Pílula anticoncepcional: mitos e verdades

O público feminino dispõe de diversos tipos de métodos contraceptivos, desde a camisinha e anéis vaginais até injeções e dispositivos internos colocados dentro do útero – o chamado DIU –, para impedir a gravidez e prevenir doenças sexualmente transmissíveis. Ainda assim, parece haver um favorito entre eles: a pílula anticoncepcional. Segundo dados divulgados este ano pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), aproximadamente 100 milhões de mulheres no mundo utilizam esse método.

Mesmo sendo bastante popular e um dos métodos mais indicados pelos ginecologistas, ainda há muito debate sobre os riscos que as mulheres correm com as pílulas anticoncepcionais. As dúvidas sobre a melhor maneira de tomar o medicamento surgem com frequência e, na era das redes sociais e das “fake news” (notícias falsas), os mitos também se propagam.

Pensando nisso, o Dr. Roberto Franken, médico vascular e professor da disciplina de Clínica Médica e a Dra. Sonia Tamanaha, ginecologista e professora da disciplina de Ginecologia, ambos da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP), esclarecem às mulheres – e também aos homens – as principais dúvidas sobre a pílula anticoncepcional:

– Engorda?
Talvez. De acordo com o Dr. Roberto Franken, a ingestão do medicamento causa a retenção de líquido e aumento da vontade de consumir carboidratos. Porém, a Dra. Sonia afirma que existem pílulas com composições que podem diminuir o sintoma – estudos comparativos entre usuárias e não usuárias mostraram que as variações de peso (média de 0,5 kg) foram semelhantes nos dois grupos.

– Dá celulite?
Mito. Segundo a Dra. Sonia, “a celulite é uma patologia que possui vários fatores envolvidos, tais como: predisposição genética, sexo feminino, idade, obesidade, sedentarismo, alto consumo de doces e bebidas gasosas, disfunções circulatórias, gestação, tabagismo, disfunções hormonais e uso de determinados medicamentos. “Assim, não é possível dizer que a pílula seja a responsável por sua origem. Porém, a retenção hídrica associada ao uso de pílulas poderia causar a sensação de aumento da celulite nas mulheres com predisposição”, explica.

– Aumenta os seios?
Mito. Conforme a Dra. Sonia, as pílulas contraceptivas são formuladas pela combinação de estrogênio e progestagênio ou apenas com o progestagênio. “Os efeitos desses hormônios nas mamas podem causar aumento da sensibilidade, dor mamária e sensação de inchaço, mas não aumentar o volume”, afirma.

– Dá trombose?
Verdade. Dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) indicam que mulheres que usam anticoncepcional correm risco de quatro a seis vezes maior de desenvolver trombose em um ano do que aquelas que não utilizam métodos contraceptivos hormonais. Segundo o Dr. Roberto, os dois tipos de trombose mais comuns para essas mulheres são a venosa e a arterial e que, dependendo do perfil da mulher, ou seja, se ela é obesa, possui histórico familiar ou é fumante, as chances se elevam.

– Melhora a pele?
Verdade. “Há uma melhora na pele porque o estrogênio tem a propriedade de aumentar a produção de uma proteína no fígado, chamada SHBG (steroid hormone biding globulin), que é responsável por diminuir a biodisponibilidade dos hormônios com efeitos androgênicos. E, assim, ocorre melhora da oleosidade da pele e da acne”, explica a Dra. Sonia.

– Existe uma idade certa para começar a tomar?
Depende. Segundo os professores da FCMSCSP, a idade para se começar é definida mediante consulta com o ginecologista, que definirá se a mulher pode ou não tomar a pílula. Dra. Sonia explica que, em geral, é recomendado começar quando existir o risco de acontecer uma gestação não planejada. Estudos reportam que os benefícios contraceptivos superam todos os eventuais riscos de seu uso. “No caso de adolescentes, com o início da atividade sexual, a recomendação é o uso da dupla proteção: a pílula anticoncepcional associada a outro método de alta efetividade, como a camisinha feminina ou masculina, por exemplo”, complementa.

– Quem não pode tomar a pílula?
Para o Dr. Roberto e a Dra. Sonia, pelo risco de associação com complicações graves, não podem tomar pílulas contendo estrogênio as mulheres que tiveram trombose, portadoras de trombofilias hereditárias, histórico pessoal de acidente vascular cerebral, câncer de mama, hipertensas, tabagistas acima de 35 anos e aquelas que sofrem com enxaqueca com aura.

– A pílula causa problemas vasculares?
Segundo ambos os especialistas, as pílulas não são recomendadas para pessoas que possuem problemas de circulação, principalmente as tromboses e os efeitos colaterais do tabagismo. Além disso, a Dra. Sonia enfatiza que os problemas vasculares com o uso de pílulas de baixa dose de estrogênio não são habituais quando a mulher é saudável, ou seja, não tabagista e não é hipertensa.

– Causa varizes?

Mito. Segundo o Dr. Roberto, não é comprovado que o uso da pílula anticoncepcional cause varizes. Porém, por se tratar de uma doença multifatorial – a que pode ser causada por várias origens –, para a Dra. Sonia, a pílula pode ser considerada um fator desencadeante por intensificar a dilatação dos vasos ao diminuir os tônus vasculares.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 120, em 10/11/2017. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

Anúncios

Cardiologia em debate na FCMSCSP

liga-de-cardiologiaNo dia 7 de julho, terça-feira, às 12h, a Liga de Cardiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo promove o Curso de Introdução da Liga de Cardiologia. Com a participação do Dr. Roberto Franken, professor da FCMSCSP, o curso abordará temas como: propedêutica, dislipidemias, hipertensão, cardiologia no esporte, emergências e eletrocardiografia. Na data, a Liga em parceria com a editora Atheneu sorteará seis livros da área da saúde para os presentes.
O evento é destinado aos alunos da Faculdade e será realizado no Anfiteatro Paulo A. Ayrosa Galvão, na Rua Dr. Cesário Motta Jr., 112, Vila Buarque, São Paulo (SP).

Obesidade e ingestão de sal em excesso são as principais causas de hipertensão arterial na população brasileira

O Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial marca a importância do cuidado com essa silenciosa e perigosa doença. Dados do Ministério da Saúde apontam que cerca de 25% da população brasileira apresenta o problema. Desse total, mais de 50% está na terceira idade e 5% é composta por crianças e adolescentes.

Dr Roberto FrankenO professor titular de cardiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Dr. Roberto Alexandre Franken, alerta que a doença pode ocasionar acidente vascular cerebral (AVC), insuficiência renal e até infarto do miocárdio. “Os sintomas da hipertensão arterial são inespecíficos e se confundem com outras doenças. As principais queixas são dor de cabeça (principalmente na nuca), zumbido no ouvido e tontura”, afirma.

A hipertensão pode estar relacionada a perda da função normal das artérias, ou então quando o volume de sangue se torna muito alto. Quando o coração bate, ele bombeia sangue para o corpo, esse processo cria uma pressão sobre as artérias, que é chamado de pressão arterial sistólica, cujo valor normal é 120 mmHg (milímetros de mercúrio). Quando esse valor é superior a 140, é considerado hipertensão. Há também a pressão arterial diastólica, que indica a pressão nas artérias quando o coração está em repouso (entre as batidas). O número normal é 80, e é considerada hipertensão quando é superior a 90.

Para o professor, os principais fatores que contribuem no crescimento no número de casos de hipertensão arterial entre a população brasileira são os hábitos alimentares, que hoje são ricos em sal, e o aumento de indivíduos obesos.

“Existem dois tipos de hipertensão arterial: uma delas é a hipertensão primária, que geralmente é causada por múltiplos fatores genéticos e de hábitos de vida, como o excesso de ingestão de sal, que aumenta o volume de líquidos dentro dos vasos, pois para que o sangue não fique com níveis altos de sódio, os rins absorvem mais água para diluí-lo. Já a secundária é aquela que tem uma causa bem definida, como doenças endócrinas”, diz o Dr. Franken.

De acordo com o cardiologista, os cuidados básicos para evitar o aumento da pressão arterial são: a alimentação correta e a prática de exercícios. “Deve se evitar a ingestão de sal. Atualmente, a dieta das pessoas tem em média 10 gramas de sal por dia, porém 3g já são o suficiente. O ideal é não ultrapassar 6g”, explica.

Para o especialista, em todas as consultas médicas o paciente deve ter sua pressão arterial aferida. “Mesmo com os tratamentos que podem ser realizados com medicações, adequação ao peso e restrição ao sal, a nossa maior arma contra essa doença é o diagnóstico precoce”, finaliza.

 Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 39, em 23/4/2014. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Dr. Franken ressalta importância do exame de saúde

Confira abaixo reportagem publicada no jornal O Estado de S. Paulo, em 10/1/2013, com a participação do Dr. Roberto Franken, cardiologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Lei livra academia de exames médicos

Nova regra promulgada pela Câmara determina avaliação só para frequentador que não esteja dentro da faixa etária de 15 a 69 anos

10 de janeiro de 2013 | 2h 03
DIEGO ZANCHETTA, JULIANA DEODORO, RODRIGO BURGARELLI – O Estado de S.Paulo

Uma nova lei promulgada ontem pelo presidente da Câmara Municipal, José Américo (PT), livra as academias de São Paulo de realizarem exames médicos semestrais e na admissão de cada um dos seus alunos. A obrigação havia sido estabelecida por uma lei municipal sancionada em fevereiro do ano passado pelo prefeito Gilberto Kassab (PSD). A justificativa é que a regra estava causando “ônus de ordem econômica e burocrática” às academias e seus frequentadores.

A nova lei é uma das principais reivindicações dos donos de academia, que reclamavam de ter de aumentar o preço das mensalidades para arcar com os custos dos exames. A partir de agora, só precisarão fazer exame médico nas academias os frequentadores que não estejam dentro da faixa etária de 15 a 69 anos.

Já quem se enquadra nessa idade vai ter apenas de responder a um questionário de prontidão para atividade física. Esse documento vai trazer perguntas como “você sentiu dor no peito quando realizava atividade física?” ou “toma algum medicamento para pressão arterial?”.

Se houver alguma resposta positiva, o usuário terá de assinar um termo de compromisso se responsabilizando, caso decida fazer academia sem se consultar com um médico. A lei se originou de um projeto apresentado pelo então vereador Antonio Donato (PT), hoje secretário de Governo e homem-forte da gestão Fernando Haddad (PT).

Na justificativa apresentada para o projeto, ele afirmou que a lei aprovada ano passado acabava com o incentivo às atividades físicas e estimulava a prática de exercícios por conta própria – o que pode trazer mais riscos à saúde do que em uma academia, por exemplo.

Donato afirmou também que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) classifica a atividade praticada em academias como de baixo risco. “A exigência de exames médicos desestimula a prática de atividades físicas justamente no local mais seguro e adequado para isso, já que as academias são legalmente responsáveis pela qualidade e segurança dos serviços e equipamentos oferecidos e são obrigadas a manter profissionais de educação física em suas dependências, os quais avaliam e monitoram os usuários”, escreveu.

Tramitação. A proposta não chegou a ser votada em plenário pelos 55 vereadores. O regimento interno da Câmara permite que um projeto que exija maioria simples para a sua aprovação vire lei passando apenas pelas comissões temáticas. Nesse caso, ele só teria de passar por plenário caso ao menos um décimo dos vereadores apresentasse recurso contra a sua aprovação direta pelas comissões.

Américo afirmou que a liderança do governo Kassab chegou a apresentar pedido para que a proposta passasse por plenário. Mas, no fim do ano passado, o recurso foi retirado e o projeto aprovado, passando apenas pelas comissões de Constituição e Justiça, Atividade Econômica, Saúde, Promoção Social e Trabalho e Finanças e Orçamento. Ela foi sancionada pelo presidente da Câmara porque expirou o prazo legal para que o prefeito a sancionasse.

“Fiz o que a lei determina, que é promulgar um projeto que o prefeito deixou de sancionar. Faria isso com o projeto de qualquer outro vereador”, argumentou ontem o presidente, José Américo. Ele, porém, elogiou a modificação sugerida por Donato nas regras dos exames médicos. “Sou totalmente favorável ao projeto desde o início de suas discussões (em maio de 2012)”, acrescentou o petista.

Obrigatoriedade era ignorada em muitos estabelecimentos

Professora conta que em sua academia exame nunca foi cobrado; tema causa discussão em vários lugares do mundo

10 de janeiro de 2013 | 2h 03 – O Estado de S.Paulo

A gerente financeira Márcia Pereira, de 40 anos, descobriu há nove anos que era hipertensa. Um ano depois da descoberta, começou a malhar, já sob orientação médica, mesmo sem a obrigatoriedade do exame. “Se tivesse começado a malhar sem saber que era hipertensa, poderia ter tido um enfarte. Acho o exame super importante”, diz.

Ela conta que muita gente da academia que frequenta reclamava da regra. O local aceita dois tipos de exame: o feito com médico particular ou com o médico da academia, que cobra taxa de R$ 40 para realizá-lo. “As pessoas não têm tempo e acaba sendo um problema a mais.”

É o caso do engenheiro civil Rodrigo Maciel, de 33 anos. No ano passado ele quase teve que ficar parado por um tempo porque a catraca da sua academia não libera a entrada de quem está devendo o exame. “O plano de saúde não marca uma consulta de um dia para o outro, leva pelo menos 15 dias”, afirma. Ao saber que o exame não seria mais obrigatório, o engenheiro ficou satisfeito. “Acho que cada um deve se preocupar com a própria saúde. O exame dava trabalho e era apenas um transtorno.”

Mesmo com a lei, nem todas as academias cumpriam a regra. Na academia da professora Milena de Oliveira, de 24 anos, o exame nunca foi cobrado. “Na prática, essa mudança não vai nem me afetar”, diz.

A obrigatoriedade do exame médico antes da prática de exercícios físicos é uma polêmica em diversos lugares do mundo, diz o cardiologista e professor da Faculdade Santa Casa Roberto Franken. Para ele, obrigar todos os usuários a fazer o exame é algo complexo e de difícil operacionalidade, mas o cardiologista reitera que o exame é importante e que as pessoas devem se preocupar com a própria saúde.

“Se a lei não obriga a pessoa a fazer o exame, ela deve individualmente se cuidar”, afirma Franken. Ele lembra que quem tem histórico de hipertensão na família e já está com a idade avançada deve redobrar a atenção. “Homens acima de 45 anos e mulheres de 50 em diante devem se cuidar. / D. Z., J. D. e R. B.

———————————————————————————————————————
Links: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,lei-livra-academia-de-exames-medicos-,982451,0.htm
http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,obrigatoriedade-era-ignorada-em-muitos-estabelecimentos-,982448,0.htm