Dia Nacional de Combate ao Câncer da Pele: exames preventivos disponíveis em todo o país

Câncer da Pele - Imagem: SBD Acadêmicos da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo estarão ao lado de residentes e de uma equipe de dermatologistas na Santa Casa de São Paulo, neste sábado, dia 30 de novembro, das 9h às 15h, para a realização de exames que identifiquem o câncer da pele. O paciente passará por consulta gratuita e, caso seja diagnosticado com câncer da pele, fará o tratamento no próprio hospital.  Mais de 130 postos de atendimento também estarão abertos em todo o país, no mesmo horário, para a realização de exames.

A iniciativa é da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) por meio dos seus serviços credenciados em todo o Brasil e ressalta a importância do diagnóstico precoce no Dia Nacional de Combate ao Câncer da Pele. O atendimento na Santa Casa de São Paulo será na Rua Dr. Cesário Motta Júnior, 112, no Pavilhão Conde de Lara, andar térreo, Vila Buarque, São Paulo (SP). Para mais informações, clique aqui.

Anúncios

FCMSCSP confere título de Doutor Honoris Causa ao provedor da Santa Casa de SP

Kalil Rocha AbdallaA Congregação da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo realiza no próximo dia 26/11, terça-feira, às 10h, a solenidade de outorga do título de Doutor Honoris Causa a Kalil Rocha Abdalla, provedor da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Será nos auditórios Emilio Athié e Paulo Augusto Ayrosa Galvão, na Rua Dr. Cesário Motta Júnior, 112, Vila Buarque, São Paulo (SP).

Dia de Atenção ao Trauma chega à sua 10ª edição

No dia 6 de novembro aconteceu a 10ª edição do Dia de Atenção ao Trauma – Dia T, evento realizado anualmente pelo Avisa (Núcleo de Acidentes e Violência da Santa Casa de São Paulo). O evento contou com a presença de profissionais da área da saúde, alunos da FCMSCSP e de outras Instituições. Foram 18 cursos, com 3 convidados internacionais, 90 convidados nacionais e mais de 1600 participantes. O encontro fez parte da Semana do Trauma, iniciativa inédita com objetivo de englobar todos os aspectos relacionados à temática do evento, apresentando perspectivas das diferentes profissões e especialidades que atendem as vítimas de trauma.

De acordo com Renato Pescarolo Zan, professor do departamento de Medicina Social da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e presidente do Avisa, o Dia de Atenção ao Trauma pautou a implantação do Sistema de Trauma, o atendimento à Catástrofes e Múltiplas Vítimas, o Ensino ao traumatizado no país, as formas de atuação, além de abordar o problema no contexto mundial.

“Essa temática é de interesse para todos os profissionais que, de alguma forma, atuam na emergência e no pronto atendimento. Em 2010, aconteceram, no Brasil, 145 mil mortes decorrentes de trauma. Foram 390 ocorrências por dia e 16 por hora. Para cada morte, há 4 sequelados e dezenas de internações. No evento, focamos a qualidade do atendimento, reforçando que o melhor tratamento é a prevenção”, diz.

Segundo o professor, as apresentações contaram com profissionais de áreas como: cirurgia, ortopedia, terapia intensiva, neurocirurgia, pediatria, geriatria, e de especialistas em acidentes do trabalho e traumas da face. São consideradas traumas lesões internas decorrentes da troca de energia entre o meio externo e o corpo. As causas mais frequentes são os acidentes de tráfego, quedas e a violência interpessoal, apresentando características próprias, acometendo vários órgãos, o trauma está presente em todas as idades e diferentes níveis de gravidade.

Em 2013, ao lado da data memorável dos 50 anos da fundação da FCMSCSP, acrescenta-se mais uma década de atividades do Avisa. O núcleo conta com o apoio da FCMSCSP e da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e realiza reuniões, publicações, congressos e parcerias com instituições privadas e públicas.

“A nossa missão está embasada em congregar os profissionais e serviços de saúde da Santa Casa de São Paulo e instituições afins, promover e manter a disseminação de ações de prevenção, diagnósticos, terapêutica, reabilitação e de reinserção social das vítimas. Além disso, queremos desenvolver a adoção de comportamentos e de ambientes seguros e saudáveis com mobilização da sociedade e da mídia, monitorar a ocorrência de acidentes e violências e apoiar as atividades científicas”, finaliza.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 30, em 13/11/2013. Assine nossa newsletter http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Disciplina do curso de Enfermagem prioriza a relação entre o enfermeiro e o paciente

O enfermeiro é indispensável em inúmeros campos e não se limita aos cuidados técnicos com os pacientes, mas também na promoção do relacionamento, sobretudo com pacientes no setor da saúde mental. De acordo com Zélia Nunes Hupsel, professora assistente do curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, a ação de cuidar do paciente é um processo interacional dinâmico, em que cada um dos envolvidos se relaciona de determinada forma e atribui um significado às relações que estabelece. Assim, o enfermeiro deve entender e compartilhar essa experiência que envolve inúmeros fatores de interação nos níveis biológico, psicológico e sociológico.

“Em nossas atividades assistenciais é importante fomentar a saúde mental, o que significa qualidade de vida. É preciso entendê-la como um conceito aberto, no sentido de que os significados e práticas mostram grande variação, pois não é possível determinar um padrão unificado de normalidade no espectro da saúde mental, que significa buscar viver a vida na sua plenitude, respeitando códigos de ética, a legislação da sociedade e os direitos do outro”, afirma.

Como forma de capacitar os futuros enfermeiros para estabelecerem o relacionamento efetivo, fundamental na assistência dos pacientes, no segundo semestre do curso de graduação em Enfermagem da Faculdade Santa Casa de São Paulo, é oferecida a disciplina Ações Interpessoais Básicas em Saúde Mental.

“Trabalhamos temas como cidadania e construção de laços sociais sadios com o objetivo de estimular e capacitar o aluno a comunicar-se de forma efetiva com seus pacientes, estabelecer a relação de ajuda e refletir sobre os aspectos que podem facilitar ou dificultar os relacionamentos interpessoais”, explica.

Somado a isso, segundo a professora, o programa apresenta conteúdo sobre conceitos básicos de saúde mental, adaptação, relação de ajuda, dignidade humana, igualdade de direitos, reconhecimento e a valorização das diferenças e das diversidades. Além de temas como características biopsicossociais e culturais dos diferentes sujeitos e seus contextos, relação entre o meio natural, socioeconômico e o cultural, relacionamento interpessoal terapêutico, assertividade, comunicação terapêutica, medidas terapêuticas de enfermagem, situações de crise, relacionamento interpessoal em situações específicas e fundamentos de dinâmica grupal.

“É uma disciplina muito abrangente, utilizamos como método de ensino aulas expositivas, seminários, estudos dirigidos, exposição de filmes e discussão das vivências”, conclui.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 30, em 13/11/2013. Assine nossa newsletter http://www.fcmsantacasasp.edu.br.

Liderança em Enfermagem

“Liderança na formação do enfermeiro” é o tema da 1ª edição do Simpósio de Liderança em Enfermagem promovido pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. O encontro será realizado no dia 23 de novembro, sábado, das 8h às 12h, e é voltado a alunos de Enfermagem e aos profissionais da saúde.

Simpósio de Enfermagem em Liderança

Entre os palestrantes, estão José Domingues Silva, diretor em Estratégia de Desenvolvimento de Mercados da Hollister do Brasil, e Tamara Iwanow Cianciarullo, professora em Ciências e Tecnologia na Saúde e Políticas Públicas da Universidade Mogi das Cruzes. A organização do Simpósio de Liderança em Enfermagem é do curso de Graduação em Enfermagem da FCMSCSP, sob a coordenação da Professora Mestra Luzia Nahoyo Oka Horiuchi.

Para mais informações, clique aqui.

Dia Nacional de Prevenção e Combate à Surdez: 9,7 milhões de pessoas no País apresentam deficiência auditiva

O dia 10 de novembro — Dia Nacional de Prevenção e Combate à Surdez — alerta a população sobre os cuidados com a saúde auditiva. Em pesquisa realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2010, 5,1% dos entrevistados responderam possuir alguma deficiência auditiva, dado que representa 9,7 milhões de pessoas. Já a deficiência severa, quando há grande dificuldade ou incapacidade de ouvir, foi declarada por 2,1 milhões de indivíduos, dos quais cerca de 300 mil eram surdos.

De acordo com a Dra. Kátia de Almeida, vice-diretora do curso de graduação em Fonoaudiologia e coordenadora do Mestrado Profissional em Saúde na Comunicação Humana da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, a perda da audição tem aumentado principalmente pela superexposição a ruídos, sendo que, uma vez constatada, se torna irreversível. “Há uma grande preocupação em relação à perda de audição induzida, ou seja, causada por fatores externos. Isso acontece principalmente com jovens que utilizam aparelhos sonoros em volumes extremamente altos. Essa perda é permanente e não há como regredi-la”, afirma.

A especialista explica que a única maneira de prevenir a perda da audição é não se expor a ruídos e altas pressões sonoras, ficando o mínimo de tempo possível em lugares com muito barulho. “Para identificar uma situação de risco auditivo, basta a pessoa se atentar ao fato de que, se estiver em um ambiente com muito barulho, ela vai precisar gritar para ser ouvida. Após ficar em ambientes barulhentos, ela pode apresentar zumbido e sensação de ouvido tampado. Caso essa exposição seja reincidente, a perda pode ser permanente. A audição que teremos na terceira idade irá depender do quanto cuidamos dela na juventude”, conclui.

Texto originalmente publicado no boletim Conectar, edição 30, em 13/11/2013. Assine nossa newsletter http://www.fcmsantacasasp.edu.br.