Tratamento da hemofilia é eficiente e oferecido gratuitamente em todo o país

HemofiliaDados do Ministério da Saúde apontam que, no Brasil, 16 mil pessoas com hemofilia são assistidas pelo SUS (Sistema Único de Saúde). A doença hemorrágica é caracterizada pela deficiência da proteína responsável pela coagulação no sangue. Segundo a Dra. Ana Clara Nascimento, médica assistente especializada em hemostasia da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, existem dois tipos mais comuns de hemofilia: A e B, que são carências dos fatores 8 e 9, respectivamente. A doença é transmitida geneticamente por meio do cromossomo X e, geralmente, acomete pessoas do sexo masculino.

“O portador do problema produz em menor quantidade a proteína responsável pela coagulação. Dessa forma, o grau de sangramento será de acordo com ausência desse componente”, afirma.

O indivíduo normal que não tem a doença apresenta uma quantidade muito além da necessária da proteína no sangue, que gira em torno de 50 a 150%. Já pessoa com hemofilia, pode ser acometida em três níveis:

• Grave: menos de 1% de proteína – Com sangramentos espontâneos.
• Moderada: 1 a 5% de proteína – Apresentando sangramentos com mais facilidade.
• Leve: acima de 5% de proteína – Em que os sangramentos são menos intensos, ocasionados por cirurgias, extração de dentes, entre outros.

A Dra. Ana Clara explica que os sangramentos na hemofilia geralmente são mais profundos, em músculos e articulações (hermatroses). “São hemorragias causadas por traumas mínimos em áreas como joelho, quadril, cotovelo e tornozelo. O sangramento em uma cavidade fechada acaba irritando as camadas dentro da articulação. Esse processo inflamatório destrói as juntas e pode gerar uma alteração óssea e até a necessidade da substituição de membros por próteses”, explica.

O tratamento da hemofilia é baseado na infusão da proteína ausente ou insuficiente. Segundo a especialista, para evitar contaminações com doenças transmitidas por transfusão, mesmo sendo tão segura, esse procedimento não é mais realizado. “Atualmente é infundido somente a molécula presente no sangue dos doadores. O processo inclui a separação da proteína necessária, que é utilizada em forma de pó. Isso melhora a qualidade e a segurança, visto que é utilizado um volume menor para atingir a ótima eficácia”, afirma.

O tratamento também pode ser realizado com proteína produzida em laboratório por tecnologia recombinante, com bactérias que ficam em um centro de cultivo e produzem o componente. Em seguida ele é separado e utilizado em forma de pó.

De acordo com a Dra. Ana Clara, a partir dos primeiros sangramentos já é possível identificar uma lesão inicial e então realizar o tratamento para que não volte a ocorrer a hermatrose. “O ideal é oferecer o tratamento preventivo, ou seja, antes de ocorrer a hemorragia é aplicado o fator ausente. Dessa forma, os pacientes graves, com o tratamento, podem ser transformados em moderados”, afirma.

A médica destaca, que nos últimos 20 anos o tratamento da doença avançou muito e, atualmente é oferecido gratuitamente para todas as pessoas com a doença pelo Ministério da Saúde.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 39, em 23/4/2014. Assine nossa newsletter: http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Anúncios

Sobre Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo
A Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP) é uma instituição de ensino superior com mais de 50 anos de atividades. Tem como mantenedora a Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho, que também incentiva a realização ou a participação em pesquisas nos âmbitos científico e técnico e estimula, pela promoção ou participação, estudos nas áreas médica, sanitária e social. Oferece cursos de graduação em Medicina, Enfermagem e Fonoaudiologia; graduação tecnológica em Radiologia e em Sistemas Biomédicos, além de diversos cursos de pós-graduação (especialização lato sensu, mestrado ou doutorado) e pós-doutorado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: