Instabilidade psicológica da adolescência favorece uso de álcool e drogas

Prof. Dr. Guilherme Messas, docente e coordenador do curso de pós-graduação em Psicopatologia Fenomenológica da FCMSCSP

É um dado consistente no mundo, e seguramente no Brasil também, que o período de maior risco para o uso de álcool e drogas é a adolescência. Sabe-se, por exemplo, que quanto mais cedo se inicia o uso de substâncias, maior o risco de uma pessoa se tornar dependente ou de desenvolver algum transtorno mental mais tarde na vida, seja afetivo ou cognitivo.

Esse conhecimento, no entanto, tem pouco valor para modificar o comportamento do próprio adolescente. Um importante motivo para a baixa influência da informação no comportamento do adolescente é a instabilidade psicológica característica deste período da vida.

O universo mental do adolescente é recheado de variações emocionais, de incertezas sobre a própria identidade e de baixa capacidade de reconhecer as próprias emoções. Essa atmosfera de indeterminação favorece o uso de álcool e drogas, pois estas substâncias de certo modo se encaixam com facilidade no modo como essa faixa etária vive o próprio mundo interior.

Em suma, é muito importante que os pais saibam que o uso de álcool e drogas na adolescência brota de necessidades e estilos psicológicos próprios da idade e que não necessariamente se relacionam com problemas psicológicos.

Prof. Dr. Guilherme Messas, Psiquiatra especialista em Álcool e Drogas, é Professor e Coordenador do Programa de Duplo Diagnóstico em Álcool e Outras Drogas da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Coordenador da Câmara Temática Interdisciplinar sobre Drogas do Conselho Regional de Medicina de São Paulo.

Anúncios

Álcool: o inimigo silencioso

Prof. Dr. Guilherme Messas, docente e coordenador do curso de pós-graduação em Psicopatologia Fenomenológica da FCMSCSP

No Brasil discute-se com muita frequência o problema do uso de drogas. Essa discussão, muitas vezes controversa e acalorada, é justificada e necessária. Entretanto, quero defender aqui que estamos, como país, negligenciando a principal discussão de saúde pública. A principal droga que compromete e provoca danos à nossa população é o álcool, droga legal, que pode ser comprada em nosso país em praticamente qualquer local, a qualquer hora do dia e na quantidade que se queira. Inclusive por menores, em franco desrespeito à lei.

Mais urgente e importante para o Brasil do que a discussão sobre drogas ilícitas é a regulação da droga lícita mais nociva para a sociedade, que é o álcool. Para que avancemos, como um país que se preocupa com a saúde de seus cidadãos, é fundamental que estabeleçamos regras para o consumo do álcool. Estas regras visam à limitação da quantidade de álcool ingerida e, com isso, reduzem a chance de doenças físicas e mentais, da violência doméstica, do abuso infantil, da perda de produtividade acadêmica, etc. Todos esses problemas têm forte associação com o uso de álcool.

O melhor modo de controlar o uso de álcool é pela regulação ambiental. Medidas como o controle das horas do dia em que se pode vender álcool e a abolição de sua publicidade são as primeiras a ser tomadas e têm que ser reforçadas na agenda de saúde pública, sem hesitação. É tempo de ajustarmos nossas decisões políticas às verdadeiras necessidades de nossos cidadãos.

Prof. Dr. Guilherme Messas, Psiquiatra especialista em Álcool e Drogas, é Professor e Coordenador do Programa de Duplo Diagnóstico em Álcool e Outras Drogas da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Coordenador da Câmara Temática Interdisciplinar sobre Drogas do Conselho Regional de Medicina de São Paulo. 

Pós-graduação em Psicopatologia Fenomenológica da FCMSCSP oferece contato direto com pacientes

guilherme-messas-fcmscsp

Dr. Guilherme Peres Messas, coordenador do curso de Pós-graduação em Psicopatologia Fenomenológica

Com o objetivo de promover conhecimentos e práticas para a realização do diagnóstico e para a estruturação e condução das estratégias terapêuticas em saúde mental, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo traz o curso de Pós-graduação em Psicopatologia Fenomenológica. Destinado a médicos, psicólogos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, assistentes sociais e demais profissionais interessados no tema, o curso busca fazer com que os alunos enxerguem, em detalhes, as necessidades de seus pacientes, para oferecerem a melhor clínica e, consequentemente, o melhor tratamento.

De acordo com o Dr. Guilherme Peres Messas, coordenador do curso, o grande diferencial desse programa de especialização é sua carga clínica e o importante contato direto com o paciente. “Embora esta pós-graduação lato sensu tenha uma carga teórica relevante, esse é o curso de psicopatologia com maior carga clínica existente. As pessoas poderão ver, entrevistar, discutir e, eventualmente, acompanhar pacientes”, esclarece o psiquiatra.

Além disso, as novas turmas do programa contarão com mudanças na formatação da grade, que será mais estruturada para a utilização clínica do instrumento psicopatológico: “Nosso objetivo é oferecer guias de condutas e guias terapêuticos com acesso mais fácil ao público do curso”, afirma o Dr. Guilherme.

As inscrições para o curso de Pós-graduação em Psicopatologia Fenomenológica da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo devem se iniciar ainda no mês de outubro. Caso tenha se identificado com o curso, acesse o Portal da FCMSCSP e manifeste seu interesse.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 98, em 4/10/2016. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

A crise financeira e o impacto psicológico nas pessoas

Dr-Guilherme-Messas-crise-impacto-psicologico-faculdade-santa-casa-sp

Dr. Guilherme Peres Messas, professor e coordenador do curso de Pós-graduação em Psicopatologia Fenomenológica da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Sabemos que crises financeiras são históricas e, de forma geral, sempre causam algum tipo de efeito na população. E o que normalmente mais se observa, nesses casos, são os fatores econômicos que impactam o orçamento das pessoas. Por outro lado, poucos são aqueles que notam os aspectos psicológicos que levam ao esgotamento do bem-estar do ser humano e das relações sociais entre os indivíduos. “Crises são experiências coletivas de muita contaminação psicológica. Quando as bolhas estouram, como, por exemplo, na crise financeira global de 2008, elas promovem grandes movimentos e todos são arrastados por ela”, comenta o Dr. Guilherme Peres Messas, professor e coordenador da Especialização em Psicopatologia Fenomenológica da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

A busca incessante por informação sobre o assunto, dormir mal, pavor, depressão, irritação, abuso do uso de bebidas alcoólicas e de drogas são alguns dos problemas listados pelo especialista e que acometem as pessoas durante períodos financeiros não favoráveis. De acordo com o Dr. Messas, a crise financeira multiplica as experiências desagradáveis e gera uma tensão em cadeia, atingindo a população de uma maneira geral: “Um funcionário, por exemplo, pensa que poderá ser demitido a qualquer momento; por consequência, a família vai senti-lo mais nervoso em casa. O noticiário, nada animador, pode ainda fazer com que todos se sintam bem mais desesperados”, explica.

Em período de dificuldades, acrescenta o professor, as pessoas tendem a enxergar a vida pela perspectiva de queda, esquecendo, por exemplo, que o país, nos últimos 20 anos, cresceu regularmente. “Olhando ao longo dos anos, ganhamos democracia, estabilizamos a economia, surfamos de 2004 até 2013 com um grande ciclo internacional favorável. A experiência era de plenitude. O ser humano tende a perceber o sucesso como próprio, mas o fracasso como coletivo. Se olharmos por outra perspectiva, mesmo com as dificuldades que se tem, o Brasil cresceu e até abriu oportunidades”, analisa o Dr. Messas.

Segundo o professor, é típico tanto no aspecto psicológico quanto no histórico, o aumento da violência e a divisão da sociedade por convicções: “Em época de estabilidade, as convicções se tornam fluidas, as pessoas enxergam oportunidades e buscam fazer negócios com outros. Agora, quando o estado é de emergência, a rota de saída é se aglutinar para se defender e encontrar inimigos”, finaliza.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 68, em 30/6/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.