Seu pronto socorro está preparado para o outono e inverno?

Todos os anos no período de março a julho hospitais públicos e privados têm o mesmo problema, enfrentar o outono e inverno. Essas duas estações do ano são marcadas por oscilações bruscas de temperatura e baixa umidade do ar, o que acaba acarretando uma série de problemas respiratórios e vasculares na população, principalmente em idosos e crianças.

Apesar de o problema persistir há vários anos, a comunidade médica e os outros profissionais envolvidos no dia a dia de um hospital ainda não conseguem chegar a uma ‘estratégia ideal’, já que a variação de doenças, quantidade de pacientes atendidos e surtos epidemiológicos variam de ano para ano, não atendendo um padrão ou lógica.

Por esse motivo, muitas vezes grandes hospitais privados e públicos não conseguem se preparar adequadamente para essa época do ano. As medidas adotadas giram em torno de espaço físico e preparação de equipe, dois fatores essenciais para melhorar o atendimento em uma unidade de emergência que recebe centenas de pessoas diariamente.

Para o Prof. Dr. Paulo Roberto Cavallaro Azevedo, professor de Clínica Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e médico assistente da Santa Casa de São Paulo, ‘a maior preparação que podemos fazer dentro de um pronto socorro é treinar a equipe médica como um todo. O objetivo de um treinamento bem feito deve visar a separação de pacientes que estão passando por uma emergência de fato aos outros que estão ali buscando outros tipos de tratamento’.

De acordo com o Dr. Paulo, esta separação deve ser feita com base em ‘alertas’ criados nos questionários de atendimento das unidades de emergência e orientação aos enfermeiros, que normalmente trabalham na triagem dos pacientes. A partir de perguntas específicas e treinamento adequado, esses profissionais direcionam os pacientes com maior necessidade a um atendimento mais rápido.

Pronto socorro além do inverno. Como instituições de saúde procuram diminuir atendimento de urgência.

Indo um pouco além do outono e inverno, épocas críticas para qualquer PS, atualmente está em pauta a mudança de gestão e atendimento destes centros médicos. ‘Mais do que nos preparar para o outono e inverno, a comunidade de saúde deve tentar uma mudança de cultura da população em geral: atualmente, devido ao temor de não arrumar um médico especialista no sistema público de saúde ou demorar demais no atendimento, a população em geral acaba procurando as unidades de urgência, o que acaba acarretando em uma série de problemas, como superlotação e atendimento ineficiente para quem realmente precisa’, afirma o professor.

Para evitar este tipo de problema na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, Dr. Paulo afirma que todos os funcionários que participam do atendimento de emergência tiveram treinamento no Protocolo de Manchester, sistema de classificação criado para auxiliar os profissionais da saúde no direcionamento dos pacientes (veja imagem abaixo).

 

 

 

 

 

O Protocolo de Manchester funciona da seguinte maneira: pacientes que não tem urgência ou são pouco urgentes demoram mais pra ser atendidos, enquanto os que têm emergência, muito urgente ou urgente são atendidos com prioridade. Para o Dr. Paulo, esse tipo de atendimento é muito mais efetivo que o sequencial, já que essa classificação permite que pacientes urgentes não fiquem sem atendimento rápido.

Além de priorizar os pacientes certos, essa estratégia pode ajudar em outro fator, a mudança de cultura. Para o Dr. Paulo Roberto, ao demorar para ser atendido por motivos que não demandam atendimento do Pronto Socorro, pacientes podem começar a procurar outros métodos para resolver seus problemas. ‘Quando um paciente demora até 4 horas para trocar uma receita, por exemplo, pode ser que da próxima vez ele procure uma UBS ou um tratamento médico adequado antes de vir à emergência’.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 126, em 11/5/2018. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

Anúncios

Falecimento do Dr. Luiz Carlos Morrone, professor da FCMSCSP

A DireDr. Luiz Carlos Morrone. Foto: Divulgação da Associação Paulista de Medicina do Trabalho (APMT)toria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo registra, com pesar, o falecimento, em 12/4/2014, do Dr. Luiz Carlos Morrone, que, desde 2001, atuava como professor adjunto do Departamento de Medicina Social da FCMSCSP. Dr. Morrone era graduado em Medicina pela FCMSCSP (1969), mestre e doutor em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSPUSP). Coordenava a disciplina de Medicina do Trabalho, ministrada aos alunos do 3º ano do curso de Medicina, além de ser o coordenador do curso de Pós-graduação em Medicina do Trabalho da Faculdade Santa Casa de São Paulo.

Membro do corpo docente do curso de Mestrado em Saúde Coletiva da FCMSCSP, Dr. Morrone exercia pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (ISCMSP) a coordenação do Programa de Residência em Medicina do Trabalho. Ainda pela ISCMSP, era o médico responsável pelo Ambulatório de Doenças Ocupacionais, ligado ao Departamento de Clínica Médica.  Durante o período de 1999 a 2005, atuou na coordenação de dois projetos-piloto de programa de Saúde do Trabalhador para servidores públicos estaduais que permitiram avaliar e criticar a metodologia utilizada nas perícias médicas realizadas para servidores públicos estaduais. Membro da Câmara Consultiva de Medicina do Trabalho do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, era o atual diretor científico da Associação Paulista de Medicina do Trabalho (APMT).

O velório aconteceu neste domingo, dia 13/4, no Auditório Emilio Athié, na Vila Buarque, em São Paulo (SP), com a presença de familiares, amigos, alunos, professores e colegas da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. O sepultamento ocorreu, no final da tarde, no Cemitério Gethsêmani.

Importância da disciplina de Geriatria acompanha envelhecimento da população mundial

Dr. Milton Luiz Gorzoni - FCMSCSPDe acordo com o IBGE, 7,4% da população brasileira é idosa, isso representa 14,9 milhões de pessoas. Em 2060, serão 58,4 milhões, ou seja, 26,7% da população do país. O aumento do número de pessoas na terceira idade é uma das razões da importância da disciplina de Geriatria, é o que explica o Dr. Milton Luiz Gorzoni, professor adjunto do departamento de Clínica Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

“A disciplina de Geriatria ainda é optativa, porém, a partir de 2015, fará parte da grade curricular do curso de Medicina. Isso vai ao encontro do envelhecimento da população mundial”, diz.

Segundo o Dr. Gorzoni, a disciplina visa, primeiramente, orientar e formar o aluno para que ele possa reconhecer doenças e situações peculiares dos idosos. O objetivo é minimizar o grau de dependência de outras pessoas e ainda colaborar para que tenham uma vida mais saudável.

“Sempre citamos que a área engloba os cinco ‘is’, que são doenças relacionadas ao: intelecto, imobilidade, instabilidade, incontinência e iatrogenia, que é o uso excessivo de remédios”, fala o especialista.

O professor conta ainda que existe uma carência de geriatras no Brasil. “O país possui 5.570 municípios, e o número de profissionais na área está por volta de 1.000. Precisamos de mais pessoas atuando neste setor”, finaliza.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 26, em 17/9/2013. Assine nossa newsletter http://www.fcmsantacasasp.edu.br.