Vestibular 2015: inscrições abertas para o 2º semestre na Faculdade Santa Casa de SP

A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo comunica a abertura das inscrições para o Vestibular 2015 – 2º semestre dos cursos de Graduação em Enfermagem (47 vagas),  Graduação em Tecnologia em Radiologia (60 vagas) e Graduação em Tecnologia em Sistemas Biomédicos (60 vagas). A taxa de inscrição é de 20 reais e o candidato tem até o dia 25 de junho para registrar a sua participação neste Processo Seletivo. Haverá também a possibilidade de inscrição de candidatos com aproveitamento de notas do Enem, acima de 450 pontos e aprovação em redação.

A prova será realizada no dia 28/6, domingo, às 10h, na sede da FCMSCSP, na Rua Dr. Cesário Motta Jr., 61, Vila Buarque, São Paulo (SP).

Pq conheicmento é parte da vida campanha fcmscsp vestibular 2015 2 semestre

Desempenho reconhecido: 50% de desconto nas mensalidades

Para os candidatos que forem classificados nas 5 primeiras colocações em cada curso, será concedido um desconto de 50% no valor das mensalidades durante toda a vigência do curso.

Confira como serão distribuídas as vagas deste Processo Seletivo:

Vagas ofertadas em Ampla Concorrência

  • Graduação em Enfermagem: 35
  • Graduação em Tecnologia em Radiologia: 45
  • Graduação em Tecnologia em Sistemas Biomédicos: 45

Vagas ofertadas em Cota Social (Bolsa de Estudos Integral)

  • Considerando sua tradição e experiência na formação de profissionais na área da saúde, bem como seu compromisso com a inclusão social, a Faculdade atribuirá Bolsa de Estudos Integral a candidatos em situação de carência socioeconômica, desde que aprovados no Processo Seletivo e com entrega de documentação para análise da Central de Bolsa de Estudo da FCMSCSP até o dia 25/6.
  • As bolsas, oferecidas em regime de Cota Social, serão ofertadas pela mantenedora da FCMSCSP, a Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho.  Serão 12 vagas para o curso de Graduação em Enfermagem, 15 vagas para Graduação em Tecnologia em Radiologia e mais 15 vagas para Graduação em Tecnologia em Sistemas Biomédicos.

Para mais informações, consulte o Portal FCMSCSP, acessando este link.

Anúncios

Alimentação saudável é fundamental na prevenção do diabetes gestacional

Dra. Lilian de Paiva Rodrigues, professora adjunta de ginecologia e obstetrícia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Dra. Lilian de Paiva Rodrigues, professora adjunta de ginecologia e obstetrícia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Durante a gestação, o organismo feminino sofre inúmeras adaptações para o bom desenvolvimento do feto. Porém, as mulheres podem apresentar alguns problemas nesse período. O diabetes gestacional é um deles e acomete cada vez mais mulheres no Brasil. De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a disfunção atinge entre 2,4 a 7,2% das gestantes.

“Isso se deve a produção de hormônios pela placenta. Os níveis de glicose no sangue materno se elevam e, consequentemente, a sua oferta para o bebê. Para que essas concentrações permaneçam normais, é necessário maior produção e liberação de insulina pelo pâncreas materno. Parte dessas gestantes não consegue produzir insulina suficiente e desenvolve o DG”, comenta a Dra. Lilian de Paiva Rodrigues, professora adjunta de ginecologia e obstetrícia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Relacionado a hábitos alimentares das gestantes, quando não tratado, o diabetes gestacional apresenta maior risco para a mãe e o bebê e pode resultar em macrossomia (quando o peso da criança no nascimento é superior a 4kg), desconforto respiratório, hipoglicemia, além de má formação, especialmente de coração e sistema nervoso, nos bebês. Nas gestantes, o problema pode desencadear aumento da pressão arterial, aumento de peso, infecções, abortamento, parto prematuro.

Entre os fatores de risco para o desenvolvimento do DG, estão: gestantes acima de 25 anos, mulheres acima do peso ideal, com histórico familiar de diabetes mellitus (tipo 2) ou que já sofreram abortos espontâneos. “Mas, aquelas mulheres que não apresentam esses fatores também podem desenvolver o diabetes. É importante que, ao suspeitar da gravidez, a mulher procure pelo obstetra para avaliação de sua condição e indicação de tratamento caso apresente o DG”, comenta a professora. Ela ressalta que mais da metade das mulheres que tiveram o diabetes gestacional apresentam grandes chances de desenvolver a diabetes mellitus futuramente. Além disso, os filhos nascidos de mães nessas condições também apresentam risco de desenvolver sobrepeso ou obesidade durante a infância.

Para a prevenção da disfunção, a doutora indica alguns hábitos para o período da gestação:

– Praticar exercícios físicos: A professora explica que a atividade física auxilia na manutenção dos níveis de glicose no organismo. “É importante verificar com o obstetra exercícios ideais, bem como sua frequência, intensidade e duração. É necessário adaptar uma rotina de atividades a condição da mulher. De modo geral, 30 minutos de caminhada pode ser bastante eficaz”.

– Alimentação saudável: Fundamental para qualquer gravidez, uma dieta equilibrada é a principal regra para mulheres com diabetes gestacional. É ideal manter refeições indicadas pelo nutricionista, com riqueza de proteínas e ferro, além de evitar o consumo de alimentos gordurosos, açúcares e refrigerantes.

– Controle da Glicemia: A Dra. Lilian afirma que dedicar atenção ao controle da glicemia é importante no período da gestação. O ideal é fazer testes frequentes por aparelhos portáteis – que necessitam de uma gota de sangue para a verificação – ou exames laboratoriais, finaliza a professora.

 Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 63, em 22/4/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Hipertensão e tabagismo são fatores de risco para o AVC

Dr. Rubens Gagliardi, professor titular de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Dr. Rubens Gagliardi, professor titular de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Popularmente conhecido por “derrame”, o Acidente Vascular Cerebral – AVC é uma disfunção neurológica que acontece devido a comprometimentos da circulação sanguínea cerebral. Pode ser resultado de uma isquemia, causada por trombose, embolia ou outro tipo de obstrução do vaso, ou por uma hemorragia. Quando não há sangue suficiente para irrigar o tecido cerebral, este pode ficar sem “combustível”, o que leva a uma degeneração com isquemia e eventualmente morte neuronal, caracterizando o AVC, explica o Dr. Rubens Gagliardi, neurologista e professor Titular de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

No Brasil, cerca de 100 mil pessoas morrem por ano em virtude deste problema, segundo o Ministério da Saúde. Em 90% dos casos, há uma relação direta e comprovada com os principais fatores de risco.

Apesar de ser predominante em pessoas a partir dos 60 anos, o AVC pode acontecer em qualquer idade, inclusive em recém-nascidos.

“O AVC é, na verdade, o denominador final de um distúrbio ou doença geral. O paciente tem alguma afecção que leva a alteração nas suas artérias ou veias cerebrais e que podem acarretar, com o progredir da doença, o AVC. Existem alguns fatores de risco genéticos como má formação vascular, como o aneurisma, alteração da coagulação, anemia falciforme e fatores adquiridos como hipertensão arterial, diabetes, cardiopatias, tabagismo, dislipidemias, alcoolismo excessivo, obesidade, sedentarismo, uso de drogas ilícitas, entre outros, que podem ser os responsáveis pelo aparecimento do AVC”, comenta o professor.

Os sintomas do AVC são muito variados e importantes. Podem ser motores, sensitivos, sensoriais, cognitivos, autonômicos. Os mais comuns são dificuldade de expressão verbal e/ou de compreensão (disfasia) e a paralisia de um dos lados do corpo (hemiparesia); muitas vezes também pode provocar distúrbio de visão – perda parcial ou total, dificuldade de cálculo, leitura, alteração de equilíbrio e dificuldade na deglutição.

Essas alterações nem sempre são permanentes, porém, em grande parte dos casos, os pacientes ficam com sequelas. “No período de 1 ano após o AVC, as estatísticas apontam que 30% dos pacientes morrem, 30% recuperam-se completamente, 20% ficam com sequelas graves e incapacitantes e 20% com leves, mas que interferem nas atividades cotidiana”, afirma o doutor.

Ele ressalta que o melhor tratamento é o preventivo, uma vez que o AVC tem grande possibilidade de prevenção. “O ideal é ter sempre uma alimentação balanceada, se possível, aliada a exercícios físicos regulares. Também é necessário evitar consumo excessivo de bebidas alcoólicas e tabagismo; ter um controle rigoroso da pressão arterial, da glicemia, dos lípides sanguíneos e do estado das artérias. Estes são fatores de risco que predispõem o Acidente Vascular Cerebral”, finaliza o professor Gagliardi.

 Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 63, em 22/4/2015. Assine nossa newsletter:http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Sinusite: especialista alerta que se não for tratada adequadamente, pode evoluir para doenças graves

Dr. José Eduardo Lutaif Dolci, otorrinolaringologista, professor e diretor do curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Dr. José Eduardo Lutaif Dolci, otorrinolaringologista, professor e diretor do curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

A sinusite é caracterizada por um processo inflamatório dos seios da face. Também conhecida por “rinossinusite”, por acometer o nariz, pode ter origem viral, bacteriana ou fúngica. A bacteriana, principalmente, pode se apresentar nos tipos aguda e crônica. A primeira é caracterizada por crises entre 1 dia e 3 meses e a segunda por episódios recorrentes acima desse período.

“A sinusite crônica ainda pode ser caracterizada por aparições com e sem pólipo. É importante observar, pois são situações com evoluções muito diferentes. O indivíduo que apresenta sinusite crônica com pólipo tem maior dificuldade para ficar curado”, afirma o Dr. José Eduardo Lutaif Dolci, diretor do curso de Graduação em Medicina e professor titular de Otorrinolaringologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Comumente confundida com rinite alérgica por compartilhar sintomas, o paciente com sinusite apresenta: nariz entupido, secreção amarelada em um dos lados ou ambos os seios da face e voz anasalada. Em alguns casos, o indivíduo apresenta febre, porém sempre baixa.

“A sinusite também acomete crianças, que compartilham sintomas dos adultos e tosse. É importante ficar atento aos sintomas, pois em quadros diagnosticados como sinusite, apresentar febre alta, pode significar evolução para um caso mais grave. Ela pode evoluir para uma complicação orbitária (nos olhos), com inchaço e vermelhidão e, se extremo, pode provocar cegueira” explica o professor. “Além disso, também pode ter evolução para complicação intracraniana como meningite, por exemplo. E não são casos raros. Por isso, sempre que uma crise de resfriado durar mais de 10 dias, é necessário procurar um profissional para o tratamento adequado”, alerta.

O especialista comenta que a sinusite é um processo inflamatório com início, meio e fim. Portanto, é incorreto dizer que uma pessoa possui a disfunção. “Pessoas que possuem rinite alérgica e não a tratam, que têm desvio do septo ou que trabalham em ambientes como frigoríficos, chapa, minas de carvão ou escritórios com ar condicionado forte têm maior facilidade de desenvolver a doença. Porém, não são pacientes que necessariamente terão episódios recorrentes”, afirma.

Para o tratamento da sinusite viral, são indicados medicamentos descongestionantes, analgésicos e a limpeza do nariz com soro fisiológico. “Na situação bacteriana, é necessário o antibiótico. Se aguda, com amoxicilina e, em alguns casos, com corticoide. Na sinusite crônica, é necessário verificar a origem do problema. Assim, o processo é, na maior parte das vezes, cirúrgico com limpeza dos seios da face”, comenta o Dr. Dolci.

Para prevenir possíveis crises, o professor indica lavar sempre a região do nariz com soro e evitar permanecer muito tempo em locais fechados sem circulação do ar ambiente. “Se o soro da farmácia for caro, o ideal é ferver 1 litro de água com 1 colher pequena de sal. Depois de morna, aplicar no nariz. Isso evita que os processos de inflamação iniciem”, finaliza.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 63, em 22/4/2015. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Portas Abertas 2015: conheça a estrutura do tradicional curso de Graduação em Medicina da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

peca_blogNo dia 26/5, terça-feira, a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo promoverá mais uma edição do Portas Abertas para os interessados em conhecer o tradicional curso de Graduação em Medicina da Instituição. Na ocasião, professores da FCMSCSP irão apresentar palestras sobre o curso e os visitantes poderão conhecer o complexo hospitalar e as instalações da Faculdade. Haverá também apresentação das organizações acadêmicas, com a participação de alunos e ex-alunos. A realização deste evento é do Departamento Científico Manoel de Abreu (DCMA) e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

 Leia mais em www.fcmsantacasasp.edu.br

 

Confira abaixo a programação e mais informações. 

Quando: 26/5/2015, terça-feira, das 13h às 18h30.

Investimento: 30 reais por participante

Inscrições: www.dcma.com.br/portasabertas.html – Vagas Limitadas: 30.

Mais informações: (11)3361-1129 ou marketing@dcma.com.br

Observação: É obrigatório o uso de sapatos fechados e calça comprida

Local: FCMSCSP – Anfiteatros Prof. Dr. Emilio Athié e Prof. Dr. Paulo A. Ayrosa Galvão –

Endereço: Rua Dr. Cesário Motta Jr., 112, Vila Buarque, São Paulo (SP)

A História da Anatomia

A Liga de Morfologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo realizará, no dia 27/4, segunda-feira, das 17h30 às 19h30, uma discussão sobre a História da Anatomia no Brasil e na cidade de São Paulo, com enfoque na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e no Dr. Orlando Jorge Aidar, anatomista e diretor da FCMSCSP, entre 1982 e 1984.

O encontro será realizado no Departamento de Morfologia da FCMSCSP, à Rua Dr. Cesário Motta Jr., 112, Vila Buarque, São Paulo (SP).

Inscrições no local: R$ 8,00 com CAD e R$ 10,00, sem CAD.

São Paulo sedia Curso Internacional de Cirurgia da ATM

Estão abertas, até o dia 30/4, as inscrições para o 1º Curso Internacional de Cirurgia da ATM – Aberta e Artroscópica. Sob a coordenação do Dr. Ronaldo de Freitas, o curso teórico com cirurgias ao vivo acontece nos dias 15 e 16 de maio, sexta-feira e sábado, nos Anfiteatros Alipio Correa Neto e Dr. Paulo Augusto Ayrosa Galvão, na rua Dr. Cesário Motta Jr., 112, Vila Buarque, São Paulo (SP). A realização é da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Para baixar a programação* completa, clique na imagem abaixo:

Curso Internacional de ATM Faculdade Santa Casa de São Paulo

Confira os convidados e a programação:

CONVIDADOS

    • Dr. Francisco José Rodríguez Campo – Professor e cirurgião no Hospital Universitário La Princesa da Universidade Autônoma de Madrid – Espanha
    • Dr. Mario Fernando Muñoz Guerra – Professor e cirurgião no Hospital Universitário La Princesa da Universidade Autônoma de Madrid – Espanha
    • Dr. Giovanni Montealegre Gomez – Professor da Universidade Nacional de Colômbia
    • Dr. Rubens Guimarães Filho – Professor da Universidade de Taubaté – Unital

PROGRAMAÇÃO

MÓDULO I – TEÓRICO

15 de maio, sexta-feira

      • 7h30 às 8h30 – Entrega de material e novas inscrições (se houver vagas)
      • 8h30h às 08h55 – Artrocentese – técnicas e possibilidades, ácido hialurônico ou corticóides – Dr. Alan Canto
      • 8h55 – 9h20 – Anatomia Artroscópica da ATM (Dr. Rodríguez-Campo)
      • 9h20 às 9h45 – Miotomia anterior e técnicas de reposicionamento discal via Artroscópica – Dr. Muñoz-Guerra
      • 9h45 às 10h25 – Coffee-break e visita aos expositores
      • 10h25 às 10h50 – Artroscopia de ATM em outras doenças e uso de toxina botulínica –Dr. Rodríguez-Campo
      • 10h50 às 11h15 – Resultados em Artroscopia operatória de ATM – Dr. Muñoz-Guerra
      • 11h15 às 12h – Perguntas e discussões – Moderadores: Dra. Manuela Pinotti e Dr. Fernando Maciel

12h às 13h20 – Almoço

      • 13h20 às 13h40 – Luxação recidivante da ATM – como tratamos – Dra. Manuela Pinotti
      • 13h40 às 14h – Deslocamentos de disco articular sem redução – como tratamos –Dr. Ronaldo de Freitas
      • 14h às 14h20 – Hiperplasia Condilar – como tratamos – Dr. Fernando Maciel
      • 14h20 às 14h40 – Tumores do Côndilo Mandibular – Dr. Giovanni Montealegre
      • 14h40 às 15h15 – Coffee-break e visita aos expositores

Reconstrução da ATM – quais as possibilidades

      • 15h15 às 15h45 – Reconstrução da ATM com enxerto – Dr. Ronaldo de Freitas
      • 15h45 às 16h15 – Reconstrução da ATM com prótese de estoque – Dr. Rodríguez Campo
      • 16h15 às 16h45 – Reconstrução da ATM com prótese customizada – Dr. Rubens Guimarães Junior
      • 16h45 às 17h15 – Reconstrução da ATM com retalho microcirúrgico – Dr. Giovanni Montealegre
      • 17h15 às 18h – Perguntas e discussão – Moderadores: Dr. Muñoz-Guerra e Dr. Alan Canto


MÓDULO II – DEMONSTRATIVO
16 de maio, sábado

      • 8h às 10h30 – Artroscopia cirúrgica da ATM
      • 10h30 às 11h30 – Coffee break e visita aos expositores
      • 11h30 às 14h30 – Cirurgia ancoragem de disco
      • 14h30 às 15h30 – Discussão e encerramento


Investimento:

Até 30 de abril

      • R$ 1.000,00 – Profissionais não sócios do Colégio Brasileiro e Traumologia Buco-Maxilo-Facial e outros profissionais da saúde
      • R$ 800,00 – Sócios do Colégio Brasileiro e Traumologia Buco-Maxilo-Facial
      • R$ 550,00 – Acadêmicos, residentes e pós-graduados com comprovação


De 1º de maio até o evento

      • R$ 1.300,00 – Profissionais não sócios do Colégio Brasileiro e Traumologia Buco-Maxilo-Facial e outros profissionais da saúde
      • R$ 1.000,00 – Sócios do Colégio Brasileiro e Traumologia Buco-Maxilo-Facial
      • R$ 650,00 – Acadêmicos, residentes e pós-graduados com comprovação

As vagas são limitadas e a inscrição para o curso deve ser realizada pelo site www.santacasasp.org.br. Mais informações pelo tel.: (11) 2176-7266.

*Obs.: programação sujeita à alteração, sem prévio aviso.