Fórum de Discussão de Enfermagem sobre o Transtorno do Espectro do Autismo

Forum-Autismo-Enfermagem-Faculdade-Santa-CasaNo dia 8 de abril, sábado, das 7h às 12h00, o curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo realiza o Fórum de Discussão de Enfermagem sobre o Transtorno do Espectro do Autismo, na Sala 29, 8º andar do Prédio 61. As inscrições vão até o dia 7/4, sexta-feira.

Voltado para estudantes, professores, profissionais da área da saúde, educação e demais interessados no tema, o fórum tem como objetivo promover a difusão de conhecimentos por meio da troca de experiências e informações com profissionais atuantes na área saúde e educação, com temas pertinentes ao cotidiano da pessoa com TEA (Transtorno do Espectro do Autismo).

Conheça a programação e inscreva-se no Fórum de Discussão de Enfermagem sobre o Transtorno do Espectro do Autismo

Fórum de Discussão de Enfermagem sobre o Transtorno do Espectro do Autismo
Data: 8 de abril, sábado
Horário: das 7h às 12h00
Local: Rua Dr. Cesário Motta Júnior, 61 – Sala 29 – 8º andar.

Pulsoterapia: técnica minimiza efeitos da cortisona em pacientes com doenças autoimunes

Morton-Scheinberg-ex-Santa-FCMSCSP

Dr. Morton Scheinberg, ex-aluno da 1ª turma do curso de Graduação em Medicina da FCMSCSP

Como forma de administrar doses elevadas de cortisona, por curtos períodos, para combater as manifestações em pacientes com doenças autoimunes, foi criada a pulsoterapia. De acordo com o Dr. Morton Scheinberg, reumatologista e imunologista do Hospital Israelita Albert Einstein e ex-aluno da 1ª turma do curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, esta técnica foi introduzida em 1976, em uma publicação pioneira no periódico Lancet, quando o médico estava em treinamento no serviço de reumatologia da Universidade de Boston. “Fui um dos autores da publicação original no periódico que apontava a melhora da função renal após o tratamento com a técnica em pacientes portadores de nefrite lúpica. Isto seguiu uma contínua carreira como clínico e pesquisador na área das doenças autoimunes em particular nas inovações terapêuticas no Lupus com publicações de relevo até os dias atuais”, conta.

A pulsoterapia é muito comum em pacientes com Lúpus, doença autoimune que faz com que o sistema imunológico que nos protege contra infecções se vire contra os tecidos do próprio organismo, que os reconhecem como “estranho”, e provoque lesões em importantes órgãos do corpo humano. “Os sintomas mais frequentes são artrites, lesões na pele, perda do couro cabeludo, fadiga excessiva, febre, problemas no rim e no sistema nervoso e anemia, causada pela queda de plaquetas de glóbulos vermelhos”, explica o Dr. Morton. Além do Lupus, hoje a pulsoterapia é utilizada para tratamento de diversas doenças autoimunes, como artrite reumatóide e esclerose múltipla, entre outras.

Reconhecimento
Em comemoração aos 40 anos de introdução da pulsoterapia, o American College of Rheumatology (Colégio Americano de Reumatologia) homenageou o Dr. Morton em publicação na revista The Rheumatologist: “Os progressos nesta área são grandes não só por meio de minhas pesquisas, mas em outros centros no mundo, em particular no Brasil, com vários pesquisadores de renome no cenário internacional. Minha trajetória nesta área continua até hoje como clínico e pesquisador inovando no controle das doenças autoimunes, atuando em consultório, ensino e pesquisa”, finaliza.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 107, em 28/3/2017. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

Fonoaudiologia da FCMSCSP completa 15 anos

15-anos-fonoaudiologia-faculdade-santa-casaO curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo iniciou sua primeira turma em 2002, sob a direção da Prof.ª Dra. Katia de Almeida, com o objetivo de formar profissionais capazes de atuar na prevenção, avaliação e diagnóstico, habilitação e reabilitação dos indivíduos portadores de distúrbios da comunicação humana. Nestes 15 anos de existência, o curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP já formou 226 fonoaudiólogos, dos quais cerca de 90% se mantêm atuantes no mercado de trabalho, com boa inserção em diferentes áreas da especialidade.

Segundo a Prof.ª Dra. Ana Luiza Navas, diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP desde 2008, um dos pontos fortes do curso está no corpo docente, composto por profissionais com experiência e destaque nacional nos diversos campos de atuação na Fonoaudiologia. “Dentre os docentes do curso, existem editores de periódicos científicos da área, participantes em conselhos editoriais de periódicos, diretorias e conselhos de sociedades científicas, bancas, comissões de avaliação e premiação de mérito científico”, afirma.

“O nosso curso foi o primeiro do Brasil a contratar uma professora surda para ministrar a disciplina de Libras que passou a ser uma exigência para diversos cursos de graduação. Desde 2006, a Prof.ª Sylvia Lia integra o quadro de docentes da FCMSCSP, agora ministrando também aulas para a Enfermagem e a Medicina”, acrescenta a Prof.ª Katia de Almeida, vice-diretora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP.

Os projetos de extensão também têm sido uma característica marcante do curso ao longo desses 15 anos. A participação dos alunos nas ações de extensão se intensifica a cada ano, com o desenvolvimento de atividades por meio de parcerias e ações conjuntas com instituições governamentais e organizações do terceiro setor. “Nos últimos anos, pudemos contar com a colaboração dos alunos em ações como o Encontro de Atenção à síndrome de Down, Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, Feira da Saúde, Dia Mundial da Voz, Virada Educação, Caminhada do Silêncio pelo Dia Nacional do Surdo, Saúde em Libras para o Surdo (SALIS) e Programa Expedições Científicas e Assistenciais (PECA). Esse envolvimento em ações de extensão promove a formação de profissionais fortemente engajados nas causas sociais relacionadas à saúde da comunicação humana”, conta a Dra. Ana Luiza Navas.

Além do envolvimento do ensino da graduação, os docentes do curso ministram aulas em programas de pós-graduação lato sensu e stricto sensu, como é o caso do Programa de Mestrado Profissional em Saúde da Comunicação Humana da FCMSCSP, que tem como objetivo principal preparar fonoaudiólogos e outros profissionais da saúde ou da educação, interessados nos processos e distúrbios da comunicação humana, para a utilização da investigação científica como recurso para o aprimoramento do trabalho. “A implantação do programa justificou-se pela tradição e características assistenciais da instituição, além da ampla inserção no Sistema Único de Saúde com ambientes favoráveis para formação, capacitação e pesquisa na área. O desenvolvimento de pesquisas pode ser constatado pela alta taxa de auxílios à pesquisa com recursos financeiros de agências de fomento (Fapesp, CNPq), bolsas de iniciação cientifica e participação de nossos docentes e alunos em eventos científicos nacionais e internacionais da área e correlatos”, conta a Prof.ª Dra. Katia de Almeida, que também é coordenadora do Mestrado Profissional.

Em comemoração aos 15 anos do curso, foi criada uma agenda com ações especiais, além de um selo comemorativo, que representa a consolidação da fase inicial de construção do curso e celebra a maturidade da formação de ensino, pesquisa e extensão de qualidade e responsabilidade social. “Fica evidente a intrínseca relação do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP com a assistência promovida nos diversos setores e departamentos da ISCMSP. Para comemorar a data, preparamos eventos especiais e esperamos contar com a presença de parceiros e colaboradores, e, sobretudo, de nossos ex-alunos, com quem sempre mantemos contato”, finaliza a Dra. Ana Luiza Navas.

Fonoaudiologia-15-anos-faculdade-santa-casa

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 107, em 28/3/2017. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

Aplicativo administra cuidados com a saúde de pessoas com síndrome de Down

Carla-Franchi-Pinto-Faculdade-Santa-Casa

Dra. Carla Franchi Pinto, professora do Departamento de Ciências Patológicas da FCMSCSP

Com o objetivo de manter o debate sobre soluções que possam melhorar a vida de pessoas com síndrome de Down, um grupo formado por professores e alunos da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, desenvolveu o Elo21, um aplicativo que funciona como uma agenda virtual para administrar os cuidados com a saúde de crianças e demais pessoas com síndrome de Down, seguindo as diretrizes do Ministério da Saúde. O desenvolvimento do app teve ainda a parceria do Ambulatório Multidisciplinar de Orientação à síndrome de Down, do Departamento de Pediatria da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

O Elo21 funciona de forma simples e exige apenas que se preencha a data de nascimento e o sexo da pessoa com síndrome de Down. Posteriormente, os pais ou responsáveis podem incluir todas as informações passadas pelos médicos e os resultados de exames feitos. Segundo a Dra. Carla Franchi Pinto, professora do Departamento de Ciências Patológicas da FCMSCSP, uma das responsáveis pelo desenvolvimento do Elo21, a ideia surgiu do desejo em apoiar as famílias na gestão da saúde dessas pessoas.

“Acompanhando essas famílias, sentimos que para ter um resultado melhor era preciso ter um canal único de comunicação para uso de todos os profissionais da rede de atendimento às pessoas com síndrome de Down e seus familiares. Com os dados das consultas e exames inseridos no aplicativo, é possível perceber como está a evolução dessas pessoas, em cada área”, afirma a geneticista.

Angelo Chelotti Duarte, aluno do 6º ano do curso de Graduação em Medicina da FCMSCSP, foi um dos programadores do Elo21: “Eu já havia desenvolvido outros aplicativos voltados para pediatria, dentro da FCMSCSP, o que me levou a ser convidado para o projeto do app. Sempre gostei de tecnologia e pretendo continuar a usá-la como ferramenta na medicina. É gratificante poder desenvolver uma solução eficaz, sabendo das reais necessidades dos pacientes”, afirma o estudante.

app-elo-21-sd-faculdade-santa-casaA Dra. Carla destaca ainda a praticidade que a tecnologia trouxe para os usuários do Elo21, que contam com todo o histórico médico da pessoa com síndrome de Down em um
único lugar. “O aplicativo é também uma forma de facilitar a vida dos pais e responsáveis que não precisam mais carregar vários papeis e documentos para todas as consultas. Agora, eles têm tudo isso em um único lugar”, explica.

Além disso, o app é muito importante para a área científica, pois pode ajudar na coleta de dados para pesquisas, terapias e atendimentos à saúde: “Quanto mais usuários do aplicativo tivermos, mais fácil será detectar se está havendo alguma falha no atendimento em alguma especialidade médica e também verificar o que está acontecendo em determinada região, para poder exigir melhoras. O Elo21 também é uma forma de melhorar a saúde pública”, finaliza a Dra. Carla.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 107, em 28/3/2017. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br. 

Lançamento do livro “Língua de Sinais e Cognição – LiSCo”

lisco-faculdade-santa-casaSob a coordenação da Dra. Sylvia Lia Grespan, professora do curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, no dia 30/3, quinta-feira, das 14h às 17h, no Auditório Emilio Athié, acontecerá o lançamento do livro “Língua de Sinais e Cognição – LiSCo: Estudos em Avaliação Fonoaudiológica baseada na Língua Brasileira de Sinais”. No local, haverá uma tarde de autógrafos. A obra conta com capítulos da Dra. Ana Luiza Navas e da Dra. Noemi Takiuchi, também professoras do curso de Graduação em Fonoaudiologia da FCMSCSP.

Síndrome do Túnel do Carpo em gestantes

Young pregnant woman holds her hands on her swollen belly. LoveCaracterizada por dormência e formigamento na mão e no braço causados por um nervo no punho, a Síndrome do Túnel do Carpo é comum em 35% das gestantes. Essa é a segunda neuropatia mais comum entre as grávidas, perdendo somente para a dor lombar.

Para falar sobre o assunto, o Dr. Antonio Carlos da Costa, professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e chefe do Grupo de Cirurgia da Mão e Microcirurgia do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Irmandade de Misericórdia da Santa Casa de São Paulo concedeu uma entrevista ao Portal Clickbebê.

Clique aqui e confira a matéria na íntegra.

Qual é o colchão ideal para você?

robert-meves-faculdade-santa-casaO momento de escolher um colchão pode vir com muitas dúvidas. Mola ou espuma? Qual é a melhor densidade de acordo com peso e altura? Para quem tem problemas na coluna, há alguma recomendação?

Em entrevista à Folha de S. Paulo, o Dr. Robert Meves, ortopedista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo explica como escolher o colchão ideal para você.

Clique aqui e confira a entrevista completa.