença nos diferentes níveis de atenção desde a atenção básica à alta complexidade e desenvolver o pensamento crítico e a tomada de decisão no planejamento e prestação de assistência de enfermagem e de ações na promoção da saúde do binômio criança/família. Inscreva-se pelo Portal FCMSCSP.

Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental
Esse programa de especialização lato sensu considera que a reestruturação da atenção psiquiátrica no Brasil requer a capacitação de recursos humanos em saúde mental e exige que a universidade e as instituições formadoras repensem a formação e a qualificação dos profissionais envolvidos na assistência. O programa tem como objetivos principais capacitar enfermeiros para atuação na área de psiquiatria e saúde mental, aprofundando conhecimentos e desenvolvendo habilidades e atitudes pertinentes à especialidade, além de preparar profissionais qualificados para atuarem na assistência à saúde nos níveis preventivo, curativo e de reabilitação, com competências técnicas científicas e ético políticas. Inscreva-se pelo Portal FCMSCSP

Evento da FCMSCSP debate o papel do profissional de saúde em casos de violência contra as mulheres

simbolo-mulherA violência contra a mulher acontece em todas as fases da vida e classes sociais e tem impacto direto na saúde da mulher e da família. Muitas vezes, a violência pode ocasionar o aumento do uso de álcool e drogas, além de problemas na saúde mental dessas mulheres. Mas, quando o profissional da saúde encontra-se em um atendimento de uma mulher vítima de violência, de que forma ele deve agir? Qual é a melhor maneira de auxiliar essas mulheres?

Para discutir esse assunto, o curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo realiza no dia 8/10, sábado, das 9h às 12h, o evento “A invisibilidade da violência contra as mulheres na vida e na cultura e seus impactos”, a fim de estimular a reflexão sobre as desigualdades de gênero na sociedade. “O objetivo é fazer com que os profissionais de saúde, em especial os futuros enfermeiros, não reproduzam essa prática que causa sofrimento, adoecimentos e traumas de diferentes ordens para as mulheres, crianças e familiares que estão próximos. Também é relevante considerar as diferentes manifestações de violência, que vão além da física, sexual, mas que também incluem o assédio, os abusos psicológicos, caracterizados por rejeição, depreciação e desrespeito”, explicam a Dra. Cell Regina da Silva Noca e a Mestra Maria Fernanda Terra, professoras do curso de Graduação em Enfermagem da FCMSCSP e coordenadoras do evento.

De acordo com as professoras, a expectativa é que o evento possa contribuir para a reflexão dos participantes, no reconhecimento da violência como um fenômeno social e um problema também do setor de saúde: “Os profissionais devem visibilizar e dar o acolhimento e apoio necessário, tais como encaminhar para os serviços especializados, de modo a ajudar no enfrentamento da violência na sociedade.”

O encontro é gratuito e destinado a estudantes de todos os cursos, docentes, profissionais da área de Enfermagem e demais interessados no tema. Para realizar a sua inscrição, acesse o site evento “A invisibilidade da violência contra as mulheres na vida e na cultura e seus impactos“.

Serviço
Data e horário: 8/10, sábado, das 9h às 12h00
Local: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo
Auditórios Prof. Dr. Emilio Athié e Prof. Dr. Paulo Augusto Ayrosa Galvão
Rua Dr. Cesário Motta Jr., 112, Vila Buarque, São Paulo (SP).

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 98, em 4/10/2016. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Enfermagem FCMSCSP: ensino de qualidade e desenvolvimento

Natália-Sarracceni-Tedesco

Natália Sarracceni Tedesco

Formada no ano de 2007, no curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Natália Sarracceni Tedesco é pós-graduada em Enfermagem na Assistência ao Adulto em Unidade de Terapia Intensiva, pela FCMSCSP, e em Enfermagem do Trabalho pela Faculdade São Luís de Jaboticabal. Natália já fez parte da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Estadual Vila Alpina, da UTI do Hospital Central da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, da UTI do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo e da UTI do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia. “No ano de 2012, recebi o convite para ocupar o cargo de enfermeira da Educação Continuada no Hospital Santa Isabel, administrado pela ISCMSP”, completa a enfermeira que também ocupa o cargo de analista de desenvolvimento humano, da área de Educação Corporativa do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, e ministra aulas para cursos de pós-graduação lato sensu na Universidade de Guarulhos. Confira mais informações sobre os tempos em que a egressa era aluna da FCMSCSP.

Conectar – Por que optou por Enfermagem? 
Natália – Após o término do ensino médio, eu sabia muito bem quais cursos não realizar. Nunca tive afinidade com números e fórmulas; a área de exatas estava fora de cogitação! Mas não fazia ideia de qual curso seguir. A escolha pela faculdade de enfermagem sofreu a influência direta da minha mãe, que sempre dizia que caso não tivesse cursado a faculdade de psicologia, teria optado pela enfermagem. Assim, apenas após iniciar o curso é que tive a certeza de que a enfermagem seria a minha área de atuação profissional.

Conectar – E quando decidiu que faria o curso na FCMSCSP? Quais critérios lhe ajudaram na escolha?
Natália – Quando prestei o vestibular da Fuvest era possível escolher a primeira e a segunda opção de faculdade. Pelo fato de ser particular, a FCMSCSP era a minha segunda opção. Após saber o resultado do vestibular, ainda antes da matrícula, pesquisei melhor sobre a FCMSCSP e observei que se tratava de uma faculdade conceituada na área médica, reconhecida como o primeiro local do estado de São Paulo a formar médicos e cirurgiões, sendo o berço dos cursos de medicina da Universidade de São Paulo e da Universidade Federal de São Paulo. Com tamanha expertise e tradição na formação médica, iniciei o curso de Graduação em Enfermagem com a certeza de ter feito a escolha pela faculdade certa.

Conectar – Pode nos contar um pouco da sua experiência como aluna da FCMSCSP?
Natália – 
Bastou o início das aulas para que eu tivesse a certeza de que havia realizado a escolha certa, pois a FCMSCSP conciliava a tradição de uma instituição reconhecida nacionalmente pelo ensino de qualidade e o desenvolvimento de pesquisas, somado à filantropia e à realização de projetos sociais, caracteríscos das Santas Casas. Como aluna, procurei participar de todas as oportunidades de ensino que a Faculdade poderia me proporcionar; assim, fui monitora de algumas disciplinas, como Pediatria e Antropologia Filosófica. Dessa forma, eu cursava a graduação no período matutino e ocupava as minhas tardes estudando na biblioteca ou desenvolvendo as atividades de monitoria.

Conectar – De que maneira o curso contribuiu para o seu crescimento profissional?
Natália – Antes da faculdade, eu nunca havia entrado em um hospital. Tudo que aprendi na FCMSCSP e nos corredores e unidades da Santa Casa constituíram o alicerce de minha formação acadêmica e trajetória profissional bem-sucedida. Além da qualidade do ensino e da notoriedade no desenvolvimento de pesquisas científicas, o caráter ético, humanitário e social, impressos na formação dos profissionais formados pela FCMSCSP, constituem um diferencial no mercado de trabalho.

Conectar – Existem desafios que você enfrenta na carreira e que consegue aplicar na prática o que foi aprendido na Faculdade?
Natália – A formação ética que desenvolvi durante os anos de graduação na FCMSCSP, sem dúvida me auxiliou no manejo de desafios importantes frequentemente presenciados na prática assistencial.
 
Conectar – Hoje em dia qual a sua relação com a Faculdade?
Natália – Pelo vínculo que criei com alguns professores e também por atuar na área da educação, esporadicamente, sou convidada para ministrar aulas na disciplina não obrigatória de pacientes críticos do curso de Graduação em Enfermagem.

Conectar – Que dicas você dá para quem deseja cursar Enfermagem?
Natália – A enfermagem é uma profissão encantadora. E não é preciso iniciar um curso de graduação para perceber isso: todos nós já precisamos ou conhecemos alguém que necessitou dos serviços prestados por um enfermeiro. Como é bom sentir-se respeitado e seguro durante o atendimento de um profissional que se dedicou por anos simplesmente pela satisfação em cuidar do próximo. Hoje, eu não me enxergaria realizada atuando em outra área. A formação na área da enfermagem proporciona oportunidades de trabalho que vão além dos muros do hospital: atuação no segmento de saúde ocupacional em empresas diversas, cuidado domiciliar, participação em programas governamentais de vigilância sanitária, atuação na área de ensino e pesquisa, entre outras. Fico grata pelo convite em participar da entrevista e em poder compartilhar minhas experiências e (boas) recordações do período em que fui aluna da FCMSCSP. É sempre com grande satisfação e orgulho que digo e repito: sou filha da Santa Casa de São Paulo.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 76, em 21/10/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Enfermagem em Reabilitação Física: a esclerose múltipla

Reabilitação físicaEstão abertas as inscrições para o 7º Encontro de Enfermagem em Reabilitação Física – A Esclerose Múltipla. O evento, voltado a enfermeiros, graduandos de Enfermagem e profissionais da área de saúde, acontece no próximo dia 11 de novembro, terça-feira, das 14h às 16h00. A realização é do curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, com a coordenação da Dra. Marcele Pescuma Capeletti Padula, professora do programa.

Para conferir mais informações e se inscrever gratuitamente, clique aqui.

Simpósio discute a atualidade da Psicopatologia Fenomenológica

Dr. Guilherme Messas, coordenador geral do Simpósio e do curso de Pós-graduação em Psicopatologia Fenomenológica da FCMSCSP

Dr. Guilherme Messas, coordenador geral do Simpósio e do curso de Pós-graduação em Psicopatologia Fenomenológica da FCMSCSP

A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo promoverá o 1º Simpósio Internacional de Psicopatologia Fenomenológica – Tradição e atualidade da Psicopatologia Fenomenológica, de 20 a 22 de novembro, em São Paulo (SP). “O objetivo deste evento é oferecer ao público uma reflexão mais aprofundada sobre os diversos transtornos mentais, a partir da perspectiva fenomenológica. Dessa forma, o público poderá conhecer o que vem sendo realizado nessa área da psicopatologia”, afirma o Dr. Guilherme Messas, coordenador geral do evento e do curso de Especialização em Psicopatologia Fenomenológica da FCMSCSP.

O Simpósio reunirá pesquisadores do Brasil, Chile, Itália e França, que irão enfatizar os transtornos de maior prevalência na população, como a depressão, esquizofrenia, e os problemas com álcool e drogas. “A Psicopatologia Fenomenológica, apesar de ser tradicional, conta com poucos especialistas. Por isso, o evento é uma oportunidade rara no Brasil, por reunir profissionais do nosso país e internacionais”, declara Messas. O 7º Simpósio da Sociedade Brasileira de Psicopatologia Fenômeno-Estrutural também integra a programação do 1º Simpósio Internacional de Psicopatologia Fenomenológica.

Voltado a médicos, psicólogos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, assistentes sociais e demais profissionais interessados no tema, o evento será realizado no Auditório Prof. Dr. Emilio Athié, na Rua Dr. Cesário Motta Jr., 112, Vila Buarque, São Paulo (SP). O Simpósio aceita a apresentação de trabalhos, que serão avaliados e selecionados pela comissão organizadora. A entrega destes resumos deve ser realizada até o dia 5/10, domingo, pelo site do evento. Para mais informações e inscrições, clique aqui.

Contato com animais pode ser benéfico no tratamento de diversas doenças

A relação com os animais pode ir muito além da afetividade e do carinho. O simples contato com os bichos pode melhorar a vida de pessoas com doenças como depressão, paralisia cerebral, câncer, autismo, Alzheimer, síndrome do pânico e Parkinson.

Cães, gatos, aves e cavalos podem ser aliados nos trabalhos de psicólogos, enfermeiros, fisioterapeutas e médicos. A iniciativa, quando realizada regularmente, é chamada de TAA (Terapia Assistida por Animal). Quando é esporádica recebe o nome de AAA (Atividade Assistida por Animais).

Dr. Rogério Pecchini, chefe do departamento de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São PauloDe acordo com o Dr. Rogério Pecchini, professor de Pediatria e Puericultura da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e diretor do Departamento de Pediatria da Santa Casa de São Paulo, os animais são eficazes para aumentar a autoestima e a sociabilidade de indivíduos com distúrbios de comportamento, por exemplo, visto que trabalha o contato pessoal e a afetividade.

“Comprovações científicas mostram que a terapia com bichos pode ser positiva em alguns tipos de doenças. A melhora do paciente com a presença deles está relacionada a uma série de fatores como: alteração de ambiente, desenvolvimento do carinho e mudança nas relações interpessoais”, explica.

Dr. Pecchini afirma que a reabilitação não se restringe apenas ao contato com os cachorros. “Por exemplo, a equoterapia, em que são utilizados cavalos, melhora a parte motora e a sociabilidade de crianças com Síndrome de Down”, declara.

Para o professor, crianças que estão passando por algum tipo de doença e têm contato com cachorros, apresentam resultados no humor e no bem-estar. “Isso também ajuda a aumentar a recepção ao tratamento, algo que pode ser visto claramente. Quando os animais chegam ao ambiente em que os pacientes estão, há uma alegria enorme por parte dos pequenos que estão hospitalizados”, diz.

Somado a isso, o Dr. Pecchini explica que o animal tem um importante papel na vida da garotada: “Aquelas que são criadas com animais apresentam maior relação afetiva com as outras pessoas. Já as crianças um pouco mais velhas podem criar também um senso de responsabilidade. Não há nada comprovado sobre isso, mas observamos muitos casos”, finaliza. O professor indica cachorros de raças dóceis e ressalta a importância da higienização, alimentação e imunização do animal.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 43, em 18/6/2014. Assine nossa newsletter:
http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Ex-aluna conta sua experiência como chefe de Enfermagem no Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário

Eliane Redondo - Enfermagem FCMSCSPGraduada em 2008, pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Eliane Redondo é chefe de Enfermagem responsável técnica do Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário. A instituição atende pacientes do sistema prisional do Estado de São Paulo, prestando atendimento médico, cirúrgico e internação. Ao Conectar, a ex-aluna do curso de Enfermagem fala sobre a relação dos enfermeiros com os detentos, os desafios enfrentados com esse público e como a FCMSCSP contribui no desenvolvimento da sua gestão.

Conectar  Como era sua rotina quando você estudava na Faculdade?
Eliane – Quando eu iniciei o curso, tinha a certeza do que eu iria fazer, porém não sabia se estava no local correto. Mas durante a graduação, a FCMSCSP me mostrou que é a melhor Instituição de Ensino. Foram quatro anos bastante difíceis, pois eu ia para a aula de manhã, trabalhava na parte da tarde e atendia pacientes particulares durante a noite no home care. Mas tudo valeu a pena! A maior parte dos alunos que se formaram comigo atuam na Santa Casa, são chefes ou profissionais que ocupam posições muito boas no mercado de trabalho. Devemos tudo isso a formação que tivemos na Faculdade.

Conectar – Conte um pouco sobre sua trajetória profissional até chegar ao seu atual cargo.
Eliane – Comecei como auxiliar de Enfermagem na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Depois, fui promovida para trabalhar como enfermeira da Pediatria, cargo que permaneci durante oito meses. Logo, fui convidada para integrar o departamento de Educação Continuada, em que fiquei dois meses, cobrindo o cargo da gestora da área. Em seguida, me tornei chefe das UTIs Pediátricas e Neonatal. Após quatro anos nessa posição, recebi o convite para atuar como chefe de Enfermagem responsável técnica do Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário.

Conectar – Quais são os desafios que você enfrenta no atendimento desse público?
Eliane – Por estarmos em um centro hospitalar tão diferenciado e com um público bastante específico, o maior desafio é colocar em prática tudo o que aprendemos na Faculdade, que inclui cuidar do próximo e ver o outro com humanização. Nesse setor, existem fatores que não são comuns, como o toque, algo tão presente na Enfermagem, mas que aqui, deve ser realizado com cuidado para não criar uma liberdade mal interpretada. Além disso, temos que trabalhar com grades e seguranças, visto que os pacientes não ficam presos e circulam entre nós. Contudo, o mais importante é prestar o atendimento de qualidade que qualquer ser humano merece e tem direito.

Conectar – Quais são as diferenças entre o atendimento prestado pelo enfermeiro aos pacientes comuns e aos detentos?
Eliane – Não é muito diferente. Como em qualquer instituição de saúde, nós temos rotinas estabelecidas, que englobam horários de banho, medicação, anotações, alimentação e Sistematização da Assistência de Enfermagem. Muitas vezes, os pacientes do penitenciário têm mais facilidade em atender as normas do que os pacientes comuns, visto que eles já estão acostumados com a disciplina na penitenciária. Nós temos recebido vários elogios, pois aqui não há discriminação e a assistência prestada pelos profissionais da saúde é segura e de qualidade.

Conectar – Como é a relação dos detentos com os profissionais da saúde?
Eliane – Eles têm muito respeito e admiração por nós, pois não fazemos distinção. Os tratamos como pacientes e não como presos. Nosso trabalho não é julgar o crime que cada um deles cometeu. É nosso dever atender as necessidades básicas e promover o conforto na área da saúde.

Conectar – A Faculdade prioriza a humanização em seus cursos. Como isso influencia na sua atuação?
Eliane – A minha formação influenciou e influencia muito na minha assistência e na minha gestão. Aqui eu tenho quase 250 funcionários e 375 leitos. Somado a isso, sou chefe de um hospital que conta com clinica médica, centro cirúrgico, UTI, ambulatório e uma unidade materna com 80 mulheres e 80 bebês. Toda minha bagagem foi muito importante para o desenvolvimento do meu trabalho. A questão da humanização é importante, não somente com os pacientes, mas também com os colaboradores desta ou de qualquer outra instituição.

Conectar – O que um indivíduo que pretende cursar Enfermagem deve avaliar em seu perfil antes de ingressar na faculdade?
Eliane – Primeiro ele tem de ter certeza do que quer. Todos precisam entender muito bem o que é a Enfermagem e onde está pisando. Assistir algumas aulas e conversar com profissionais da área ajuda muito. Também é importante estar preparado psicologicamente para lidar com vidas e com a morte.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 38, em 8/4/2014. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.