Pesquisa de alunos da FCMSCSP questiona: é seguro andar de bicicleta em São Paulo?

Dr.-Tércio-de-campos

Dr. Tércio De Campos

A cada dia que passa, vem aumentando o número de adeptos ao transporte limpo em São Paulo. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope), o número de ciclistas cresceu 50% no ano de 2014, passando de 174,1 mil para 261 mil paulistanos utilizando bikes, seja para trabalhar, seja para passear. A cidade de São Paulo, inclusive, possui atualmente mais de 477 km de infraestrutura cicloviária (ciclovias, ciclorrotas e ciclofaixas operacionais de lazer), segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Diante desse cenário, o professor do curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Dr. Tércio De Campos, notou que houve também um aumento no surgimento de ciclistas acidentados no Pronto Socorro do Hospital Central da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. “No meu plantão de hoje, por exemplo, havia dois ciclistas acidentados. Queríamos, então, saber quem era essa população, qual a situação e o tipo de lesão que sofria”, completa o Dr. Tércio.

A partir desses questionamentos e juntamente com o Dr. Renato Pescarolo Zan, presidente do Avisa (Núcleo de Acidentes e Violência da Santa Casa de São Paulo), e por meio do Programa de Educação Tutorial (PET) do Ministério da Saúde, os professores da FCMSCSP selecionaram alunos do curso de Graduação em Medicina com participação mais ativa para discutir o projeto: “Por um ano nós acompanhamos 68 ciclistas acidentados no PS da ISCMSP, o que representa, em média, mais de um ciclista por semana. Desse total, 23 utilizavam a bicicleta para lazer e 45 usavam para trabalho ou transporte. Ainda em cima do número total, cinco ciclistas morreram e, desses, todos tinham sinal de traumatismo de crânio e não estavam usando capacete”, detalha o professor.

Intitulado “Trauma em Ciclistas em São Paulo: é seguro andar de bicicleta?”, o trabalho foi apresentado no 31º Congresso Brasileiro de Cirurgia, realizado em agosto, em Curitiba (PR).  “Do total de ciclistas avaliados, 78% deles sofreram traumatismo no crânio”, explica o Dr. Tércio. Na opinião do professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, o uso de capacetes para ciclistas deveria ser obrigatório. A pesquisa visa aumentar a conscientização e a segurança de ciclistas, apresentando a importância do uso de equipamentos de segurança, fiscalização, direitos e deveres dos ciclistas.

“Dezesseis por cento dos ciclistas entrevistados afirmaram não se sentir seguros em andar de bicicleta em São Paulo. Notamos, entretanto, que os ciclistas não respeitam leis de trânsito e não são fiscalizados, – passam em sinais vermelhos, por exemplo –, estão muitas vezes juntos dos carros, pois nem sempre há uma ciclofaixa isolada. Então é perigoso ir para as ruas sem o conhecimento e respeito das leis. Deveria, inclusive, existir uma fiscalização quanto ao uso de álcool e drogas. Nesse estudo, apuramos que um terço dos ciclistas atendidos tinha feito uso destas substâncias no momento da atividade”, ressalta o professor.

O estudo apontou ainda que 55% dos ciclistas que não usavam equipamentos de segurança diziam acreditar não ser necessário seu uso, 8% alegavam o preço como o principal motivo que impedia a sua utilização e outros 5% julgavam que o uso atrapalhava a atividade. Os alunos que colaboraram para a realização da pesquisa, que ainda não foi publicada,  foram Angelo Chelotti Duarte e Diogo Cesar dos Santos (4º ano); Felipe Antonio Sulla Lupinacci (5º); Marcus Vinicius Briani (6º); e os ex-alunos também de Graduação em Medicina: Roberta Bassan, Roberto Topolniak e Lucas Pires Oliveira Cordeiro.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 73, em 9/9/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Anúncios

Pesquisa de alunos da FCMSCSP fica em 1º lugar no 31º Congresso Brasileiro de Cirurgia

31º Congresso Brasileiro de Cirurgia.Significativa nas instituições de ensino superior, a pesquisa científica auxilia o aluno a ter uma visão mais ampla daquilo que se propõe a estudar e investigar. Com dedicação, esse estudo pode vir a dar mais visibilidade ao pesquisador junto ao mundo acadêmico. Na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, isso não é diferente, diversos grupos de estudos são formados, utilizando-se de diferentes abordagens e linhas de investigação, sob a coordenação dos professores da FCMSCSP.  Os grupos e suas respectivas pesquisas são incluídas na base do Diretório de grupos de Pesquisa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Para os alunos, do curso de Graduação em Medicina da FCMSCSP, Joyce Francisco, do 6º ano, Camilla Bilac Oliari e Juliano Mangini Dias Malpaga, ambos do 5º ano, a dedicação à pesquisa já apresenta seus primeiros resultados com o trabalho Indicadores de lesões intra-abdominais em vítimas de trauma fechado admitidas sem dor abdominal ou alterações no exame físico do abdômen, que foi premiado com o 1º lugar no 31º Congresso Brasileiro de Cirurgia. “A delegação da FCMSCSP foi a maior no evento; levamos 16 alunos que já faziam parte de grupos de estudos da Faculdade, dos quais o Prof. Dr. José Gustavo Parreira, outros professores e eu fomos os responsáveis pela coordenação. Sempre os estimulamos a inscreverem seus trabalhos e a Faculdade ajudou, neste caso, custeando a inscrição deles no Congresso e liberando os alunos de suas atividades”, explica o Dr. Tércio de Campos,professor adjunto do departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

O evento que ocorreu, entre os dias 2 e 5 de agosto, em Curitiba (PR), reuniu estudantes e profissionais da área cirúrgica de todo o país.  “Foram cerca de 2 mil trabalhos inscritos com temas livres, deste total 42 foram apresentados e 4 eram da FCMSCSP, sendo dois na área de trauma e dois focados no serviço de emergência”, acrescenta o Dr. José Gustavo Parreira, professor assistente do departamento de cirurgia da FCMSCSP e coordenador do trabalho vencedor.

Os dois professores ressaltam que a conquista trouxe entusiasmo para os alunos, pois a chance é muito pequena em um evento deste porte, acaba sendo muito concorrido, e isso é um grande estímulo para os próximos passos, completam.

Vale ressaltar que os autores da pesquisa receberam um certificado de melhor trabalho do Congresso, foram representados pela aluna Joyce Francisco que apresentou o trabalho no Congresso. Além do prêmio, três trabalhos de alunos do curso de Graduação em Medicina da FCMSCSP receberam menção honrosa no evento: Análise das Lesões intra-abdominais “ocultas” em vítimas de Trauma Fechado; Avaliação prospectiva da falência e função orgânica de 168 pacientes com pancreatite aguda em um único centro universitário; Alcoolização por ecoendoscopia de hemangioma gigante intra-abdominal: nova técnica de tratamento.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 72, em 25/8/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Alunos da FCMSCSP conquistam o prêmio de 1º lugar no 31º Congresso Brasileiro de Cirurgia

alunos-de-Medicina-da-FCMSCSP

Alunos do 2º ao 6º ano do curso de Graduação em Medicina da FCMSCSP durante o 31º Congresso Brasileiro de Cirurgia

Entre os dias 2 e 5 de agosto, alunos do 2º ao 6º ano do curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, sob a coordenação do Prof. Dr. Tércio de Campos e Dr. José Gustavo Parreira, professores da FCMSCSP, estiveram presentes no 31º Congresso Brasileiro de Cirurgia.

Nesta edição, o evento ocorreu em Curitiba (PR), reunindo estudantes e profissionais da área cirúrgica de todo o país que apresentaram cerca de 2 mil trabalhos temas cirúrgicos. “A delegação da FCMSCSP foi a maior no evento; levamos 16 alunos que já faziam parte de grupos de estudos da Faculdade, nos quais o Prof. José Gustavo, outros professores e eu fomos os responsáveis pela coordenação. Sempre os estimulamos a inscrever seus trabalhos e a Faculdade ajudou, neste caso, por exemplo, custeando a inscrição deles no Congresso e liberando os alunos de suas atividades”, explica o Dr. Campos.

No entanto, não foi só em número que a FCMSCSP marcou presença. Os alunos Joyce Francisco, do 6º ano, Camilla Bilac Oliari e Juliano Mangini Dias Malpaga, ambos do 5º ano, conquistaram o prêmio de 1º lugar no Congresso pelo trabalho Indicadores de lesões intra-abdominais em vítimas de trauma fechado admitidas sem dor abdominal ou alterações no exame físico do abdômen. “Fomos orientados pelo Prof. José Gustavo Parreira. Fui a responsável por representar o grupo e apresentar o trabalho no Congresso. Nós achávamos que tínhamos chance de ganhar, mas não esperávamos”, conta Joyce Francisco. O Prof. Tércio de Campos completa: “Além dos autores receberem um certificado de melhor trabalho do Congresso, aumenta-se a chance de publicação para esse trabalho.  É importante ressaltar ainda que mais três trabalhos de alunos de Graduação em Medicina da FCMSCSP receberam menção honrosa”, conclui.