Disciplina de Enfermagem discute as interferências da sociedade na saúde

Com o objetivo de introduzir os alunos aos conhecimentos sobre a compreensão do adoecimento da população, formas de percepção desses processos, sistemas de cura e intervenções terapêuticas desenvolvidas pelas culturas humanas, o curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo apresenta, no primeiro semestre, a disciplina de Ciências Sociais Aplicada à Saúde.

“A proposta é aprofundar o entendimento entre as ciências sociais e a saúde, englobando as contribuições dessa área para a Medicina. Com isso, é possível compreender a situação atual da sociedade brasileira, inclusive no âmbito familiar, associando-a aos cuidados necessários com a saúde”, conforme afirma o Dr. José Carlos Bittencourt, professor dos cursos de Enfermagem e de Medicina da Faculdade Santa Casa de São Paulo.

O especialista explica que a disciplina também aborda os desdobramentos e contribuições da área social à saúde coletiva. “Trata-se de um foco de estudo importante, visto que está presente nos cursos de Enfermagem, Fonoaudiologia e Medicina. O profissional precisa ter o conhecimento geral do ser humano, das múltiplas interações e da multiplicidade de fatores intersetoriais, respeitando as diversidades sociais e étnicas”, afirma.

De acordo com o professor, o enfermeiro irá utilizar o conteúdo obtido em sua rotina de trabalho, principalmente, no relacionamento com o paciente e com a família dele. Estes conhecimentos aprimoram a prática da atenção básica a saúde, aperfeiçoando as ações de promoção a saúde, a prevenção de doenças, o tratamento imediato participativo e responsável, além de maior adesão aos processos de recuperação e reabilitação do doente. “A situação do indivíduo adoentado não está ligada somente ao serviço de saúde, mas também à comunidade. É preciso observar como a família, o trabalho e a sociedade influenciam a pessoa. Afinal, todos estes aspectos interferem na recuperação do paciente”, finaliza.

Com salário em destaque, área da saúde mental abre oportunidades para enfermeiros especializados

Profª Dra. Cintia Vieira GonçalesA área de saúde mental e psiquiatria vem se destacando como um interessante nicho de atuação para os profissionais de enfermagem, de acordo com a Profª Dra. Cintia Vieira Gonçales, do Curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. “A falta de enfermeiros especializados nesse segmento gera oportunidades de trabalho associadas a uma média salarial mais alta para quem se dedica à saúde mental. Há ainda outro fator a ser considerado para a expansão desse foco de empregabilidade: a Organização Mundial de Saúde aponta que cerca de 25% das pessoas sofrem ou sofrerão de transtornos mentais ao longo da vida”, diz.

Para a especialista, os locais de trabalho para esses profissionais são muitos, tais como hospitais, ambulatórios, Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e Unidades Básicas de Saúde (UBS), entre outros.

“Até meados dos anos 80, a maioria dos tratamentos ocorria dentro dos hospitais, ou seja, o campo profissional para os enfermeiros era restrito à atuação junto ao paciente internado. Esse cenário se ampliou em função da atual política da saúde mental no Brasil, direcionada à comunidade, o que proporcionou a multiplicação das unidades extra-hospitalares e as chances de colocação no mercado”, explica a Profª Dra. Cintia.

Os enfermeiros especializados em psiquiatria atuam na relação clínica entre o paciente e sua família, além de promover ações para que o indivíduo tenha um ambiente propício para seu tratamento.

“Nos CAPS, ajudamos os pacientes a se inserirem na sociedade, avaliando-os individualmente. Na estratégia terapêutica em economia solidária, temos grupos de culinária e artesanato, por exemplo, em que eles recebem o dinheiro das vendas dos itens que produzem. Hoje, existem mais de 1.500 CAPS espalhados pelo Brasil e faltam profissionais especializados na área”, afirma.

Sobre os hospitais psiquiátricos, a professora diz que o foco desses enfermeiros está na interação direta com os pacientes: “Nesses locais, avaliamos diariamente as condições físicas e psíquicas de cada indivíduo e prescrevemos ações específicas para sua reabilitação em conjunto com a equipe terapêutica”.

Para formar profissionais especializados nessa área, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo disponibiliza uma especialização em Enfermagem Psiquiátrica e Saúde Mental. “O curso vem se desenvolvendo há dois anos, com experiência clínica dos alunos em setores especializados, para sua formação e ampla visão da área no Brasil e no mundo”, conclui a professora.

Para mais informações sobre a especialização clique aqui.

 Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 16, em 30/4/2013. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br.