Pós-graduação em Medicina Hiperbárica

peca-facebookAté o dia 12 de setembro de 2016, estão abertas as inscrições para o curso de Pós-graduação em Medicina Hiperbárica da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Com taxa de inscrição no valor de 75 reais, o programa da FCMSCSP é destinado aos médicos que atuem ou tenham interesse em atuar em Medicina Hiperbárica.

Sob a coordenação do Dr. Daniel Romero Muñoz, o curso tem como objetivos a capacitação e aprimoramento de médicos para orientar, analisar, realizar pesquisas e contribuir na segurança e organização de atividades em ambiente hiperbárico. Identificação dos fatores de risco e estabelecimento de programas de prevenção. Conhecer como e porque acontecem acidentes de mergulho, que tipo de acidentes são estes, acompanhar sua evolução e identificar suas características.

Saiba mais e inscreva-se no curso de Pós-graduação (lato sensu) em Medicina Hiperbárica.

Fisioterapia Neurofuncional: inscrições abertas até 11/7

peca-facebookO programa de Pós-Graduação em Fisioterapia Neurofuncional da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo está com inscrições abertas até o dia 11 de julho. A especialização tem como objetivo fornecer conhecimentos, por meio da prática clínica e ensino teórico, aos fisioterapeutas na área de Fisioterapia Neurofuncional. Engloba aspectos preventivos, curativos e reabilitadores em pacientes com afecções neurológicas, em nível ambulatorial ou em enfermaria. A taxa de inscrição é de 75 reais e as aulas terão início em 15 de agosto de 2016 às 7h para o período matutino e às 13h para o período vespertino. O programa tem a duração de 15 meses, totalizando 1.800 horas.

Para se inscrever, basta acessar a página do curso de Pós-graduação (lato sensu) em Fisioterapia Neurofuncional, no Portal da FCMSCSP.

Curso de Pós-graduação da FCMSCSP qualifica enfermeiros para atendimentos de urgência e emergência

Aline-Beatriz-Moreira-Gullo-faculdade-santa-casa

Prof.ª Mestra Aline Beatriz Moreira Gullo, coordenadora do curso de Pós-graduação em Enfermagem em Urgência e Emergência com Ênfase em Atendimento Pré-Hospitalar

A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo está com inscrições abertas para o curso de pós-graduação em Enfermagem em Urgência e Emergência com Ênfase em Atendimento Pré-Hospitalar. O programa apresenta uma grade curricular abrangente, com professores experientes e capaz de suprir as necessidades de formação acadêmica, além atender às exigências do mercado de trabalho que necessita de profissionais preparados para atuar nesta área crítica da saúde brasileira. De acordo com a Prof.ª Mestra Aline Beatriz Moreira Gullo, coordenadora do programa, o projeto pedagógico do curso foi construído para que o enfermeiro tenha competências e habilidades no atendimento de pacientes adultos, pediátricos e idosos em situações de emergência e urgência: “O especialista atuará com agilidade e abordagem humanizada, por meio do aprendizado dos protocolos de instituições renomadas nacionais einternacionais nas áreas de emergências cárdio/clínicas, ACLS (Advanced Cardiologic Life Support), emergências traumáticas, ATCN (Advanced Trauma Care for Nurses) ou emergências pediátricas, PALS (Pediatric Advanced Life Support), sendo treinado a gerenciar até mesmo o atendimento em catástrofes”, conta. O enfermeiro especialista em Urgência e Emergência pode atuar em unidades de atendimento pré-hospitalar, unidades de saúde 24 horas, pronto socorro, unidade de terapia intensiva geral e neonatal, unidades de internação, tanto em serviços públicos quanto em privados.

De acordo com a professora, o aprimoramento deve ser constante em todas as profissões, principalmente a área de saúde. Isso porque todo atendimento ao indivíduo, em qualquer ciclo da vida e em todas as áreas de atenção, segueprotocolos que são constantemente atualizados. “É necessário que o profissional Enfermeiro esteja sempre engajado e sabedor destas atualizações, pois o mercado exige deste profissional de enfermagem um aprofundamento teórico específico, bem como tomada de decisões adequadas, uma vez que irão interagir diretamente na sobrevida do paciente”, afirma a Prof.ª Aline.

Além disso, com o intuito de promover o exercício do pensamento crítico para o julgamento clínico que possibilita a assistência especializada e diferenciada, o curso contará com aulas práticas, realizadas em Centro de Simulação, onde as todas as situações de urgência e emergência, detalhadas nas aulas teóricas, serão vivenciadas na prática: “O curso tem 80 horas de estágio supervisionado em Pronto Socorro, nos setores de Trauma, Triagem, Pediatria e Psiquiatria, além de Unidade de Atendimento Pré-Hospitalar e Simulado de Atendimento de Catástrofe”, complementa a professora.

O diferencial do curso, segundo a coordenadora desta especialização, é permitir o preparo de profissionais para o mercado de saúde habilitados para atuarem com competência nas situações de Urgência e Emergência nas diversas unidades, intra e pré-hospitalar. “Para isso, contamos com o corpo docente qualificado de renomada experiência nas áreas de urgência e emergência. As situações de aprendizagem são baseadas em estudos de casos com prioridade nas aulas teórico-práticas. Ao final dos módulos, os alunos possuem o estágio curricular que propicia condições para vivenciar situações reais da prática profissional, demonstrada e discutida no decorrer do curso, o que permite o profissional perceber o compromisso social do trabalho em relação ao Sistema Único de Saúde (SUS)”, finaliza a Prof.ª Aline.

Serviço
Com 105 vagas disponíveis, as inscrições para a pós-graduação em Enfermagem em Urgência e Emergência com Ênfase em Atendimento Pré-Hospitalar vão até o dia 11 de julho de 2016.
Obs.: condições especiais para ex-alunos ou funcionários da Santa Casa de São Paulo.
Inscrições no site: www.fcmsantacasasp.edu.br
Início das aulas: 20 de agosto de 2016.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 90, em 14/6/2016. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Fisioterapia nas Afecções da Coluna Vertebral: curso de Pós-graduação tem inscrições abertas

Vera-Lucia-dos-Santos-AlvesCom o objetivo de oferecer instrumentalização por meio de conhecimentos para avaliação criteriosa e entendimento do processo patológico, o curso de Pós-graduação em Fisioterapia nas Afecções da Coluna Vertebral da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo está com inscrições abertas até o dia 11 de julho. O programa é desenvolvido e constantemente atualizado para o foco no diagnóstico, tratamento e prevenção das doenças da coluna vertebral.

De acordo com a Dra. Vera Lúcia dos Santos Alves, professora e coordenadora do programa da FCMSCSP, o curso faz com que o aluno encontre a vivência, conteúdo e discussão com profissionais específicos da área, o que possibilita o aprofundamento do conhecimento que foi iniciado na graduação: “A evolução do conhecimento permite que nossos alunos se adaptem às constantes mudanças nas intervenções da equipe multidisciplinar e tenham contato com as possibilidades de atendimento em um centro de referência para as afecções da coluna”, conta. Alem disso, segundo a professora, o programa oferece ferramentas para que os profissionais ampliem sua visão e transfiram isso à sua rotina, passando, assim, a ter um melhor nível na qualidade de atendimento em seus consultórios e fidelização dos pacientes que atendem por serem assertivos no tratamento.

O curso de Pós-graduação em Fisioterapia nas Afecções da Coluna Vertebral é um dos poucos programas com esse nível de especificidade e conta com professores e profissionais que estão na rotina de atendimento diária de pacientes com múltiplas doenças agudas e crônicas da coluna, como afirma a Dra. Vera: “Esse aspecto exige múltiplas abordagens de tratamento cirúrgico e conservador baseado em pesquisa e desenvolvimento, considerando as técnicas com maior grau de evidência científica. A junção desse atendimento personalizado e pesquisa garante ao nosso aluno a exposição a um ambiente dinâmico que proporciona o diferencial em suas carreiras.”

Serviço
Pós-graduação em Fisioterapia nas Afecções da Coluna Vertebral
Inscrições até 11/7/2016 pelo Portal FCMSCSP: www.fcmsantacasasp.edu.br
Início das aulas: 20 de agosto de 2016.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 90, em 14/6/2016. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

FCMSCSP promove 1ª Jornada de Dor Aguda

magda-aparecida-dos-santos-silva

Dra. Magda Aparecida dos Santos Silva, professora do curso de Graduação em Enfermagem da FCMSCSP

Dentre as condições de dor, a aguda é considerada uma das mais simples no que se relaciona ao controle. No entanto, ainda existem relatos sobre a sua alta prevalência e controle inadequado. Segundo a Dra. Magda Aparecida dos Santos Silva, professora do curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, isso acontece, pois ainda existe desconhecimento sobre o controle da dor, medo dos efeitos colaterais dos opióides* e a avaliação inadequada da dor: “O bom resultado no controle da dor dependerá de ações coordenadas e sistemáticas entre as equipes de saúde, onde cada um desempenhará seu papel, em prol do conforto, bem-estar e segurança do paciente. É possível minimizar a dor do paciente, principalmente, no ambiente hospitalar”, explica.

Entendendo a relevância deste tema, a Diretoria do Curso de Graduação em Enfermagem da Instituição realiza no dia 25 de junho, sábado, a 1ª Jornada de Dor Aguda da FCMSCSP. De acordo com a Dra. Magda, que coordena o evento, o objetivo é discutir os temas bases envolvidos no controle da dor aguda, desde a sua fisiopatologia até o seu controle – que é feito com avaliação e tratamento –, incluindo os efeitos colaterais provenientes do tratamento farmacológico e as repercussões orgânicas provenientes da dor não controlada. “Adicionalmente, discutiremos um tema que vai além das repercussões orgânicas, porque a dor também influencia e é influenciada pelos aspectos psicossociais, fator relevante para a compreensão do profissional para que não se constitua em barreira para o adequado controle da dor”, conta.

Ainda de acordo com a professora, o evento é uma oportunidade para acadêmicos, profissionais da área da saúde e outros profissionais que tenham interesse sobre o tema, de reciclarem seus conhecimentos e discutirem com profissionais que possuem grande experiência na área de dor. “Convidamos a todos a compartilhar deste momento enriquecedor”, finaliza.

O evento é destinado a alunos e profissionais da área de saúde e contará com a presença de palestrantes enfermeiros, médicos anestesiologistas, além de uma psicóloga.

*Grupo de fármacos que atuam nos receptores opióides neuronais. Eles produzem ações de insensibilidade à dor (analgesia) e são usados principalmente na terapia da dor crônica e da dor aguda de alta intensidade.

Serviço: Data e horário: dia 25/6, sábado, das 7h às 12h00.
As Inscrições devem ser feitas pelo site oficial da 1ª Jornada de Dor Aguda da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo até dia 23/6.

Local: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo
Auditório Dr. Christiano Altenfelder – Novo Prédio da FCMSCSP (4º andar)
Rua Dr. Cesário Motta Jr., 112, Vila Buarque, São Paulo (SP).

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 90, em 14/6/2016. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Transtornos psicóticos têm maior incidência em jovens

quirino-cordeiro-fcmscsp

Dr. Quirino Cordeiro, professor adjunto e chefe do Departamento de Psiquiatria da FCMSCSP

Os transtornos psicóticos caminham com um distanciamento patológico da realidade. O indivíduo apresenta quadros de delírio e alucinações, sendo que esses são episódios potencialmente graves. De acordo com Dr. Quirino Cordeiro, professor adjunto e chefe do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, delírios são crenças patológicas sobre a realidade. Já as alucinações são alterações das percepções, quando o paciente ouve vozes, vê coisas sem que haja um estímulo para isso. Na esquizofrenia, o indivíduo passa a ficar mais introvertido, começa a ter uma percepção equivocada do meio em que está e pode, por exemplo, entender que as pessoas estão querendo fazer algum mal a ele. No transtorno afetivo bipolar, por sua vez, os sintomas psicóticos podem aparecer quando o paciente apresenta alteração do humor (depressão ou euforia).

“Os transtornos psicóticos são manifestações decorrentes de diferentes distúrbios mentais, tais como transtorno bipolar e esquizofrenia. Alguns sintomas iniciais são importantes para se detectar o quadro psicótico e a doença a que estão relacionados. A identificação precoce é extremamente importante, pois uma grande parte dos pacientes, se não avaliada e tratada precocemente, logo no início da doença, pode apresentar uma série de problemas como, por exemplo, comprometimentos cognitivos”, afirma o psiquiatra

“É extremamente importante se estar atento aos primeiros sinais desses transtornos porque algumas vezes são confundidos como manifestações normais das fases da vida, como a adolescência. A esquizofrenia e o transtorno bipolar, em geral, começam nesta faixa etária, ou seja, no final da adolescência e início da vida adulta jovem, entre 17 e 25 anos. Portanto, é importante que se observe quando o adolescente ou o jovem passa a ficar muito recluso, introvertido, deixando de socializar para ficar isolado em um mundo próprio”, ressalta o professor.

De acordo com o psiquiatra, um fator de risco importante associado aos transtornospsicóticos é o uso de maconha. Estudos comprovam a relação do uso da droga com o desenvolvimento dessas manifestações clínicas. “Os estudos mostram que usuários regulares da cannabis apresentam três vezes mais chance de desenvolverem transtornos psicóticos. Além disso, essas pesquisas comprovam que a quantidade de uso da maconha afeta diretamente a chance de o indivíduo apresentar a psicose. Ou seja, quanto mais maconha a pessoa usa e quanto mais cedo isso começar, muito maior a chance de desenvolver transtornos psicóticos”, comenta o Dr. Quirino.

O especialista alerta que é fundamental que o diagnóstico dos transtornos psicóticos seja feito precocemente. Isso porque quanto mais cedo o acompanhamento e o tratamento forem iniciados, maiores as chances de que estes indivíduos tenham prognósticos mais favoráveis.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 90, em 14/6/2016. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Cirurgia bariátrica: entenda os procedimentos e cuidados pós-operatórios

carlos-alberto-malheiros-fcmscsp

Dr. Carlos Alberto Malheiros, professor titular do Departamento de Cirurgia da FCMSCSP, chefe da Área de Estômago, Duodeno e Obesidade

Sofrer os impactos da obesidade não é fácil. Muitas pessoas passam anos e até boa parte da vida acima do peso ideal, lutando contra a balança e seguindo diversas dietas com o intuito de emagrecer. Nesse caso, o esforço muitas vezes acaba sendo em vão. Quando isso acontece, essas pessoas decidem recorrer à cirurgia bariátrica, ou metabólica, como tem sido chamada hoje em dia, pela constatação de que a cirurgia tem ajudado a “acertar” o metabolismo dos pacientes.

De acordo com o Dr. Carlos Alberto Malheiros, professor titular do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, chefe da Área de Estômago, Duodeno e Obesidade – que realizou sua primeira cirurgia na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo em 1998 –, o Brasil tem uma estimativa de mais de três milhões de obesos mórbidos e cerca de 40 mil cirurgias bariátricas realizadas por ano.

Das técnicas para realização de uma cirurgia bariátrica disponíveis no mundo, são usadas praticamente duas: a gastroplastia com derivação gastrojejunal, que representa mais de 90% das cirurgias já realizadas pelo Dr. Malheiros e consiste em se reduzir o estômago e desviá-lo para o jejuno. Esse procedimento deixa o estômago menor para caber menos alimentos e o desvio faz com que a comida percorra um trajeto menor no intestino delgado, que resulta em uma digestão menor. “O paciente come menos, digere menos e perde peso”, afirma o cirurgião. Outro tipo de cirurgia bariátrica é a chamada gastrectomia vertical. Essa técnica consiste na remoção da parte esquerda do estômago, podendo levar à perda de até 40% do peso inicial.

Segundo o médico, a cirurgia bariátrica, independentemente de sua técnica, funciona como uma espécie de “bengala”. Ela ajuda no processo de emagrecimento, mas o paciente precisa ter cuidados para o resto da vida, a fim de evitar uma recaída ou até problemas mais graves: “Quando o paciente não muda seus hábitos alimentares, existe uma chance enorme de voltar a engordar. É necessário um acompanhamento psicológico e nutricional antes e depois da cirurgia, mas o nutricional é indispensável. O paciente precisa abandonar de forma definitiva e irreversível o hábito de comer o que tem vontade na hora da fome e passar a comer o que precisa comer na hora certa”, explica.

Desde 1987, quando foi realizada a primeira cirurgia bariátrica da era moderna nos Estados Unidos, utilizando a técnica de reduzir o estômago e desviar para o intestino, muito vem se descobrindo acidentalmente. Além de corrigir colesterol e triglicérides, uma dessas descobertas foi o controle de grande número de pacientes com diabetes tipo II, como acrescenta o Dr. Malheiros: “Depois de um bom tempo, descobriu-se que esse encurtamento do trajeto intestinal, diminui a resistência da insulina, estimula o pâncreas e equilibra rapidamente a glicemia, elementos que hoje justificam a denominação de cirurgia metabólica”.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que, para a realização da cirurgia bariátrica, a pessoa precisa ter o IMC acima de 40 ou acima de 35, se tiver doença associada. Podem fazer o procedimento pessoas entre 16 a 65 anos de idade. Fora dessa faixa, são aceitos apenas casos especiais. A cirurgia bariátrica não é recomendada a pacientes que possuem histórico de uso abusivo de álcool ou drogas, doenças descompensadas, limitação intelectual e distúrbios psiquiátricos não tratados. Além disso, mulheres que realizaram a cirurgia bariátrica não devem engravidar na fase de adaptação, que dura cerca de 18 meses.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 90, em 14/6/2016. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.