Importância da Prevenção ao Câncer de Cólon

Dr. Fang Chia Bin, professor da disciplina de Cirurgia da FCMSCSP

No último domingo, dia 4/2, foi celebrado o Dia Mundial do Câncer, data criada pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC), em 2005, para conscientizar a população mundial sobre a doença e incentivar as pessoas a falarem mais sobre o assunto no dia a dia.

Segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), o Brasil deve registrar cerca de 600 mil novos casos de câncer por ano em 2018 e 2019. Ainda de acordo com estimativas, o câncer de cólon deverá registrar 36.360 novos casos em 2018.

O Dr. Fang Chia Bin, professor da disciplina de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, afirma que o câncer de cólon e reto constitui uma das quatro causas mais frequentes de morte em nosso meio e sua ocorrência vem aumentando. “Quando ele é diagnosticado precocemente há grande chance de cura, entretanto, nos casos avançados, geralmente decorrentes de diagnósticos tardios, a chance de sobrevida após o tratamento diminui bastante.”

Dr. Fang também ressalta que o diagnóstico precoce depende de exames de rastreio que pode ser um simples exame de fezes, pesquisa de sangue oculto, juntamente com exame de retossigmoidoscopia, o qual pode ser realizado anualmente. Além deles, é possível realizar a colonoscopia com intervalo de 10 anos, desde que em população com baixo risco. Em uma população de alto risco esse intervalo deve ser reduzido de acordo com seu grau de risco. “A colonoscopia como exame de rastreio ainda permite retirada dos pólipos adenomatosos, que são precursores de câncer colo retal. A remoção desses adenomas previne a formação de câncer. Em contrapartida, a colonoscopia tem um custo mais alto e apresentam um pequeno risco de complicações”, lembra o professor.

Quais os principais sintomas e como é realizado o tratamento?

Segundo o Dr. Fang, os sintomas de câncer colo retal são geralmente tardios, por isso, não devemos esperar que os sintomas apareçam. Os sintomas, quando presentes, são:

– Sangramento
– Alteração do ritmo intestinal, como constipação, diarreia ou a sua alternância
– Dor abdominal
– Anemia

Após receber o diagnóstico de câncer de cólon, o principal tratamento é a cirurgia, com a extirpação do tumor complementado com a radioterapia e/ou quimioterapia. Em casos de diagnóstico precoce, não há necessidade de realizar quimioterapia ou radioterapia.

Já em caso de diagnóstico tardio de câncer de cólon e reto, podem haver complicações, como: hemorragia intensa, obstrução intestinal ou perfuração do órgão, além da disseminação da doença. Dr. Fang ainda faz um alerta: “Portanto, exames de rastreio são importantes para diagnosticar precocemente o câncer de colo retal. Todo indivíduo acima de 50 anos deve realizar exames de rastreio. Para aqueles que possuem risco maior para desenvolvê-lo, como casos na família, alguma doença inflamatória intestinal ou polipose intestinal, é recomendável reduzir o Intervalo entre os exames.”

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 123, em 9/2/2018. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

Anúncios