Retenção de líquidos: saiba como evitar

Graziela Ramos B de Souza

Prof.ª Mestra Graziela Ramos B. de Souza

O corpo humano é composto por 70% de água. No entanto, algumas vezes, por diversas situações, o organismo retém água em excesso, o que resulta em inchaços que podem levar, inclusive, ao ganho de peso. Para saber mais sobre a retenção de líquidos e os cuidados a serem tomados, o Conectar entrevistou a Prof.ª Mestra Graziela Ramos B. de Souza, do curso de Graduação em Enfermagem e coordenadora do programa de pós-graduação lato sensu em Enfermagem na Assistência ao Adulto em UTI da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Confira:

Conectar: Vamos direto ao assunto: a retenção de líquidos pode estar relacionada ao ganho de peso? Por quê?
Graziela: Sim. Como temos perdas e ganhos hídricos por várias vias, e quando há disfunção renal, um problema metabólico ou alteração na alimentação, poderá haver ganho hídrico. Se há um aumento de água no organismo, portanto isso irá refletir na balança. Esse ganho hídrico também é muito comum nas pessoas que têm disfunções renais, porque o principal sistema responsável pelo ajuste desses líquidos que ficariam em excesso é o sistema renal.

Conectar: O que mais pode levar à retenção de líquido?
Graziela: Alteração na dieta. É sabido que os alimentos industrializados têm muito sódio, sendo esse habitualmente o grande responsável. O sal, em termos de reações químicas, vai carregar com ele a água. Por isso, acabamos retendo mais líquidos em decorrência desse mecanismo.

Conectar: Que tipos de alimentos ou bebidas devem ser evitados?
Graziela: Em linhas gerais, recomenda-se evitar alimentos industrializados que tenham concentração de sódio. É o caso dos alimentos pré-prontos, como o macarrão instantâneo, tanto o tempero quanto o próprio macarrão, e a maioria das barrinhas de cereais, que muitos acreditam ser saudáveis. Além do sódio, muitas das que estão no mercado não têm valor nutricional e não favorecem o metabolismo – ou seja, o indivíduo ingere apenas açúcar. Quanto às bebidas, os grandes vilões são os refrigerantes, principalmente os chamados “diet” ou “zero” porque os fabricantes retiram o açúcar e colocam mais conservantes para manter o sabor, o que resulta em uma grande quantidade de sódio, como também ocorre com os sucos de caixinha.

Conectar: Qual a quantidade de sódio recomendada por dia?
Graziela: O ideal é cozinhar tudo sem sal e ao longo do dia, nas principais refeições, jantar e almoço, consumir somente o correspondente àquele sachê avulso de sal que encontramos nos restaurantes. Um só desses para cada uma das refeições é o suficiente.

Conectar: Sabemos que beber água ajuda no controle do inchaço. Qual é o consumo recomendável por dia?
Graziela: De forma geral, um indivíduo adulto deve consumir 2 litros de água por dia. É possível, no máximo, colocar uma folha de hortelã, para dar um “sabor” e nada além disso. Essa água que ingerimos promove um rearranjo hídrico no organismo. Os rins vão ter mais fluxo de sangue porque aumenta a volemia (volume sanguíneo) em decorrência da hidratação. O consumo de água hidrata melhor o tecido, o líquido fica no vaso, onde deve ficar, melhora a perfusão renal, e, com isso, é possível eliminar a água na medida certa.

Conectar: Além de beber água, praticar atividade física ajuda a evitar a retenção de líquido?
Graziela: Na verdade, o exercício físico é muito bom para tudo no nosso organismo. Quando praticamos atividade física, modificamos todo o nosso metabolismo. E estamos falando de metabolismo de água também. Se há uma melhora metabólica global, há uma melhora metabólica de água.

Conectar: E quando há essa retenção de líquido, tem partes específicas do nosso corpo que ficam mais inchadas?
Graziela: Sim, isso é muito refletido nas saliências ósseas, como o maléolo, que são os ossos provenientes do pé, o calcanhar, o calcâneo.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 85, em 5/4/2016. Assine nossa newsletter: www.fcmsantacasasp.edu.br.

Ex-aluna da FCMSCSP se torna chefe de Enfermagem

Tatiane Novais se formou em Enfermagem pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo em 2006. Atualmente, a ex-Santa é chefe de Enfermagem das Unidades de Internação e Infusão do Hospital Santa Isabel (Veridiana). Em entrevista ao Conectar*, ela fala sobre suas experiências durante a graduação na FCMSCSP e sobre a carreira na área.

Conectar – Como era sua rotina quando estudava na FCMSCSP?
Tatiane – Na época, eu apenas estudava. Durante esse período, tive a oportunidade de fazer parte do Centro Acadêmico de Enfermagem, do qual fui vice-coordenadora. Eu também participava das ligas e de ações voluntárias, como o projeto Colinho, junto com a Dra. Maria Teresa Gutierrez. Até hoje participo de palestras dessa iniciativa, o que me auxilia a manter uma relação próxima com a Instituição.

Conectar – Estudar em uma Faculdade vinculada a uma instituição de saúde ajudou na sua formação?
Tatiane – Ajudou muito, pois nós tínhamos o bloco teórico e, logo em seguida, o prático. Isso me auxiliou a sedimentar os conhecimentos obtidos, algo difícil de encontrar em outras instituições de ensino, afinal, a FCMSCSP foi importante para meu crescimento profissional. Quando a gente compara a Faculdade Santa Casa de São Paulo com outras do mercado há vários diferenciais, pois estudamos em um hospital do porte como a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Conectar – Qual foi o processo para você chegar ao cargo de chefia?
Tatiane – Eu ingressei como enfermeira assistencial da Unidade de Internação. Depois, fui promovida para enfermeira de Educação Continuada, cargo em que permaneci por quase três anos e, então, passei a ocupar meu atual cargo.

Conectar – Quais desafios você enfrenta atualmente nessa área?
Tatiane – O desafio é constante e todos os dias há algo novo. Dentro de um hospital particular, os pacientes prezam pela qualidade, atenção e habilidade técnica dos colaboradores. Dessa forma, precisamos constantemente capacitar e orientar nossa equipe para alcançar uma qualidade de atendimento que supere as expectativas dos pacientes.

Conectar – Por que você escolheu o curso de Enfermagem?
Tatiane – Desde pequena gostava da área da saúde. Quando cresci, me interessei por Enfermagem, pois eu queria ser aquela pessoa que fica um grande período no hospital com o paciente e faz a diferença no cuidado dele. Hoje, mesmo sendo chefe e cuidando da área administrativa, ainda estou muito perto dos pacientes, algo que eu sempre busquei.

Conectar – Quais dicas você poderia dar para aqueles que desejam ingressar no curso de Enfermagem?
Tatiane – É preciso gostar e entender que os pacientes estão em um momento de fragilidade emocional, além da física. É um conjunto de fatores em que o profissional tem que gostar e se identificar. Além disso, a carreira é muito promissora e com mais oportunidades. Hoje, eu acredito que quanto mais a gente consegue se desenvolver na área, mas ela exige dedicação e conhecimento. Isso tem aumentado nos últimos tempos.

*Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 34, em 12/2/2014. Assine nossa newsletter http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Disciplina de Enfermagem discute as interferências da sociedade na saúde

Com o objetivo de introduzir os alunos aos conhecimentos sobre a compreensão do adoecimento da população, formas de percepção desses processos, sistemas de cura e intervenções terapêuticas desenvolvidas pelas culturas humanas, o curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo apresenta, no primeiro semestre, a disciplina de Ciências Sociais Aplicada à Saúde.

“A proposta é aprofundar o entendimento entre as ciências sociais e a saúde, englobando as contribuições dessa área para a Medicina. Com isso, é possível compreender a situação atual da sociedade brasileira, inclusive no âmbito familiar, associando-a aos cuidados necessários com a saúde”, conforme afirma o Dr. José Carlos Bittencourt, professor dos cursos de Enfermagem e de Medicina da Faculdade Santa Casa de São Paulo.

O especialista explica que a disciplina também aborda os desdobramentos e contribuições da área social à saúde coletiva. “Trata-se de um foco de estudo importante, visto que está presente nos cursos de Enfermagem, Fonoaudiologia e Medicina. O profissional precisa ter o conhecimento geral do ser humano, das múltiplas interações e da multiplicidade de fatores intersetoriais, respeitando as diversidades sociais e étnicas”, afirma.

De acordo com o professor, o enfermeiro irá utilizar o conteúdo obtido em sua rotina de trabalho, principalmente, no relacionamento com o paciente e com a família dele. Estes conhecimentos aprimoram a prática da atenção básica a saúde, aperfeiçoando as ações de promoção a saúde, a prevenção de doenças, o tratamento imediato participativo e responsável, além de maior adesão aos processos de recuperação e reabilitação do doente. “A situação do indivíduo adoentado não está ligada somente ao serviço de saúde, mas também à comunidade. É preciso observar como a família, o trabalho e a sociedade influenciam a pessoa. Afinal, todos estes aspectos interferem na recuperação do paciente”, finaliza.

Drogas: Dinâmica e Cuidados

Drogas - Dinâmica e CuidadosAlunos e docentes do curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo acompanharam nesta terça-feira, dia 25/6, o encontro “Drogas: Dinâmica e Cuidados”. Na programação, palestrantes convidados abordaram os temas “Estratégias políticas para o campo de Saúde Mental, Álcool e Drogas”, “Aspectos psicanalíticos do uso de drogas” e “Desafios no cuidado de adolescentes usuários de álcool e outras drogas”.  A organização foi da Prof.ª Zélia Nunes Hupsel e da aluna Raquel Peres, com o apoio da Liga de Enfermagem Psiquiátrica da FCMSCSP.

Cuidando da Pessoa com Estoma

Nesta terça-feira, dia 11/6, os alunos da disciplina optativa “Cuidando da Pessoa com Estoma”, do curso de Graduação em Enfermagem, receberam as professoras convidadas Roberta Oliveira Barbosa Ribeiro, psicóloga, e Joana D’Arc Dias Souza, musicoterapeuta.

No encerramento da atividade, sob a coordenação da Profª Luzia Nahoyo Oka Horiuchi, os alunos relataram a experiência do uso, por 24 horas, de uma bolsa de colostomia. A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo agradece a presença das professoras convidadas para esta aula.

Cuidando da Pessoa com Estoma

Portas Abertas: para conhecer melhor a carreira de Enfermagem

Professores, alunos e ex-alunos do curso de Enfermagem se reuniram na quinta-feira, dia 23/5, para receber estudantes interessados no programa de graduação oferecido pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. O Portas Abertas, encontro destinado a esclarecer dúvidas e apresentar as instalações da Faculdade para futuros candidatos nos processos seletivos da FCMSCSP, contou ainda com a presença da diretora do curso, Dra. Maria do Carmo Querido Avelar. O processo seletivo para a Graduação em Enfermagem estará com inscrições abertas até o próximo dia 27/6, no site www.fcmsantacasasp.edu.br.

Portas Abertas - Enfermagem

Faculdade Santa Casa de São Paulo participa da Feira de Profissões

No sábado, 25/5, alunos e professores dos cursos de Graduação em Enfermagem e Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo participaram da 4ª Feira de Profissões do Colégio Claretiano. O objetivo foi apresentar a FCMSCSP a estudantes do ensino médio. Na oportunidade, os visitantes participaram de oficinas sobre atendimentos de emergência e prevenção ao câncer, orientadas pelas alunas e professoras do curso de Enfermagem, e ainda puderam receber orientações sobre o trabalho desenvolvido pelos profissionais do curso de Fonoaudiologia. Confira outros registros do evento na fan page da Faculdade: www.facebook.com/faculdade.santacasasp.

Faculdade Santa Casa de São Paulo

Com salário em destaque, área da saúde mental abre oportunidades para enfermeiros especializados

Profª Dra. Cintia Vieira GonçalesA área de saúde mental e psiquiatria vem se destacando como um interessante nicho de atuação para os profissionais de enfermagem, de acordo com a Profª Dra. Cintia Vieira Gonçales, do Curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. “A falta de enfermeiros especializados nesse segmento gera oportunidades de trabalho associadas a uma média salarial mais alta para quem se dedica à saúde mental. Há ainda outro fator a ser considerado para a expansão desse foco de empregabilidade: a Organização Mundial de Saúde aponta que cerca de 25% das pessoas sofrem ou sofrerão de transtornos mentais ao longo da vida”, diz.

Para a especialista, os locais de trabalho para esses profissionais são muitos, tais como hospitais, ambulatórios, Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e Unidades Básicas de Saúde (UBS), entre outros.

“Até meados dos anos 80, a maioria dos tratamentos ocorria dentro dos hospitais, ou seja, o campo profissional para os enfermeiros era restrito à atuação junto ao paciente internado. Esse cenário se ampliou em função da atual política da saúde mental no Brasil, direcionada à comunidade, o que proporcionou a multiplicação das unidades extra-hospitalares e as chances de colocação no mercado”, explica a Profª Dra. Cintia.

Os enfermeiros especializados em psiquiatria atuam na relação clínica entre o paciente e sua família, além de promover ações para que o indivíduo tenha um ambiente propício para seu tratamento.

“Nos CAPS, ajudamos os pacientes a se inserirem na sociedade, avaliando-os individualmente. Na estratégia terapêutica em economia solidária, temos grupos de culinária e artesanato, por exemplo, em que eles recebem o dinheiro das vendas dos itens que produzem. Hoje, existem mais de 1.500 CAPS espalhados pelo Brasil e faltam profissionais especializados na área”, afirma.

Sobre os hospitais psiquiátricos, a professora diz que o foco desses enfermeiros está na interação direta com os pacientes: “Nesses locais, avaliamos diariamente as condições físicas e psíquicas de cada indivíduo e prescrevemos ações específicas para sua reabilitação em conjunto com a equipe terapêutica”.

Para formar profissionais especializados nessa área, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo disponibiliza uma especialização em Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental. “O curso vem se desenvolvendo há dois anos, com experiência clínica dos alunos em setores especializados, para sua formação e ampla visão da área no Brasil e no mundo”, conclui a professora.

Para mais informações sobre a especialização clique aqui.

 Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 16, em 30/4/2013. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Faculdade abre inscrições para pós-graduação em Enfermagem em Centro Diagnóstico

Prof.ª Dra LúciaEstarão abertas até o dia 7 de março as inscrições para a pós-graduação lato sensu em Enfermagem em Centro Diagnóstico oferecida pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. O programa tem como objetivo transmitir aos enfermeiros conhecimentos técnico-científicos para atuação especializada na área de diagnósticos, em suas diversas modalidades e níveis de complexidade.

De acordo com a Profª Dra. Maria Lúcia Alves de Sousa Costa, coordenadora do curso, a evolução tecnológica tem ocasionado mudanças constantes na técnica dos exames, o que gera a necessidade de profissionais qualificados. “Existe um crescimento na demanda por serviços de diagnóstico, principalmente em prevenção e análise precoce. Com isso, há a ampliação da oferta de instituições que prestam esses serviços, havendo a procura por enfermeiros cada vez mais capacitados”, diz.

Promovido em parceria com o Instituto Fleury, organização comprometida com projetos educacionais, sociais e de pesquisa, o curso proporciona aos alunos a oportunidade de entrar em contato com a realidade do mercado, por meio de visitas técnicas a centros de diagnósticos de referência, de estágios que permitem a realização de atividades práticas, e pela análise crítica do contexto da especialidade. “O aluno terá aulas expositivas dialogadas com profissionais atualizados e experientes, além de participar de discussões sobre legislação e ética”, afirma a Profª Dra. Maria Lúcia.

A pós-graduação em Enfermagem em Centro Diagnóstico atende também a outros objetivos específicos como:

– Fornecer subsídios técnicos e científicos para a assistência de enfermagem sistematizada ao cliente submetido a exames diagnósticos laboratoriais, endoscópicos, por imagem, anátomo-patológicos e outros exames especializados;

– Discutir a assistência de enfermagem no preparo e realização de exames diagnósticos, bem como na prevenção e detecção precoce de possíveis riscos e complicações;

– Analisar a inserção do enfermeiro na equipe interdisciplinar e sua atuação no gerenciamento da equipe de enfermagem;

– Capacitar o enfermeiro para elaboração e participação em protocolos de atendimento ao cliente, família e comunidade, buscando a satisfação do cliente;

– Discutir as tendências atuais e futuras dos recursos diagnósticos; e

– Oferecer elementos para a produção de novos conhecimentos na área de enfermagem em exames diagnósticos, respeitando princípios éticos e legais.

As aulas acontecerão às terças e quintas-feiras, das 18h às 22h, e aos sábados (somente no 2º e 4º de cada mês), das 7h às 13h00. Conheça mais detalhes no site da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo:clique aqui.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 10, em 7/2/2013. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br

Faculdade Santa Casa de SP participa do 10º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva da Abrasco

A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo teve importante participação no 10º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, realizado em novembro de 2012, em Porto Alegre (RS). Organizado pela Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva), o evento tinha como objetivo atualizar os conhecimentos de profissionais e graduandos da área da saúde, por meio de oficinas, cursos, palestras e seminários.

Leslie Sales - Faculdade Santa Casa de São Paulo - EnfermagemPara representar a Faculdade, estiveram presentes no encontro a enfermeira Beatriz S. G. Calvancanti, graduada na turma XVI, além de Juliana Scavone, Mariana Morais e Leslie Sales, recém-formadas em Enfermagem. Elas apresentaram os seguintes trabalhos por meio de pôsteres eletrônicos:

• “Planejamento Estratégico Situacional em Saúde: elaboração e avaliação do instrumento para consulta de enfermagem ao paciente adulto”;
• “Contribuições do Programa Educação pelo Trabalho nas ações em saúde materna e infantil da Unidade Básica de Saúde Santa Cecília – Dr. Humberto Pascalli”;
• “Violência Doméstica: mapa da rede de proteção e apoio da região da Sé da cidade de São Paulo”.
• “Caracterização do perfil epidemiológico das vítimas de violência atendidas no Pronto Socorro Adulto do Hospital Central da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo”.

De acordo com a Dra. Cell Regina da Silva Noca, professora do curso de Enfermagem da Faculdade Santa Casa de São Paulo e orientadora dos trabalhos apresentados, ao lado da Dra. Lívia Keismanas, professora do mesmo curso, o encontro se destaca por discutir questões teóricas e práticas. “O evento aborda propostas melhores para a saúde coletiva. São temas muito contemporâneos, como a cultura da paz, a violência urbana e a formação no setor”, diz.

A docente também comenta a significativa presença da Instituição no Congresso. “Além das palestras ministradas por professores, foi fundamental o incentivo dado pela Faculdade à participação de alunos, custeando a estada, passagens e taxas de inscrição. Afinal, a troca de informações, com certeza, contribuiu para ampliar seus conhecimentos”, enfatiza.

A ex-aluna Leslie Sales classifica o Congresso como excelente. “Tivemos a oportunidade de conhecer novos profissionais, participamos de oficinas, rodas de discussões e palestras. Para mim, foi uma experiência inédita e que me incentivou a apresentar, no futuro, outros trabalhos”, conclui.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 9, em 22/1/2013. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br