Medicina: chegou a hora de escolher a residência médica

Dr.-José-Eduardo

Dr. José Eduardo Lutaif Dolci

Nesta edição, o Dr. José Eduardo Lutaif Dolci, diretor do Curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, esclarece algumas das principais dúvidas sobre a residência médica. Confira!

Conectar: Qual o papel do exame do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp)?
Dr. Dolci: Trata-se de uma prova obrigatória para todo egresso de Medicina do estado de São Paulo, temos hoje no estado mais de 50 escolas de Medicina. Então, todo o aluno formado em qualquer escola precisa prestar essa prova. Ao realizar essa avaliação, o futuro médico não é impedido de exercer a Medicina se ele não passar. Entretanto, ele é obrigado a fazer a prova, do contrário, ele não teria um registro no Conselho Regional de Medicina (CRM). O objetivo dessa prova é avaliar as escolas que oferecem a Graduação em Medicina, como o aluno está sendo formado nas escolas. O Cremesp envia para as escolas o resultado das provas, notificando o desempenho dos alunos nas diversas áreas da Medicina, apresentando um panorama do ensino.

Conectar: E se o residente vier de outro estado ou for de outro estado precisa fazer o exame?
Dr. Dolci: Mesmo que seja de outro Estado, é necessário prestar a prova do Cremesp, para ter o registro no CRM. A avaliação acontece sempre no final de outubro. A pessoa que não faz a prova recebe um registro provisório, mas precisa justificar o porquê não a realizou e, no ano seguinte, precisa fazer.

Conectar: E se egresso de Medicina não tem o CRM ele pode fazer a residência?
Dr. Dolci: Todas as residências oficiais no estado de São Paulo estão exigindo o registro no CRM. Esta foi uma proposta implantada há 10 anos, não era obrigatória, mas tornou-se há três anos. A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo sempre mandou um número muito grande de alunos para o exame e sempre foi muito bem nas provas.

Conectar: Como é a preparação para o exame de residência?
Dr. Dolci: Existem cursinhos preparatórios, porém a vivência e a experiência no internato são muito mais importantes. A prova é um teste e o aluno precisa saber a teoria e a prática, por isso toda prova de residência precisa ter teste teórico e prático para mensurar como foi o internato deste futuro médico. Na Faculdade Santa Casa de São Paulo insistimos para que os alunos aproveitem o 5º e 6º anos, os plantões voluntários e os plantões obrigatórios para atividades complementares, pois isso tem um peso e faz uma diferença muito grande.

Conectar: A maioria dos alunos chega no 6º ano sabendo em qual área seguirá?
Dr. Dolci: Isso sempre foi um dilema, muitas vezes, eles chegam ao 6º ano e não sabem o que fazer, e na medida em que vão passando nas especialidades eles vão se apaixonando.É hilário, por exemplo, passam na Dermatologia e decidem, na sequência passam na Oftalmologia e acham que é aquilo. Por isso, o eletivo ajuda, pois são  sete semanas dentro de uma especialidade ou área.

Conectar: Como funciona a residência?
Dr. Dolci: Cada hospital, principalmente os universitários, costuma ter todas  residências em todas as  especialidades. A residência é regulamentada Conselho Nacional de Residência Médica do Ministério da Educação (MEC). Por exemplo, a residência em otorrinolaringologia inscrita no MEC tem que cumprir um programa, com um número de professores, carga horária, apresentando quais são os direitos e as obrigações dos residentes, o conteúdo teórico e pratico a ser cumprido (cirurgia, procedimentos, entre outras). Tem prova para passar de ano na residência. Na especialidade de otorrinolaringologia tem prova todo mês, além da nota de conceito mensal. No final do ano, o médico possui 24 notas e, para passar, a média dele tem de ser sete.

Conectar: O residente é remunerado?
Dr. Dolci: Ele recebe uma bolsa cujo recurso vem do MEC ou da Secretaria da Saúde do Estado, cerca de 60% dos residentes na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo recebem bolsas do MEC ou da Secretaria da Saúde e o restante é pago pela Santa Casa.

Conectar: E quem não passa como residente há outra escolha?
Dr. Dolci: Há o curso de especialização, que também é registrado e reconhecido pelo MEC. Para isso, ele presta outra prova. Passando, ele tem a mesma formação do residente, mas não recebe por isso.

Conectar: E para os que não desejam fazer residência?
Dr. Dolci: Não precisa fazer, mas a partir de 2018, com as novas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN), todos os médicos deverão fazer residência. Hoje, quem não faz pode exercer a medicina como clinico ou ainda pode seguir na medicina da família, que é muito necessária à população brasileira.

Conectar: E quanto à obrigatoriedade, como será? Com esse novo formato, quanto tempo levará a residência?
Dr. Dolci: A proposta da nova Diretriz Curricular para os Cursos de Medicina é a residência para 100% dos formandos em medicina a partir de 2018. Todo médico que se formar deverá ficar um ano em uma Unidade Básica de Saúde (UBS). Sobre o tempo de residência, depende da especialização, se optar, por otorrinolaringologia, por exemplo, ele segue um ano na UBS e mais três em residência na área de otorrinolaringologia. No caso de uma especialidade como cirurgia vascular, por exemplo, deverá fazer um ano na UBS, mais dois de cirurgia geral e só depois disto poderá fazer a área específica, que é a vascular, por mais dois ou três anos.

Conectar: O que a Faculdade faz para auxiliar o futuro médico?
Dr. Dolci: Na FCMSCSP, nós preparamos o aluno de Graduação de maneira global. Desde o primeiro ano, nos preocupamos com a humanização, o aluno é inserido em um hospital desde o primeiro dia de aula. Desde  o início ele tem aulas de propedêutica, de cuidados de enfermagem , de psicologia  e contato com os pacientes. Levamos  isso muito a   sério  procuramos não perder este referencial desde 1963, ano da abertura da nossa escola. É o nosso  diferencial. Tenho a convicção de que ao terminar o curso, o aluno passa do status de estudante para médico e de jovem para homem ou mulher maduros, pois procuramos dar uma série de exemplos para que ele se transforme em um bom médico e entenda o sentido da profissão que escolheu.

No próximo boletim:

Dra. Ana Luiza Navas, diretora do curso de Graduação em ‪‎Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, falará sobre as possibilidades para a carreira de um fonoaudiólogo. Acompanhe!

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 76, em 21/10/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Anúncios

Encontro de Enfermagem  debate a prevenção de complicações em cirurgias oftalmológicas

Prof. Reginaldo Adalberto de Luz

Prof. Reginaldo Adalberto de Luz

Buscando discutir o papel do enfermeiro na prevenção e o controle das principais complicações que podem ocorrer após a realização de cirurgias oftalmológicas, acontecerá nesta quarta-feira, dia 21 de outubro, das 14h às 16h, o 2º Encontro de Enfermagem em Oftalmologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. “A atuação do enfermeiro em oftalmologia ainda não é bem difundida, embora este profissional seja de grande importância para o andamento dos serviços de oftalmologia, incluindo um atendimento especializado ao paciente, prevenção e controle de agravos como, por exemplo, das infecções. Infelizmente, não há cursos para a formação e especialização destes profissionais no Brasil, dessa forma, o conhecimento sobre o tema para estes profissionais acontece durante a prática no dia a dia ou por meio de cursos ou eventos como este que realizamos uma vez por ano”, ressalta o Mestre Reginaldo Adalberto Luz, professor do curso de Graduação em Enfermagem da FCMSCSP e um dos organizadores do encontro.

Com organização empreendida em conjunto com a Dra. Marcele Pescuma Capeletti Padula e realização do Curso de Graduação em Enfermagem da FCMSCSP, o evento terá como tema a “Atuação do enfermeiro na prevenção e controle das complicações pós-operatórias em cirurgias oftalmológicas”.  De acordo com o Prof. Reginaldo, serão abordados os aspectos básicos da anatomia e fisiologia ocular; as cirurgias mais comuns; e as duas principais complicações no pós-operatório decorrentes do procedimento cirúrgico: a Síndrome Tóxica do Segmento Anterior e a Infecção Intraocular denominada “endoftalmite”.

É possível se inscrever gratuitamente no evento, o 2º Encontro de Enfermagem da FCMSCSP é destinado aos professores, alunos e profissionais de Enfermagem interessados no tema. Clique para conhecer a programação e se inscrever.

Profissionais de Medicina: parabéns por esta data!

Dia_do_Médico_Faculdade_Santa_Casa_de_SP 2015

Pesquisadores do Futuro: oportunidade de mergulhar em uma nova cultura

Rodrigo-Salmeron-de-Toledo-Aguiar

Rodrigo Salmeron de Toledo Aguiar

Não há melhor definição para um programa de intercâmbio, como o Pesquisadores do Futuro, do que a palavra de quem já vivenciou a experiência na prática: “A iniciativa foca em levar alunos para ter contato com importantes pesquisadores no exterior. Esse contato desenvolve o pensamento crítico do aluno, como também o ensina melhor as etapas de uma pesquisa e como realizá-la. O estudante consegue destinar 100% do seu tempo à pesquisa no programa, o que, com certeza, aumenta a produtividade e o aprendizado”, define Rodrigo Salmeron de Toledo Aguiar, aluno do 4º ano de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

O futuro médico teve a oportunidade de conhecer e estudar no St. Michael’s Hospital, University of Toronto, a maior universidade do Canadá. “A experiência foi muito além das minhas expectativas. Consegui vivenciar outro sistema de saúde, avançar nos meus conhecimentos na área científica, conhecer médicos e pesquisadores de outro país, mas de uma forma mais intensa do que eu poderia imaginar. Acrescentou-me, principalmente, na melhora do vocabulário médico em inglês, além do avanço no conhecimento de realizar uma pesquisa e provável publicação”, comenta o aluno sobre a vivência.

Para Rodrigo, nos meses em que ficou no programa, um dos muitos desafios enfrentados foi o de administrar o seu tempo para a organização de todas as leituras necessárias – tanto a de artigos científicos quanto a de livros em temas diversos – que a experiência internacional lhe proporcionava para, em uma etapa seguinte, escrever um artigo científico.

Edição 2015/2016
Administrado pelo Núcleo de Relações Internacionais (NRI), o Programa Pesquisadores do Futuro já selecionou os novos participantes para o ano 2015/2016. Para os colegas que estarão embarcando na experiência, Rodrigo recomenda: “Não se inibam quando tiverem dúvidas; o programa serve para aprender. Também falem ao máximo o inglês para treiná-lo. Corram atrás dos orientadores para usufruírem 100% do tempo no exterior produzindo”. Confira no Portal da FCMSCSP a relação dos alunos participantes nesse novo período.

 

No próximo boletim

Jorge Michel Antonopoulos, aluno do 3º ano de Graduação em Medicina, comenta a sua experiência no International Agency for Research on Câncer (IARC), Lyon, França.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 75, em 6/10/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Fonoaudiologia FCMSCSP: optar pela instituição certa faz toda a diferença

Andrea-Caruso-Leone

Andrea Caruso Leone

Formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, em 2005, Andrea Caruso Leone é especializada em Audiologia Clínica pela Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e atualmente faz extensão no departamento de Otorrinolaringologia, “centrinho”, da Santa Casa na área de implante coclear. No comando de sua própria clínica, a Fono Alpha, a egressa conta ao Boletim Conectar como se apaixonou pela área de Fonoaudiologia e descreve os motivos que a levaram optar pela FCMSCSP. Confira!

Conectar – Por que optou por Fonoaudiologia? 
Andrea – Sou comunicativa e ao mesmo tempo sempre quis trabalhar na área da saúde. A ideia de poder oferecer melhor qualidade de vida às pessoas sempre me encantou. Vi no curso de Fonoaudiologia a oportunidade de unir uma característica forte da minha personalidade, a comunicação, com a vontade de ajudar as pessoas com alguma dificuldade.

Conectar – E quando decidiu que faria o curso na FCMSCSP? Quais critérios lhe ajudaram na escolha?
Andrea – Sou nascida e criada no interior e queria fazer o melhor curso de Fonoaudiologia. Para isso pesquisei onde teriam os melhores e vim para São Paulo prestar vestibulares. Passei em outras instituições renomadas, mas quando fui chamada na Faculdade Santa Casa de São Paulo e me deparei com um hospital que ajuda milhões de pessoas, não tive dúvidas que ali poderia realizar meu sonho. A arquitetura daquela construção, sua imponência e, ao mesmo tempo, sua simplicidade me passaram uma energia que me fez ter a certeza de que ali era meu lugar. Mesmo sendo o primeiro ano do curso, não tive dúvidas que toda aquela estrutura faria da Fonoaudiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo um dos melhores cursos do mercado.

Conectar – Pode nos contar um pouco da sua experiência como aluna da FCMSCSP?
Viver de perto a rotina de um grande hospital supervisionada pelos melhores professores nos fez aprender muito. Não somente sobre a fonoaudiologia, mas a lidar com a dura realidade da saúde brasileira. O horário de aula compacto, das 7h às 13h, tem uma carga suficiente para oferecer conteúdo de qualidade e excelência, e ao mesmo tempo por ter a tarde livre, permite que os alunos invistam em grupos de estudos, estágios, dá a possibilidade de dedicarmo-nos às pesquisas e até mesmo para quem precisasse complementar a renda, poderia trabalhar.

Conectar – De que maneira o curso contribuiu para o seu crescimento profissional?
Andrea- Aprender com os melhores professores da área fez toda a diferença. Ali não aprendemos apenas sobre Fonoaudiologia; aprendemos a ser humanos. Não trabalhamos com a doença e sim com o indivíduo como ser único, que precisa de nós, profissionais, por inteiro. Ter, durante o aprendizado, um hospital desse porte e uma clínica à nossa disposição nos deu oportunidade de viver experiências até então vistas apenas em livros.

Conectar – Existem desafios na carreira que enfrenta e consegue aplicar na prática o que foi aprendido na Faculdade?
Andrea – Acredito que o grande desafio de todos, hoje em dia, é o ser humano. As cobranças e a correria do dia a dia, a agenda lotada, a insana luta em conciliar o trabalho com a família, por vezes nos faz escorregar na profissão. E quando essa rotina quer se instalar na nossa clínica, me lembro do que aprendi na e com a Santa Casa e, logo, relembro a equipe. A convivência com a realidade brasileira que é atendida na Instituição, nos faz lembrar que um simples sorriso ao receber o paciente faz a grande diferença. Cada um tem seu tempo e sua necessidade, olhar o paciente como um todo e dar sua devida atenção e importância, como se aquele fosse seu único, primeiro e último paciente é o diferencial no sucesso do tratamento.

Conectar – Hoje, qual a sua relação com a Faculdade?
Andrea – Vejo a Faculdade como uma grande “mãe”, que me acolheu, cuidou e orientou, tornando-me uma pessoa mais forte e preparada para enfrentar novos desafios.  Na época em que cursava a Faculdade Santa Casa de São Paulo, tive um problema muito sério de saúde e não tive dúvidas em fazer meu tratamento no próprio hospital Santa Casa. Precisei, por duas vezes, ficar internada por um longo período onde os professores e amigos me deram um apoio inexplicável, que fez toda a diferença no meu tratamento e cura. Hoje, ao lembrar daquela fase, me emociono,  pois ali conheci o melhor de cada um, vi a competência dos profissionais envolvidos. Fiz amigos que levo e levarei por toda a vida. Sou imensamente grata por poder viver a Santa Casa.

Conectar – Quais dicas dá para quem deseja cursar Fonoaudiologia?

Andrea- É uma área apaixonante. Invista nos estudos e escolha a instituição certa, pois isso faz toda a diferença. Mas a principal dica para qualquer um que estiver em busca de uma carreira, é escolher algo que te dê prazer. Trabalhar com amor traz, além da recompensa pessoal, o sucesso profissional e o retorno financeiro desejado.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 75, em 6/10/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de SP estabelece convênio com o Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia

CONTER

Parceria entre a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e o Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia (Conter).

Recentemente, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e o Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia (Conter) firmaram um acordo de cooperação técnica, por intermédio da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho (FAVC), mantenedora da Faculdade, com o objetivo de oferecer aos profissionais e estudantes uma nova perspectiva de formação continuada, por meio do desenvolvimento de pesquisas e programas para oferecer oportunidades aos profissionais da área de radiologia que busquem obter reconhecimento, a fim de possibilitar melhores colocações no mercado de trabalho e na academia.

A parceria visa oferecer oportunidades de ensino e pesquisa aos profissionais das áreas de radiodiagnóstico, tomografia computadorizada, radioterapia, medicina nuclear e industrial, inscritos nos quadros do Sistema Conter. “A ideia é que a parceria fique mais estreita, que ela dê o tratamento diferenciado aos filiados do Conter para os programas educacionais da Faculdade, possibilitando o aprimoramento profissional dos técnicos e tecnólogos nos cursos de Graduação Tecnológica, Atualização e Especialização. Existem indicativos de curto, médio e até de longo prazo para que seja uma parceria duradoura”, completa o Dr. Homero Melo, diretor dos cursos de Tecnologia da Faculdade Santa Casa de São Paulo.

A presidente do Conter, Valdelice Teodoro, explica que a autarquia ficará responsável pelas pesquisas e levantamentos, para identificar as demandas de formação e especialização na área da Radiologia. “Para nós, é uma honra caminhar ao lado de uma das instituições que mais apoiam o desenvolvimento da Radiologia na América Latina”, conclui Valdelice.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 75, em 6/10/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Participe do 2º Encontro de Enfermagem em Oftalmologia da FCMSCSP

II-Encontro-de-Enfermagem-em-OftalmologiaInscreva-se, até o dia 20 de outubro, terça-feira, no  Encontro de Enfermagem em Oftalmologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Sob o tema a “Atuação do enfermeiro na prevenção e controle das complicações pós-operatórias em cirurgias oftalmológicas”, o evento gratuito acontecerá em 21 de outubro, quarta-feira, das 14h às 16h, na Rua Dr. Cesário Motta Jr., 61 – sala 27 – 9º andar – São Paulo (SP).

Com organização dos professores Mestre Reginaldo Adalberto Luz e da Dra. Marcele Pescuma Capeletti Padula e realização do Curso de Graduação em Enfermagem da FCMSCSP, o 2º Encontro de Enfermagem em Oftalmologia é destinado aos professores, alunos e profissionais de Enfermagem.

Clique para conhecer a programação e se inscrever no II Encontro de Enfermagem em Oftalmologia.