O envelhecimento, a linguagem e a memória

Prof.ª Cristiane Stravino Messas

Prof.ª Cristiane Stravino Messas

Não há como fugir do tempo. Com a idade, vem a sabedoria, a experiência e sinais, como fios brancos e algumas rugas, indicando as transformações para o corpo. Da mesma forma, com o passar dos anos, outros sinais também chegarão para a mente. Mesmo com todas as boas histórias para contar, a linguagem e a memória sofrem mudanças marcantes ao longo da vida. “A Fonoaudiologia ajusta-se muito bem a todos esses processos, tanto no estudo a respeito do envelhecimento humano quanto na atuação direta com pessoas que desejam envelhecer de forma harmônica às suas necessidades de vida”, explica Cristiane Stravino Messas, professora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Confira mais detalhes nos tópicos a seguir:

Estava na ‘ponta da língua’…
De acordo com Cristiane Messas, uma das primeiras manifestações de que o envelhecimento está afetando a linguagem ocorre quando surge a dificuldade para se falar determinados nomes ou palavras – que conhecemos bem – durante uma conversa. Seria uma situação equivalente à famosa expressão ‘estava na ponta da língua’. “Nesses casos, é bastante comum ouvirmos que a memória está fraca, quando, na realidade, trata-se de um processo de linguagem: o acesso às palavras já não é o mesmo”, completa.
Também é natural que algumas pessoas mais velhas ao chamarem o nome de um dos filhos, acabem por chamar o nome de todos os outros. Nessas ocasiões, a professora esclarece que nossas redes neurais vão se modificando e tendem a priorizar mais a generalidade do que a especificidade; por isso os nomes próprios, os mais específicos possíveis, são os primeiros a sofrer.

Sobre o que mesmo eu estava falando?
Outro caso habitual no envelhecimento é a capacidade de se manter a atenção em vários assuntos ao mesmo tempo ou demorar mais na hora de mudar de um foco para outro. “Essas questões cognitivas também estão relacionadas à linguagem. Observamos isso, por exemplo, quando conversamos com pessoas idosas. Podem ocorrer desvios no tema de uma conversa e, às vezes, perder-se o assunto central, ou até ocorrerem muitos detalhes ou histórias agregadas ao tema principal”, justifica.
Cristiane esclarece que há a tendência de pessoas idosas puxarem o assunto para fatos da própria biografia, pois o olhar para o passado é favorecido pelo envelhecimento. “A memória de longo prazo é melhor do que a recente. Frequentemente observam-se esquecimentos de fatos ocorridos há pouco tempo, como esquecer-se onde um objeto acabara de ser guardado. Porém, os fatos vividos há muito tempo ganham maior presença”, elucida.

A Fonoaudiologia na terceira idade
O papel do fonoaudiólogo no estudo da linguagem na velhice, de acordo Cristiane Messas, contribui para o conhecimento dos processos que ocorrem no envelhecimento natural e, com isso, diferenciá-lo do envelhecimento na presença de doenças neurológicas ou mentais, auxiliando para o diagnóstico precoce e diferencial, como, por exemplo, nas demências. “Todas as transformações citadas até agora são naturais no envelhecimento, mas não por isso são imutáveis; pelo contrário. Podemos estimular todos esses processos que nos fazem falta por meio do direcionamento de atividades específicas, jogos e exercícios de acordo com o estilo de vida de cada indivíduo”, esclarece a fonoaudióloga.  A importância dessas práticas, complementa Cristiane, são de certa forma conhecidas e divulgadas, mas há a necessidade ainda de aprendermos a identificar as vantagens das transformações que ocorrem no envelhecimento. “É possível aproveitarmos o processo de generalização que permite vermos de forma abrangente, e aplicarmos essa nova perspectiva às circunstâncias de nossas vidas pessoais ou profissionais; o favorecimento da memória antiga pode propiciar a revisão de aspectos de nossa biografia, além da oportunidade de transmitirmos nossas experiências às pessoas mais jovens”, conclui.

 

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 69, em 14/7/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Anúncios

 I Simpósio Internacional de Psicopatologia Fenomenológica

De 20 a 22 de novembro de 2014, quinta, sexta-feira e sábado, será realizado na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo o I Simpósio Internacional de Psicopatologia Fenomenológica – Tradição e atualidade da psicopatologia fenomenológica. A realização é da FCMSCSP e da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Será uma excelente oportunidade para debater o tema com convidados muito especiais. Registre o seu interesse em participar deste evento, ao final deste post, e seja informado quando as inscrições estiverem abertas. Confira: Coordenação Geral

  • Guilherme Messas, coordenador do curso de pós-graduação em Psicopatologia Fenomenológica da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Comissão Organizadora

  • Andrés Antúnez (USP)
  • Cristiane Messas (FCMSCSP)
  • Maurício Viotti Daker (UFMG)
  • Melissa Tamelini (HCFMUSP)
  • Quirino Cordeiro Junior (FCMSCSP)
  • Virgínia Moreira (UNIFOR)

  Palestrantes Internacionais*

  • Georges Charbonneau,  doutor em Medicina, diretor de Pesquisa, Université Paris VII – Denis Diderot e presidente da Association le Cercle Herméneutique
  • Gilberto Di Petta, médico especialista em neuropsiquiatria – Psiquiatra do Departamento de Adicções – Departamento de Saúde Mental, Hospital Psiquiátrico de Nápoles II e vice-presidente da Società Italiana per la Psicopatologia Fenomenologica
  • Otto Dörr-Zoegers, doutor em Medicina – Faculdade de Medicina – Universidade Diego Portales, Santiago, Chile e Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina – Universidade de Chile

  Palestrantes Nacionais*

  • Andrés Antunez (USP)
  • Cristiane Stravino Messas (FCMSCSP)
  • Guilherme Messas (FCMSCSP)
  • Luis Guilherme Streb (UFRGS)
  • Maurício Viotti Daker (UFMG)
  • Mauro Aranha-Lima (CREMESP)
  • Melissa Tamelini (HCFMUSP)
  • Nelson Coelho Jr. (USP)
  • Octávio Serpa (UFRJ)
  • Paulo Dalgalarrondo (UNICAMP)
  • Virgínia Moreira (UNIFOR)

  Temas a serem discutidos

  • Fenomenologia e as influências de Karl Jaspers
  • A psicoterapia fenomenológica
  • Fenomenologia, psicanálise e neurociências
  • Fenomenologia da toxicomania
  • Fenomenologia da depressão
  • Fenomenologia das esquizofrenias
  • Fenomenologia da histeria

  Valores de Inscrição**

  • R$450,00 – Médicos
  • R$300,00 – Residentes, egressos FCMSCSP, demais participantes
  • R$150,00 – Estudantes de graduação

* A programação está sujeita a alterações sem prévio aviso. ** Os valores são referência para o mês de julho de 2014 e serão confirmados posteriormente. REGISTRE SEU INTERESSE Seja informado sobre a abertura das inscrições, preenchendo o formulário abaixo:

 

Jornada de Fonoaudiologia: garanta a sua inscrição

Jornada de Fonoaudiologia da Faculdade Santa Casa de SPFalta pouco para o início da 11ª Jornada Acadêmica do Curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. O encontro será realizado nos dias 4, 5 e 6 de setembro, quarta, quinta e sexta-feira, e integra as atividades comemorativas do cinquentenário da Instituição.

Na programação, temas como Diferentes Abordagens na Atuação da Disfagia, Equipe Interdisciplinar na Voz Profissional, O Papel do Coach na Competência Comunicativa, Implante Coclear e Neurociência e Linguagem, entre outros.

As inscrições estão abertas e as vagas são limitadas. A Jornada conta com o apoio do Grupo Micro Som e da Phonak, e será realizada na Rua Dr. Cesário Motta Jr., 112, Vila Buarque, São Paulo (SP).

Para conhecer a programação completa e realizar a sua inscrição, clique aqui.

Fonoaudiologia da FCMSCSP marca presença em congressos internacionais

Duas pesquisas desenvolvidas no curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo foram recentemente apresentadas em congressos internacionais, demonstrando a qualidade dos trabalhos realizados na Instituição.

Prof.ª Dra. Noemi TakiuchiEm Manchester (Inglaterra), a professora Noemi Takiuchi apresentou o pôster “Linguistic profile of Brazilian children entering primary school with positive screening for developmental language disorders”, no Child Language Seminar 2013. Os dados apresentados fazem parte de um projeto em andamento, sobre fatores de risco e de proteção para o desenvolvimento da leitura e contou com a participação das fonoaudiólogas Camila Andrade Barboza e Liliane Resende Laviano, alunas do Mestrado Profissional em Saúde da Comunicação Humana.

Fonoaudiologia

E no International Epilepsy Congress, em Montreal (Canadá), a aluna Raiene Telassin Barbosa Abbas apresentou o trabalho “Research of communication skills in patients with epilepsy”, resultado de sua pesquisa de iniciação científica financiada pelo Fundo de Amparo à Pesquisa FAP-FCMSCSP e orientada pelas professoras Cristiane Stravino Messas e Christina Funatsu Coelho.