Cuidadores de idosos: estamos preparados para essa função?

Há algumas décadas as famílias tinham como principal foco o cuidado e a educação dos filhos que seriam seus herdeiros e continuadores.

Nos últimos anos com o acelerado processo de envelhecimento populacional as famílias se defrontaram com uma nova situação para a qual não estavam preparados por absoluta falta de experiência familiar com o assunto: como cuidar dos pais e avós que agora vivendo mais passam a apresentar diversas doenças crônicas degenerativas que limitam muito sua autonomia tornando-os dependentes de cuidados e atenção especial para manterem um mínimo de qualidade de vida.

As famílias com situação econômica adequada resolveram esse “problema” contratando cuidadores profissionais, cuja formação para essa nova função muitas vezes é duvidosa.

Esse fato tem feito com que não raramente surjam notícias de maus tratos a idosos por pessoas sem o devido preparo para essa função.

Por outro lado, a maior parte das famílias que não pode contratar cuidadores profissionais está tendo que aprender com a prática, como cuidar desses idosos, com grandes dificuldades e consequências para suas estruturas familiares.

É frequente sermos procurados nos consultórios por pessoas estressadas e com diversos problemas de saúde causados por jornadas exaustivas e muitas vezes sem apoio de outros familiares, nos cuidados de idosos doentes e incapacitados com os quais vivem.

Essa é uma realidade que só vai crescer, pois o processo de envelhecimento populacional é um fato irreversível e com a vida cada vez mais longa teremos cada vez mais idosos para cuidarmos e com o mesmo carinho com que fomos criados quando éramos crianças.

Para que isso deixe de constituir um problema e torne-se uma nobre missão precisamos estar preparados adotando algumas atitudes fundamentais e urgentes, como:

Entender que a pessoa idosa que hoje depende de nós foi quem nos apoiou, educou e preparou para a vida adulta.

Entender que não é só de atenção física que necessitam, mas também de uma atenção essencial que é o carinho e apoio emocional que nenhum cuidador profissional pode dar como um filho ou neto.

Procurar cursos ou informações técnicas para estar adequadamente preparados para essa missão.

Partilhar esse trabalho com todas as pessoas da família evitando sobrecarregar uma só dos familiares que acabará neutralizando sua vida e adoecendo.

Pensem sobre isso e lembrem-se que existe uma grande probabilidade de você ser um desses idosos no futuro.

Antonio Monteiro, médico preventivista e clínico geral, é formado pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Anúncios