Pesquisadores do Futuro: um marco na vida

Mirna Mansour Abou Rafée

Mirna Mansour Abou Rafée

Fascinada pela ideia de viajar e conhecer a cultura de outro país, Mirna Mansour Abou Rafée, aluna do 4º ano do curso de Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, se inscreveu para concorrer a uma das bolsas do Programa Pesquisadores do Futuro, edição 2014/2015. Interessada no campo de pesquisa na área de Neurociência e Linguagem, a futura fonoaudióloga conta ao Conectar como foi a experiência adquirida no período em que foi intercambista na Yale University, em New Haven, Connecticut, Estados Unidos.

Conectar: Como você define o programa Pesquisadores do Futuro?
Mirna: Acho que é um marco na vida de qualquer futuro profissional, um pontapé inicial para uma carreira acadêmica e uma oportunidade de networking.

Conectar: Como foi a sua experiência no Programa e o que ela lhe acrescentou?
Mirna: Acho que a experiência foi rica em muitos aspectos. O amadurecimento profissional, claro, é notório. Entender a dinâmica de um laboratório que é uma referência; acompanhar as discussões de possíveis futuras pesquisas; ver o andamento de tantas outras; poder absorver e compartilhar conhecimento gratuitamente é muito válido para a formação profissional. Principalmente considerando o fato de que esse tipo de exposição aguça o senso crítico em relação às coisas ao nosso redor.Do ponto de vista pessoal, para mim, foi onde houve um grande crescimento. Desde a tomada de decisão para pequenas coisas como compras de mercado, até o desapego de antigas convicções sobre o mundo e sobre nós mesmos.

Conectar: Qual foi o maior desafio encontrou nesta viagem?
Mirna: Não acredito que tenha havido um só grande desafio. Foram sucessivos e progressivos, cada um deles. Desde acostumar o ouvido com uma nova língua, até perder a timidez e pedir informação – com receio de não entender –, porque por mais fluente que sejamos, existem ‘dialetos’ próprios que tivemos que nos acostumar. Mas, se for para mencionar um, eu destacaria a comida. Pedi, diversas vezes, pratos que eu não tinha a menor ideia do que fossem. Algumas coisas foram muito boas, mas outras nem tanto.


Conectar: O que você recomendaria aos colegas que passarão pela experiência?
Mirna: Acho que a única coisa que posso recomendar é: vá despido de qualquer conceito prévio do país, das pessoas, da comida e dos costumes. Vá disposto a enxergar com as próprias retinas o lugar onde você vai morar por dois meses. Vá de coração aberto e ame cada dia em que estiver fora. É uma experiência única!
No próximo boletim
A aluna Giulia Siqueira Galfano, do 4º ano do curso de Graduação em Medicina conta como foi sua experiência no Dana-Farber Cancer Institute – Harvard Medical School.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 78, em 24/11/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Anúncios

Seja um tecnólogo em Radiologia formado pela FCMSCSP

Radiologia_Faculdade_Santa_Casa_de_SP_Vestibular_2016A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo recebe, até o dia 2/12, inscrições no Vestibular 2016 para o curso de Graduação em Tecnologia em Radiologia. Com 3 anos de duração e oferecido no período noturno, o programa tem como objetivo promover a experiência prática na produção de imagens hospitalares.

Depois de formado, o profissional poderá atuar em todas as áreas da radiologia, que abrange a radiologia convencional e contrastada, mamografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética e medicina nuclear, e radioterapia. O que o aluno aprende no curso também poderá ser aplicado no setor veterinário e no segmento industrial, já que muitas organizações utilizam aparelhos de raios-X, ultrassom e ressonância magnética para a avaliação de seus produtos.

O Processo Seletivo está disponível nas modalidades Prova Tradicional e Cota Social, sendo possível ainda o ingresso via Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Confira, a seguir, mais informações.

 

Prova Tradicional: performance reconhecida com 50% de desconto

A FCMSCSP reconhecerá o desempenho dos candidatos que optarem pela modalidade Prova Tradicional (Ampla Concorrência), a ser aplicada em 6/12, e concederá um desconto de 50% aos 10 primeiros classificados, válido durante toda a vigência do curso, incluindo nesse mesmo ranking os candidatos de Enem que apresentarem o boletim até o dia 2/12.

Cota Social: Bolsa de Estudos integral por carência socioeconômica

Por intermédio da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da FCMSCSP, o Vestibular 2016 para o curso de Graduação em Tecnologia em Radiologia atribuirá 10 Bolsas de Estudos integrais (100%) para candidatos em condição de carência socioeconômica que atendam aos requisitos do Edital do Processo Seletivo da FCMSCSP e sejam aprovados no vestibular. Para saber se você faz jus a essa modalidade do Vestibular, utilize a Calculadora de Cota Social da FCMSCSP para simular uma análise de sua situação de carência socioeconômica. Se estiver apto, prossiga com sua inscrição para o Processo Seletivo nessa modalidade. Lembre-se que a simulação é apenas um indicador e não o dispensa de apresentar a documentação exigida pela FCMSCSP.

Dúvidas sobre o Vestibular 2016

Se você ainda tem alguma dúvida sobre o Processo Seletivo de forma geral, consulte a relação de Perguntas & Respostas que elaboramos para todos os candidatos participantes.

Saiba mais sobre o curso

Caso já tenha visitado a página do curso de Graduação em Tecnologia em Radiologia da FCMSCSP e  tenha interesse em conversar pessoalmente com os diretores ou professores deste curso, é só nos informar pelo e-mail faleconosco@fcmsantacasasp.edu.br e agendaremos um horário para seu atendimento. Reforçamos que este contato é para o esclarecimento de dúvidas sobre o programa oferecido, estrutura do curso e carreira e não para tratar de avaliação ou concessão de bolsas de estudo.

Curtir
Entendi tudo e quero me inscrever.
Leve-me à página de inscrição agora.

 

FCMSCSP: tradição, corpo docente e qualidade que fazem a diferença

Érica-de-Cássia-Ferraz

Érica de Cássia Ferraz

Graduada, no ano de 2005, em Fonoaudiologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Érica de Cássia Ferraz, especializada em Linguagem e Mestra em Saúde da Comunicação Humana, ambas pela FCMSCSP, a egressa é responsável pela revista Audiology – Communication Research (ACR), da Academia Brasileira de Audiologia (ABA) e acaba de ser agraciada com o 2º lugar no prêmio da Associação Brasileira de Editores Científicos. Em entrevista ao Conectar, a fonoaudióloga fala sobre a conquista e sobre os tempos como aluna da FCMSCSP.

Conectar: Pode nos contar um pouco da sua experiência como aluna da FCMSCSP?
Érica: Tínhamos aulas de manhã e, a partir do 3º ano, alguns estágios à tarde. Fomos as primeiras a utilizar a clínica de Fonoaudiologia. A Faculdade me proporcionou não só aprendizado técnico, mas me ensinou a lidar com pessoas, expectativas e incertezas. Mais do que isso, me ensinou a valorizar aquilo que tenho. Tive o privilégio de ser aluna da primeira turma, de ter aulas com ótimos professores e de conhecer pessoas incríveis. Fiz grandes amizades, que espero conservar para sempre. A Santa Casa sempre fez eu me sentir “em casa”.

Conectar: Por que optou por Fonoaudiologia?
Érica: Nunca tive dúvidas sobre que profissão eu gostaria de seguir. Pesquisei bastante sobre a prática profissional antes do vestibular. A Fonoaudiologia sempre me encantou por ser uma profissão da área da saúde que possibilita atuar em diversas áreas (linguagem, voz, audiologia…), desde a prevenção, passando pelo aperfeiçoamento da comunicação e pela melhoria da qualidade de vida das pessoas, até a reabilitação de alguns distúrbios. Desde o início, sempre tive uma tendência muito forte a trabalhar com leitura e escrita.

Conectar: Quando, como e por que decidiu que faria na FCMSCSP?
Érica: Na época, o curso estava começando e ainda não tinha o reconhecimento e respeito que tem hoje. Entretanto, a instituição já tinha enorme tradição. O fato de ter um corpo docente experiente e conceituado e a possibilidade de aprender em um hospital de referência foram aspectos decisivos para a minha escolha. Tive certeza de que eu teria uma formação de qualidade.

Conectar: De que maneira o curso contribuiu para o seu crescimento profissional?
Érica: Tive aulas com professores experientes, qualificados e muito bem sucedidos na profissão. A maioria deles, além da atividade acadêmica, também exerce atividade clínica. Isso sempre trouxe muita riqueza para as discussões. Tivemos acesso a conteúdos atualizados e fomos incentivadas a participar de atividades sociais, assistenciais, culturais e acadêmicas. Esse conjunto todo contribuiu para o meu amadurecimento profissional.

Conectar: Hoje em dia qual a sua relação com a FCMSCSP?
Érica: A Faculdade é um porto seguro. Um local em que me sinto acolhida e sei que posso contar sempre. Quando posso faço uma visita para rever as pessoas. Gosto de ver o entusiasmo dos alunos e as melhorias das instalações e da infraestrutura. Estou sempre atenta aos cursos e eventos que acontecem para poder voltar e participar. Sinto como se eu nunca fosse me desligar totalmente da Faculdade, mesmo se passar algum tempo afastada.
 
Conectar: Quais dicas você daria para quem deseja cursar Fonoaudiologia?
Érica: Ter uma boa formação é essencial em qualquer profissão. Investir em um curso reconhecido e de qualidade é o primeiro passo. Para ser Fonoaudiólogo não basta gostar de lidar com pessoas, de diversas idades e com diferentes queixas de comunicação. É importante lembrar que, muitas vezes, atuamos de forma interdisciplinar, em parceria com outras áreas. As dificuldades e desafios existem em todas as profissões, mas trabalhar com aquilo que nos identificamos faz a diferença para buscar soluções para os problemas e seguir em frente.

Conectar: Você acabou de receber o 2º lugar no Prêmio da Associação Brasileira de Editores Científicos. Como foi a sua participação e como foi receber o prêmio?
Érica: A Associação Brasileira de Editores Científicos é a instituição de referência em relação à editoração científica no Brasil. Fornece informações atualizadas e tendências internacionais na área de publicação científica. Promove anualmente um prêmio para incentivar aqueles que se dedicam à área editorial. Os candidatos precisam apresentar suas ações de destaque que contribuíram para a melhoria de seus periódicos. Foi muito gratificante esse segundo lugar, pois é uma forma de reconhecimento de muito trabalho e dedicação. Fiquei extremamente feliz por essa conquista e agradecida a todos que colaboraram para que eu pudesse alcançá-la.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 78, em 24/11/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Enfermagem: você conhece os procedimentos para a residência?

Dra.-Maria-do-Carmo-Querido-Avelar

Dra. Maria do Carmo Querido Avelar

Nesta edição, a Dra. Maria do Carmo Querido Avelar, diretora do curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, relata quais são os processos que um enfermeiro pode passar ao se formar na área.

Conectar: Como funciona a residência para enfermeiros?
Dra. Maria do Carmo: A residência de Enfermagem é uma modalidade de ensino de Pós-graduação lato sensu destinada a enfermeiros, caracterizada pelo desenvolvimento das competências técnico-científicas e ética dos profissionais em um processo de educação/ensino em serviço. A residência, desenvolvida em regime de dedicação exclusiva, é realizada sob a supervisão docente – assistencial, em um programa de cooperação intersetorial que fornece o preparo qualificado dos profissionais para sua inserção no mercado de trabalho, particularmente em áreas prioritárias do Sistema Único de Saúde (SUS). Os Programas de Residência em Enfermagem encontram-se inseridos em Área Profissional da Saúde e orientam-se pelos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde, a partir das necessidades identificadas e realidades locais e regionais, advindo daí suas especificidades. A residência em enfermagem deve contemplar um programa de integração ensino-serviço-comunidade, desenvolvido por intermédio de parcerias com gestores, trabalhadores e usuários dos serviços de saúde.

Conectar: Como é o procedimento para adquirir o registro no Conselho Regional de Enfermagem em São Paulo?
Dra. Maria do Carmo: O registro de especialista, na modalidade de residência em Enfermagem é concedido aos enfermeiros, inscritos no COREN, egressos dos Programas de Residência em Enfermagem e que atendam aos padrões mínimos estabelecidos pelo Conselho Federal de Enfermagem.

Conectar: Como a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo prepara o aluno para o mercado de trabalho?
Dra. Maria do Carmo: O curso de Graduação em Enfermagem como processo formativo escolar desenvolve suas atividades atendendo às medidas dos órgãos governamentais; as mudanças de ordem econômico-sociais e de saúde e as preocupações com as questões emergentes de saúde, com o intuito de fornecer mecanismos vinculados à capacidade de dar respostas aos problemas concretos da população. Na formação para o exercício profissional existe um processo de preparo de aluno para a aquisição contínua de competências voltadas à qualificação clínico – epidemiológica, ético-política e social, na área assistencial, administrativa e educativa.

Conectar: E se um enfermeiro opta por não fazer uma especialização, ele está preparado para atuar na área?
Dra. Maria do Carmo: O enfermeiro, egresso do curso de Graduação, tem como perfil profissional a formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, com base pluralista nos domínios gerais da atenção à saúde, estando, portanto, apto para o mercado de trabalho. A especialização não é uma exigência para a prática do profissional, entretanto, acredita-se constituir um processo de elevação da qualidade do seu desempenho no trabalho, pautado pela proposta da educação continuada.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 78, em 24/11/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

 

Faculdade Santa Casa de SP recebe visita de professor da Icahn School of Medicine at Mount Sinai

BUILDING-BRIDGES

Participantes do Building Bridges Medical Education & Anatomical Sciences – Brazil & USA

No dia 7 de novembro de 2015, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo sediou o evento internacional Building Bridges Medical Education & Anatomical Sciences – Brazil & USA.

Realizado na cidade de São Paulo e destinado a todos os profissionais da área da saúde e, em especial, aos estudantes de medicina, fonoaudiologia, enfermagem, residentes de neurocirurgia, de cirurgia de cabeça e pescoço e otorrinolaringologia, o encontro foi um marco para o Departamento de Morfologia da FCMSCSP e contou com a presença do Prof. Dr. Osmar Monte, vice-diretor da FCMSCSP, representando a diretoria da Instituição.

“Todos que estavam presentes puderam aprender e discutir sobre anatomia, genética, educação médica, evolução humana e intercâmbio Brasil/Estados Unidos. O Prof. Dr. Jeffrey T. Laitman, por meio de seu vasto conhecimento e sua fala clara e objetiva, mostrou como a anatomia e a evolução caminham juntas e se complementam. Ele nos encheu de energia quando falou como trabalha tais temas com seus alunos da Icahn School of Medicine at Mount Sinai, em Nova York”, explica a Dra. Mirna Duarte Barros, chefe do Departamento de Morfologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e coordenadora do evento, juntamente com a Dra. Daniella Curcio, professora da Faculdade e pós-doutoranda no Laboratório do Prof. Dr. Laitman.

Entre os principais momentos do Building Bridges, a Dra. Mirna Barros aponta: “o Prof. Dr. Luiz Alonso, ex-aluno do curso de Graduação em Medicina da FCMSCSP, geneticista e especialista do desenvolvimento de malformações craniofaciais, chefe do Departamento de Anatomia da Unifesp e professor da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein, falou de genética, anatomia, aconselhamento genético e relação com o paciente, usando as craniosinostoses, objeto de estudo de sua linha de pesquisa, apresentando as informações mais atualizadas da área”, ressalta.

Coordenaram os painéis de discussão os professores Antonio Cardoso Pinto, Bianca Maria Liquidato; Denival Soares Galdeano e Vivian Alessandra Silva, do Departamento de Morfologia. “Contamos com a valiosa contribuição do Dr. Wagner Montor, professor do Departamento de Ciências Fisiológicas da FCMSCSP, representando o Núcleo de Relações Internacionais (NRI) da Instituição e mostrando o quanto a FCMSCSP já caminhou nas relações internacionais, levando nossos alunos para estágios em instituições de renome e recebendo alunos de fora”, comenta a Dra. Mirna Barros.

Durante o evento, o Prof. Dr. Richard Halti Cabral, Presidente da Sociedade Brasileira de Anatomia (SBA), instituiu o Prêmio Prof. Dr. Jeffrey T. Laitman, destinado aos membros da SBA que contribuíram para o estreitamento das relações científicas, médicas e educacionais entre Brasil e EUA na área de Anatomia. Foram agraciadas com tal Prêmio as doutoras Daniella F. Curcio e Mirna D. Barros, organizadoras do evento.

Seguindo o objetivo principal do evento – construir pontes entre a FCMSCSP e a Icahn School –, o Dr. Valdir Golin e o Dr. Osmar Monte, respectivamente, diretor e vice-diretor da FCMSCSP e o Dr. José Eduardo Lutaif Dolci, diretor do curso de Graduação em Medicina da FCMSCSP, receberam em reunião o Prof. Dr. Jeffrey Laitman, juntamente com as doutoras Mirna Duarte Barros e Daniella F. Curcio, organizadoras do evento. “Em breve, os frutos deste contato e deste aprendizado poderão ser partilhados por todos”, finaliza a Dra. Mirna Barros.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 78, em 24/11/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

FCMSCSP recebe o debate: “Violência contra as mulheres, impactos e consequências sobre a saúde”

peca-facebookCom o objetivo de discutir o impacto da violência na vida das mulheres, acontecerá, no dia 26 de novembro, quinta-feira, das 14h às 16h, o debate “Violência contra as mulheres, impactos e consequências sobre a saúde“, na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.
O evento gratuito, realizado pelo curso de Graduação em Enfermagem da FCMSCSP, possui coordenação das Mestras Maria Fernanda Terra e Juliana Elena Ruiz, professoras do curso de Graduação em Enfermagem da FCMSCSP, e é destinados aos alunos da FCMSCSP e demais interessados no tema, que terão a oportunidade de prestigiar palestras como: Histórias de Marias – proferida por Tatiana Perrone –, cientista social e pesquisadora no Núcleo de Pesquisa do IBCCRIM (Instituto Brasileiro de Ciências Criminais); e A Violência Contra as Mulheres Negras nas Universidades – ministrada por Jupiara Castro –, uma das fundadoras do Núcleo de Consciência Negra da USP.

Veja a programação completa e inscreva-se no debate “Violência contra as mulheres, impactos e consequências sobre a saúde”