Fila do transplante de córneas em SP é zerada

Dra. Maria Cristina Nishiwaki DantasDe acordo com reportagem de Lucilene Oliveira do Diário de S. Paulo, publicada em 24/5, a fila do transplante de córnea em São Paulo foi “zerada” em 2013. A Secretaria Estadual de Saúde afirmou ter cumprido toda a demanda com a  realização de mais de 5 mil cirurgias durante todo o ano que se passou. De janeiro a abril de 2014, 1.651 pessoas já teriam recebido a membrana. Saiba mais, conferindo a matéria na íntegra, com a participação da Dra. Maria Cristina Nishiwaki Dantas, professora de Oftalmologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Clique aqui.

Anúncios

Conjuntivite alérgica pode ser causada por medicamentos de uso oral e ocular

Dra. Maria Cristina Nishiwaki DantasMuito comum durante o inverno, a conjuntivite pode não ser ocasionada apenas por vírus ou bactérias, mas também por reações alérgicas contra poeira, poluição e até medicamentos de uso ocular e oral. De acordo com a Dra. Maria Cristina Nishiwaki Dantas, professora adjunta do departamento de Oftalmologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, esse tipo da doença é classificada como infecciosa e não infecciosa. “Conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, membrana transparente e fina que reveste a parte da frente do globo ocular e a parte posterior das pálpebras.

A forma infecciosa da doença é classificada como bacteriana ou viral, sendo a última a mais frequente entre as pessoas. “A conjuntivite viral é mais comum no verão, mas pode ocorrer em todas as épocas do ano”, afirma a Dra. Maria Cristina.

Segundo a especialista, se não tratada adequadamente, a inflamação pode até cegar o paciente. “Não é usual, porém o agravamento da conjuntivite é capaz de deixar cicatrizes na córnea e esse indivíduo pode precisar de cirurgia para recuperação visual. Não devemos tratá-la como um problema banal”, enfatiza.

Para o tratamento da conjuntivite viral, a professora indica compressa gelada e colírios lubrificantes, já a bacteriana pode ser combatida com colírios a base de antibióticos. “Os principais sintomas são olhos avermelhados, dor, fotofobia e lacrimejamento. Porém, nem todo olho vermelho é conjuntivite. O paciente deve procurar um profissional da saúde para realizar o diagnóstico correto”, explica.

Algumas ações que contribuem para evitar a conjuntivite:
– Evitar aglomerações
– Lavar as mãos com frequência
– Evitar coçar os olhos
– Usar toalhas de papel para enxugar o rosto e as mãos
– Trocar as fronhas dos travesseiros diariamente (enquanto perdurar a conjuntivite)
– Não compartilhar rímel, delineadores ou qualquer outro produto de beleza
– Não se automedicar

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 20, em 25/6/2013. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br.