Crise de labirintite pode ser desencadeada por abuso de medicamentos e alimentação

Maria Cecília Greco, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Maria Cecília Greco, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

De acordo com a Sociedade Brasileira de Otologia (SBO), cerca de 30% dos brasileiros sofrem com o distúrbio do equilíbrio, conhecido popularmente como labirintite.

Conheça mais detalhes sobre este assunto na reportagem divulgada pelo Jornal da 3ª Idade, com a participação da fonoaudióloga Maria Cecília Greco, professora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Confira neste link.

Pesquisa ressalta a importância do brincar para o desenvolvimento integral da criança na primeira infância

brincarNesta sexta-feira, 29/5, das 16h às 18h, no Instituto de Desenvolvimento Waldorf, será apresentada a dissertação “Cantando e brincando com a linguagem oral: recursos para o trabalho com crianças na primeira infância”, defendida por Rosemeire Laviano, pelo programa de Mestrado Profissional em Saúde da Comunicação Humana da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e orientado pela professora Dra. Noemi Takiuchi.

Como parte das atividades desenvolvidas na Semana Mundial do Brincar, entre os dias 24 e 30 de maio, o trabalho apresenta uma compilação de atividades e brincadeiras para crianças em idade pré-escolar. A pesquisa salienta a necessidade do resgate das músicas, parlendas, brincadeiras de mão, cirandas e histórias nas interações com as crianças. Essas atividades constituem oportunidades naturais e plenas de sentido para a criança, além de promoverem o desenvolvimento da linguagem, cognitivo, social, emocional e motor.

Para participar, basta realizar a inscrição prévia, gratuitamente, pelo e-mail: info@idwaldorf.com.br.

Local: Instituto de Desenvolvimento Waldorf – Rua Job Lane, 900 – Alto da Boa Vista – São Paulo (SP)

Vestibular 2015 – 2º semestre da Faculdade Santa Casa de SP: inscrições abertas para cursos de graduação tecnológica em Radiologia e em Sistemas Biomédicos

peca_facebookEstão abertas até o dia 25/6 as inscrições para os cursos superiores em Tecnologia em Radiologia e em Sistemas Biomédicos da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Os programas têm a duração de 3 anos e serão realizados no período noturno. A Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da Faculdade Santa Casa de São Paulo, oferecerá aos 5 melhores classificados em cada curso deste Processo Seletivo, na modalidade Ampla Concorrência, um desconto de 50% válido durante toda a vigência do programa. Já para os candidatos na modalidade Cota Social, serão reservadas 15 bolsas de estudo Integrais (100%) em cada programa.

Neste Processo Seletivo, ainda será possível a inscrição do candidato mediante apresentação de boletim individual de desempenho do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), com pontuação mínima de 450 (quatrocentos e cinquenta) pontos e aprovação em redação.  O candidato, nesse caso, estará dispensado de prestar a prova, mas deverá obrigatoriamente entregar o seu boletim individual do Enem na Secretaria de Graduação da FCMSCSP até o dia 25/6.  A taxa de inscrição é de 20 reais e as inscrições podem ser feitas no Portal FCMSCSP: www.fcmsantacasasp.edu.br.
Confira mais detalhes sobre estes cursos para formação de tecnólogos:

Radiologia

O curso de graduação para formação de tecnólogos em Radiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo promove a experiência prática na produção de imagens hospitalares, contando com o apoio da infraestrutura da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. De acordo com o Dr. Homero Melo, diretor dos cursos de Tecnologia da Faculdade,  “ao terminar a graduação, o profissional poderá atuar em todas as áreas da radiologia, que abrange radiologia convencional e contrastada, mamografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética e medicina nuclear, e na radioterapia”. O que o aluno aprende no curso, complementa o diretor, também poderá ser aplicado no setor veterinário e no segmento industrial, pois muitas empresas utilizam aparelhos de raios-X, ultrassom e ressonância magnética para avaliarem seus produtos.

Sistemas Biomédicos
Pioneiro na cidade de São Paulo, o programa de formação de tecnólogos em  Sistemas Biomédicos permitirá que seus profissionais sejam capacitados para atuar no setor tecnológico da engenharia clínica, que engloba: aquisição, implantação e manutenção de equipamentos hospitalares, distribuição de produtos, gerenciamento da estrutura como refrigeração, acessibilidade, isolamento acústico e térmico, acompanhamentos de obras no ambiente hospitalar, entre outras atividades. Segundo o diretor dos cursos de Tecnologia, o campo de trabalho é muito amplo, podendo atuar em hospitais, policlínicas, laboratórios, fabricantes e distribuidoras de equipamentos hospitalares. “Durante o curso, o aluno terá contato com disciplinas que envolvem desde engenharia até a área da saúde, com uma carga prática muito intensa”, complementa.

Instituto Solidare premia alunos da FCMSCSP

Antonio Augusto Brant de Carvalho, assessor da Presidência da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da FCMSCSP, e o segundo colocado Denis Tadeu Gomes Cavalcante.

Antonio Augusto Brant de Carvalho, assessor da Presidência da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da FCMSCSP, e o segundo colocado Denis Tadeu Gomes Cavalcante.

​Anualmente, o Instituto Solidare – órgão que apoia crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social custeando bolsas para a educação d​essa população – promove o Prêmio Gente de Talento. Em reunião realizada no ​d​ia 23​/5​, sábado, foram premiados os melhores bolsistas atendidos pelo Instituto Solidare em 2014.
Para a satisfação da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, nove dos 10 premiados eram da Instituição.  “Avaliamos as notas e frequência de todos os alunos, tanto nas aulas quanto nas reuniões promovidas pelo Instituto. Utilizamos esse critério, pois não exigimos nada desses jovens, além de que sejam bons alunos e bons cidadãos, ajudando sempre a sociedade”, explica Jean Marcos Garcia, gerente do Instituto Solidare.

Na ocasião est​iveram presentes Antonio Augusto Brant de Carvalho, assessor da Presidência da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, mantenedora da FCMSCSP; Dr. Fernando Herren Aguillar,​

Edward Christianini, diretor do Instituto Solidare, e a primeira colocada Dhyanna Domingues Suzart.

Edward Christianini, diretor do Instituto Solidare, e a primeira colocada Dhyanna Domingues Suzart.

diretor da ​Faculdade de Direito ​da Universidade São Judas Tadeu; bem como os diretores e colaboradores do Instituto Solidare; e todos os bolsistas e demais convidados.

A aluna Dhyanna Domingues Suzart, atualmente no 4º ano de Fonoaudiologia da FCMSCSP, ficou com o primeiro lugar com uma média de 9,32​.

Conheça a lista dos demais alunos contemplados (referência 2014):

Ranking de Notas Nome Ano Curso Faculdade
1 Dhyanna Domingues Suzart Fonoaudiologia FCMSCSP
2 Denis Tadeu Gomes Cavalcante Medicina FCMSCSP
3 Caio Vinicius de Castro Medicina FCMSCSP
4 Natalia Varago Franchiosi Medicina FCMSCSP
5 Jorge da Silva Kawano Medicina FCMSCSP
6 Paula Cristina Teixeira Gomes Enfermagem FCMSCSP
7 Francisco André Santana Ciências Contábeis USJT
8 Joyce Francisco Medicina FCMSCSP
9 Verônica Reche Rodrigues Gaudino Medicina FCMSCSP
10 Karen Legname Barbour Medicina FCMSCSP

 

Ambulatório Social: alunos da FCMSCSP prestam atendimento gratuito à população

Ambulatório Social - FCMSCSPNo dia 30/5, sábado, das 10h às 15h, os alunos da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo realizarão o Ambulatório Social na E. E. Professora Marina Cintra, na rua da Consolação, 1.289, Higienópolis, em São Paulo (SP). A iniciativa para atendimento à população é idealizada pelo Projeto de Integração dos Primeiro-Anistas (PIPA), que integra as atividades de recepção aos calouros à Faculdade e conta com a organização do Centro Acadêmico Manuel de Abreu (CAMA).

De acordo com Kelvin Kamiya, integrante do CAMA e aluno do 3º ano de Graduação em Medicina da FCMSCSP,  a supervisão da ação será feita  pelo ex-aluno Diego Fontana Siqueira Cunha. “Além de ser egresso da Faculdade Santa Casa de São Paulo e já ter feito parte do Centro Acadêmico, o Diego tem uma proximidade com os alunos e é residente do Hospital das Clínicas”, explica Kamiya quanto à escolha da coordenação. Durante a iniciativa o grupo de participantes, sob acompanhamento de médico responsável, atuará em rodízio, tendo como responsabilidades a realização de inscrição de todos os pacientes e a execução de exames de:

  • dextro – teste de Glicemia;
  • medição de altura e de peso dos pacientes (cálculo do IMC);
  • aferição de pressão arterial;
  • orientações ginecológicas para as mulheres;
  • análise de sinais vitais e dos dados adquiridos;
  • análise feita pelo médico responsável.

“Essa é a oportunidade de viabilizar o primeiro contato dos primeiro-anistas com os pacientes, como se fossem profissionais atendendo de forma autônoma, porém com total supervisão. Nosso objetivo é promover o que aprendemos aqui na Faculdade que é a humanização da Medicina, ou seja, deixar o mais próximo possível esse contato entre médico e paciente”, completa Kamiya. Quanto ao benefício para os cidadãos, o aluno acrescenta: “Dependendo do caso, se a pessoa estiver com a pressão muito alterada ou com hiperglicemia, por exemplo, nós encaminhamos para o médico especialista, pois não podemos dar diagnóstico nenhum, mas orientá-la sobre os procedimentos a serem adotados para tratamento”.

Amidalite: doença inflamatória é comum na infância

Dr. Eitan Naaman Berezin, infectologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Dr. Eitan Naaman Berezin, infectologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

A amidalite, inflamação de origem viral ou bacteriana que atinge as amídalas, é um problema frequente na infância e adolescência. Os sintomas mais comuns são febre, dor de cabeça, falta de apetite, dificuldade para engolir, entre outros. O tratamento depende do diagnóstico etiológico, mas grande parte das ocorrências de inflamação é causada por bactérias.

Na condição de amidalite bacteriana, o tratamento é feito à base de antibióticos específicos e deve seguir orientações médicas, uma vez que a suspensão do medicamento pode causar sequelas tardias. “O maior problema da amidalite estreptocócica são sequelas tardias pós-amidalite, como febre reumática, que pode afetar as articulações e o coração. Para a erradicação da bactéria, normalmente você precisa do tratamento por cerca de 10 dias”, afirma o Dr. Eitan Naaman Berezin, infectologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Outro tratamento possível em casos de amidalite é a retirada das amídalas. De 2010 a 2014, segundo Ministério da Saúde, o Sistema Único de Saúde (SUS) realizou mais de 200 mil cirurgias de remoção desses gânglios linfáticos. Do total de amigdalectomia e adenoidectomia, 97% foram realizadas em jovens de zero a 19 anos. Porém, esse tipo de procedimento é adotado somente após avaliação médica e em casos de problemas crônicos. “Eventualmente, a indicação de retirada de amídalas ocorre quando elas estão com um volume muito grande e prejudicam a própria respiração da criança ou seu crescimento. Isso pode acontecer, mas não é tão relacionado à infecção, mas ao crescimento da estrutura linfóide”, afirma o professor.

Entre dois e oito anos, as crianças são foco maior de infecção, pois a amídala é um tecido linfóide que tem crescimento maior nessa faixa de idade. De acordo com o professor, algumas precauções podem ser adotadas na prevenção da amidalite como evitar aglomerações. Recomenda-se ainda que uma criança doente não vá à escola ou a uma festa, por exemplo, resguardando-se do contato com outras pessoas.

 Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 65, em 5/5/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

24 de maio: aniversário da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Parabéns a todos os colaboradores, professores, alunos, ex-alunos e profissionais da FCMSCSP e da mantenedora, a Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho. Um “muito obrigado” especial a cada um de vocês que fazem o coração desta Instituição bater ainda mais forte todos os dias desde 1963!

52 anos FCMSCSP

FCMSCSP realiza palestras sobre o combate à Dengue e ao Chikungunya

Professores da FCMSCSP e convidados posam para a foto durante a Semana de Enfermagem.

Professores da FCMSCSP e convidados posam para a foto durante a Semana de Enfermagem.

Atualmente, o Brasil vive uma epidemia de dengue, com registro de um caso a cada 12 segundos e mais de 745 mil notificações do problema, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em virtude da comemoração do Dia Mundial do Enfermeiro, instituído em 12 de maio, nesta mesma data, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo preparou uma programação especial, no evento Semana da Enfermagem, trazendo convidados que ministraram palestras sobre medidas de combate à dengue e ao chikungunya e doenças similares, de transmissão pela picada de mosquito.

A enfermagem, denominada como a arte de cuidar, tem uma data especial no calendário da Instituição. “É uma tradição comemorar a data com eventos acerca da profissão. Desde o primeiro ano de curso, pensamos em discussões, palestras e seminários para abordar temas atuais e discutir a carreira”, explica a Dra. Maria Lucia Costa, vice-diretora do curso de Graduação em Enfermagem da FCMSCSP.

Em 2014, a Instituição debateu o tema de Enfermagem Motivacional. “A expectativa para este ano foi de muito entusiasmo por parte dos alunos. Nós trouxemos pesquisadores que falaram sobre as possibilidades de vacinas e deram informações sobre o combate ao Aedes Aegypti. Além disso, tivemos uma ex-docente da Instituição, a mestra Tatiana Chiarella, que relatou sua experiência na África como enfermeira do programa Médicos Sem Fronteiras”, ressalta a Dra. Maria Lucia.

As demais palestras contaram com a participação da Dra. Bronislawa Ciotek de Castro, médica sanitarista, do Prof. Alessandro Giangola, coordenador das ações de combate ao Aedes Aegypti do município de São Paulo, e da Prof.ª Dra. Anna Luiza Gryschek, do departamento de Saúde Coletiva da Escola de Enfermagem da USP.

 Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 65, em 5/5/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Santa Maluquice: Programa de Extensão da FCMSCSP realiza visitas periódicas a crianças internadas

img3O Programa Santa Maluquice, atividade extracurricular universitária vinculada ao Departamento de Pediatria e Puericultura da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, foi criado por um pequeno grupo de alunos da Instituição, em 2003. Desde então, o projeto tem crescido e contato com novos participantes.

Hoje, alunos dos cursos de Graduação em Medicina, Enfermagem e Fonoaudiologia da FCMSCSP realizam o trabalho que tem o objetivo de humanizar o contato dos pacientes internados com o ambiente hospitalar. Isso é possível por meio de atividades realizadas com as crianças internadas no local, o que proporciona momentos de felicidade aos pequenos. Além disso, outros eventos acontecem ao longo do ano, como a festa de dia das crianças e a comemoração do Natal, que conta com distribuição de presentes e brincadeiras realizadas no parquinho da pediatria.

O propósito inicial do Programa era de que visitas regulares fossem feitas à pediatria da Santa Casa de São Paulo. A ideia agora, apresentada durante o curso de introdução do Programa, em 2015, é entrar em contato com outras seções do hospital. O curso contou com a participação de cerca de 80 alunos, que demonstraram interesse em conhecer e participar do Programa.

“Este ano nós entramos em contato com o Hospice, área de cuidados paliativos, e eles gostaram bastante da ideia que nós apresentamos de começar a visitar as enfermarias do local. A gente ainda não começou, mas eles deixaram claro que nós somos bem-vindos lá”, afirma Giuliana D’Amaro, aluna do terceiro ano do curso de Graduação em Medicina e participante do Santa Maluquice.

O projeto demanda doações, como as realizadas pelo Departamento de Saúde Coletiva da FCMSCSP, e arrecadações dos próprios discentes. “Para as festas a gente faz uma arrecadação de brinquedos e materiais por fora, por nossa conta, e procuramos contatos como escolas infantis. Para o Natal do ano passado, nós pedimos doações em escolas e os próprios pais de crianças de uma instituição infantil aqui das redondezas fizeram doações”, conta.

Os alunos interessados em participar do Programa devem informar nome e dia com disponibilidade de horário para frequentar a enfermaria. Segundo Giuliana, as informações gerais são necessárias para que seja feito um certificado de participação do Programa. Novos estudantes também podem participar, mas precisam realizar o curso de introdução e outro de capacitação sobre regras importantes para que estejam aptos a circularem pela enfermaria.

“Acho o Santa Maluquice muito importante porque é um Programa de humanização, e o aluno tem um contato com o paciente que é diferente do contato com o objetivo o ensino. Você está nas enfermarias para aprender as doenças, e quando os alunos vão frequentar a enfermaria com o Santa Maluquice, eles estão ali para conviver, para viver com o paciente naquele momento”, finaliza a aluna.

 Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 65, em 5/5/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Consumo exagerado de isotônicos pode ser prejudicial à saúde

Dr. Osmar Monte,  endocrinologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Dr. Osmar Monte, endocrinologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Associado à atividades físicas, o isotônico é responsável por repor rapidamente a energia consumida pelo corpo humano. A bebida é utilizada para dois fins: hidratar e devolver nutrientes que possam ter sido perdidos durante o exercício físico. De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e Bebidas não Alcoólicas (Abir), o consumo de isotônicos aumentou 60%, entre 2006 e 2010. Entretanto, se consumida em excesso, a bebida pode ser prejudicial à saúde, contribuindo inclusive para alterações na pressão arterial.

“O ideal é não abusar dos isotônicos, porque eles têm efeitos colaterais também. Por exemplo, eles contêm muito sódio. Se o indivíduo for hipertenso e tomar uma carga maior de isotônico, ele pode ter alguma alteração da sua pressão arterial e algumas complicações em virtude disso”, explica o endocrinologista e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Dr. Osmar Monte. Além disso, caso a pessoa não pratique exercícios, a bebida isotônica pode colaborar com o ganho de peso. “Se ele simplesmente tomar isotônico, sem atividade física, isso pode levar ao ganho de peso, porque aumenta a quantidade de calorias que a pessoa está ingerindo”, afirma.

Já o consumo de bebidas isotônicas por crianças só ocorre em casos de hidratação e o líquido não pode substituir a ingestão de sucos naturais no dia a dia. “Primeiro, seria estar substituindo algo saudável por alguma coisa não tão saudável. Em segundo lugar, o suco é uma substância mais natural, que também serve para hidratação e para reposição energética, além de conter vitaminas, coisa que os isotônicos não têm”, explica o professor.

A bebida pode ser usada com moderação por atletas. O Dr. Osmar Monte ressalta que não existe um momento certo para a ingestão do isotônico, pois isso depende muito da intensidade da atividade praticada. Nesse caso, a bebida serve como um mecanismo para reposição de energias.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 65, em 5/5/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.