Dr. Maffei é homenageado por sua contribuição acadêmica à Faculdade Santa Casa de São Paulo

Como forma de agradecer ao saudoso Professor Doutor Walter Edgard Maffei (1905-1991) por sua contribuição acadêmica à Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, será realizado o evento “Última Aula do Prof. Maffei no Juqueri – Uma homenagem de seus alunos”, no dia 3 de julho, das 17h30 às 19h, nos Auditórios Emilio Athié e Paulo Augusto Ayrosa Galvão.

O encontro integra o calendário das atividades comemorativas do cinquentenário da Faculdade e contará com a apresentação de um vídeo da última aula proferida pelo acadêmico, além de um espaço para debate. O Dr. Maffei foi o fundador do departamento de Patologia da Faculdade Santa Casa de São Paulo e do Serviço de Anatomia Patológica da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

 Dra. Carmen Lucia Penteado Lancellotti

Segundo a Dra. Carmen Lucia Penteado Lancellotti, ex-aluna do Dr. Maffei e coordenadora do evento, uma das principais contribuições do professor foi compartilhar todo o seu conhecimento com a Instituição de ensino. “O Dr. Maffei era um profundo conhecedor da Medicina, sendo um profissional muito estudioso, humilde e de grande dedicação à Santa Casa e à Faculdade Santa Casa de São Paulo. Prova disso, é que não tinha consultório e não cobrava por consultas”, afirma.

Dra. Carmen ainda explica que o Dr. Maffei tinha um arquivo de slides com todos os casos de necropsia e de patologia cirúrgica com o objetivo de dividir todas as informações adquiridas. “Ele fotografava e depois datilografava pessoalmente, com a máquina de escrever que hoje está no Museu da Santa Casa, as fichas dos casos arquivados para repassar o conhecimento aos alunos. Quando chegava de manhã bem cedo ao departamento de Patologia, o professor colocava o avental e descia ao necrotério para ver as necropsias. Para ele, é no necrotério que se aprende Medicina”, diz.

Aos que não tiveram a oportunidade de conhecer o acadêmico, a professora deixa uma frase que sempre era pronunciada por ele: “Não existe sentido em se guardar o conhecimento só para si. Ele sempre precisará ser repassado a outros, senão não terá qualquer valor”, narra.

Leia o texto que a Dra. Carmen escreveu sobre sua convivência profissional de 20 anos ao lado do Dr. Maffei. Clique aqui.

Serviço
Evento: “Última Aula do Prof. Maffei no Juqueri – Uma homenagem de seus alunos”
Local: Auditórios Emilio Athié e Paulo A. Ayrosa Galvão
Data: 3/7/2013, quarta-feira
Horário: das 17h30 às 19h00

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 20, em 25/6/2013. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

“A Faculdade Santa Casa de São Paulo abriu meus horizontes”

Dr. Dino MartiniO Dr. Dino Martini Filho é chefe do departamento de Anatomia Patológica da Santa Casa de São Paulo e diretor do departamento de Ciências Patológicas da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, na qual se formou em Medicina, em 1971. O Ex-Santa conta ao Conectar a importância que o curso teve nas etapas de evolução de sua carreira, além de deixar uma mensagem aos atuais alunos da Instituição.

Conectar – Como o senhor descreve a época em que cursava a graduação na Faculdade Santa Casa de São Paulo?
Dr. Dino – A graduação na Faculdade foi um dos momentos mais importantes e felizes da minha vida. Eu tive a sorte de conhecer professores que marcaram minha trajetória. Essa Instituição sempre me proporcionou um ambiente muito agradável e construtivo, abrindo meus horizontes. Aqui, eu adquiri uma nova identidade, sou o “Dino da Santa Casa”, algo maravilhoso.

Conectar – O curso tomava muito tempo de sua rotina?
Dr. Dino – Sim, o curso requer muita dedicação. No tempo em que era residente, em tempo integral, tinha hora para entrar, mas não tinha para sair.

Conectar – O senhor sempre sonhou em ser médico?
Dr. Dino – Desde os meus cinco anos de idade! Eu sempre me senti atraído pela área biológica, porém gostava muito do universo da mecânica. Desde os sete anos, eu tenho uma oficina em casa, em que construí muitas máquinas. Quando era adolescente fiquei um pouco em dúvida se queria ser engenheiro, mas a Medicina sempre falou mais alto.

Conectar – Quais desafios o senhor enfrenta hoje na área em que atua?
Dr. Dino – Atualmente, o maior desafio da anatomia patológica é o conhecimento do ponto de vista molecular, pois a Medicina quer entender essa questão e suas alterações.

Conectar – A Faculdade está completando 50 anos em 2013. Qual mensagem o senhor gostaria de deixar aos alunos da Instituição?
Dr. Dino – Quero dizer que a Faculdade tem que ser uma diversão, e sempre falo isso em aula. A graduação, com toda sua carga de trabalho e desgaste físico que promove, tem que proporcionar a felicidade. Se isso não existir, desista!

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 18, em 28/5/2013. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br.